Ibogaína

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Molécula da ibogaina, C20H26N2O

Ibogaína é o princípio ativo da raiz da iboga. Trata-se de um alcalóide indólico enteogênico capaz de antagonizar e anular a ação de uma série de alcalóides ou compostos orgânicos nitrogenados de intensa bioatividade sobre o cérebro, como a cocaína, heroína e morfina, dentre outros.[1]

Obtida de um arbusto da família Apocynaceae, de origem africana Tabernanthe iboga, nas regiões do Congo e do Gabão entre os pigmeus e alguns povos bantos, que possivelmente assimilaram essa prática pelo contato com esses misteriosos povos da floresta que são os pigmeus, se praticam rituais com preparados dessa planta denominado, entre as tribos Apindji e Mitsogho, como Buiti. Outros grupos e etnias do Gabão também o utilizam possivelmente a partir desse contato cultural.[2]

De acordo com a antropóloga Labate [3], há dois tipos de Buiti: o tradicional que surgiu no século 19 - e o sincrético, o mais difundido, que é produto da fusão do primeiro com elementos de outros cultos africanos e da influência da evangelização cristã no continente no início do século 20. Possivelmente sob influência das notícias de cura, transformações psicológicas associada à conversão religiosa e participações de estrangeiros, o mundo ocidental tem despertado interesse sobre essa planta e esse ritual.

Inédita pesquisa brasileira, conduzida pelo Departamento de Psiquiatria da Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP) e publicada em 2014 pelo prestigiado The Journal of Psychopharmacology, da Inglaterra[4], uma das publicações mais relevantes na área de Psicofarmacologia do mundo, concluiu que a Ibogaína pode interromper dependência de cocaína, crack e outras formas de vício em 72% dos casos.

O estudo foi conduzido por uma equipe formada por 4 profissionais​ –​ o neurocientista Dr. Eduardo Schenberg, o medico Dr. Bruno Rasmussen, a psicóloga Maria Angelica Comis e o psiquiatra Dr. Dartiu Xavier -​ e ​foi realizado entre janeiro de 2005 e março de 2013. 

"O tratamento com Ibogaína realizado em hospital, com acompanhamento médico constante, medicação de boa qualidade e procedência, em pacientes motivados, é seguro e sem complicações", garante o Dr. Bruno Rasmussen, que acompanha pacientes nesse tipo de tratamento já há 20 anos. De acordo com ele, os pacientes receberam acompanhamento por até 3 anos após a primeira sessão de terapia e, nesse período, não foi verificada nenhuma sequela física ou psicológica.

O Dr. Bruno Rasmussen também ressaltou que uma das principais vantagens do uso da Ibogaína contra a dependência química é que, enquanto o paciente que recebe tratamento tradicional fica, em média, nove meses internado, aquele que vivencia o tratamento com Ibogaína passa apenas 1 dia no hospital.

No Brasil, embora não existam restrições legais à Ibogaína, o uso da substância como medicamento não está regulamentado. Os tratamentos  podem ser considerados como uma alternativa para os casos mais graves de dependência química. As sessões com Ibogaína são feitas a partir de produtos importados, de acordo com procedimento devidamente autorizado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

A pesquisa produzida pela UNIFESP acabou dando origem a uma série de enunciados publicados pelo CONED-SP (Conselho Estadual de Política Sobre Drogas do Estado de São Paulo) visando a regulamentar o uso médico desta substância.

Preparados com essa planta vem sendo utilizado, com sucesso, em sessões terapêuticas no Hospital Terapêutico do Grupo VIDA cujo objetivo é alcançar a cura completa da drogadição.[5]. Observe-se que não são os mesmos extratos utilizados nas distintas tribos, pois segundo a referida antropóloga são preparados mantidos em sigilo.

Quimicamente, a ibogaína é classificada como uma triptamina, análoga à melatonina, estruturalmente semelhante à harmalina. Um dos primeiros pesquisadores a estudar os potenciais efeitos da ibogaína psicoterápico foi o psiquiatra chileno Claudio Naranjo, na década de 1960s e segundo Freedlander, 2003 o uso da ibogaína para o tratamento da dependência de drogas tem sido baseada em relatos da International Coalition of Addict Self-Help (ICASH) e DASH (Dutch Addict Self-Help Group) de pesquisas realizadas com voluntários desde os anos 80. [6] Estudo feito pela Universidade Federal de São Paulo mostrou que a ibogaína é cinco vezes mais eficiente para interromper a dependência química do que tratamentos já conhecidos. É extraída da raiz da Iboga. [7][8][9][10][11][12][13]

Notas e referências

  1. "Drogas: uso, dependência e redenção" - ParanáOnline
  2. Samorini, Giorgio. Buiti: religião enteogênica africana. in: Labate, Beatriz C.; Goulart, Sandra L. (Org.) O uso ritual das plantas de poder. SP, Mercado das Letras, FAPESP, 2005
  3. Labate, Bia O que é a religião Buiti?. Revista das Religiões Comunidade Espirita Jun. 2011
  4. Treating drug dependence with the aid of ibogaine: A retrospective study
  5. "A droga , ibogaína" - Superinteressante
  6. Freedlander, Jonathan. Ibogaine: a novel anti-addictive compound, a comprehensive literature review. Journal of Drug Education and Awareness, 2003; 1:79-98. Erowid Vault: Ibogaine Jun. 2011
  7. Werneke U, Turner T, Priebe S. Complementary medicines in psychiatry: review of effectiveness and safety. Br J Psychiatry. 2006 Feb;188:109-21. Review. PubMed PMID 16449696.
  8. Papadodima SA, Dona A, Evaggelakos CI, Goutas N, Athanaselis SA. Ibogaine related sudden death: a case report. J Forensic Leg Med. 2013 Oct;20(7):809-11. doi:10.1016/j.jflm.2013.06.032. Epub 2013 Aug 5. PubMed PMID 24112325.
  9. Mazoyer C, Carlier J, Boucher A, Péoc'h M, Lemeur C, Gaillard Y. Fatal case of a 27-year-old male after taking iboga in withdrawal treatment: GC-MS/MS determination of ibogaine and ibogamine in iboga roots and postmortem biological material. J Forensic Sci. 2013 Nov;58(6):1666-72. doi:10.1111/1556-4029.12250. Epub 2013 Aug 6. PubMed PMID 23919354.
  10. Jalal S, Daher E, Hilu R. A case of death due to ibogaine use for heroin addiction: case report. Am J Addict. 2013 May-Jun;22(3):302. doi:10.1111/j.1521-0391.2012.00330.x. PubMed PMID 23617876.
  11. Alper KR, Stajić M, Gill JR. Fatalities temporally associated with the ingestion of ibogaine. J Forensic Sci. 2012 Mar;57(2):398-412. doi:10.1111/j.1556-4029.2011.02008.x. Epub 2012 Jan 23. PubMed PMID 22268458.
  12. Kubiliene A, Marksiene R, Kazlauskas S, Sadauskiene I, Razukas A, Ivanov L. Acute toxicity of ibogaine and noribogaine. Medicina (Kaunas). 2008;44(12):984-8. PubMed PMID 19142057.
  13. 6: Maas U, Strubelt S. Fatalities after taking ibogaine in addiction treatment could be related to sudden cardiac death caused by autonomic dysfunction. Med Hypotheses. 2006;67(4):960-4. Epub 2006 May 15. PubMed PMID 16698188.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre fármacos é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.