Psicoterapia psicodélica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Psicoterapia psicodélica refere-se à prática de psicoterapia envolvendo o uso de substâncias psicoativas específicas conhecidas como "psicodélicas", "alucinógenos" ou "enteógenos". Tais nomes são construídos funcionalmente a partir de propriedades específicas e contexto de uso dentro do grupo de drogas classificadas farmacologicamente como psicodislépticos, particularmente (em sua maioria) com ação serotoninérgica, tais como: LSD, psilocibina e DMT. O uso do termo "psicodélico" enfatiza a oportunidade que essas substâncias proporcionam para a exploração da psique, o que é fundamental para a maioria dos métodos de psicoterapia.

A utilização de tais substâncias é secularː sua investigação no âmbito científico e terapêutico praticamente se iniciou na década de 1950 com a comercialização da dietilamida do ácido lisérgico, tendo sido interrompida por sua proibição em metades dos anos 1960 e sendo retomada nos finais dos anos 1980 com a redescoberta do uso da ayahuasca ou yajé.[1]

Uma revisão dos artigos e livros sobre esse tema enfrentará a tarefa de classificar alguns milhares de artigos, capítulos de livros e livros já escritos do início do século XX até hoje.[2] Segundo Fontana (1969),[3] deverá se proceder a uma revisão de pelo menos duas centenas de artigos tomados como referência de publicações. Essas substâncias devem ser consideradas como auxiliares da psicoterapia no sentido de aumentar o insight e favorecer a conexão e não como um uso per se, que poderia remover ansiedades latentes que deveriam ser elaboradas no processo psicoterápico. Assinala-se a indicação para a maioria dos pacientes neuróticos e chama-se a atenção ao risco de surto psicótico em pacientes susceptíveis.

História[editar | editar código-fonte]

Psicoterapia psicodélica, no mais amplo senso, confunde-se com o estudo e utilização de técnicas de meditação, êxtase religioso e xamanismo pela psicologia, que são provavelmente tão antigos quanto o conhecimento humano sobre plantas psicoativas. Embora predominantemente vistos como espirituais por natureza, elementos de técnicas psicoterapêuticas[4] podem ser reconhecidos nos rituais enteogénicos que integram as práticas "médicas" de muitas culturas. Notavelmente, algumas regiões da América Central (ocupadas por integrantes das culturas Maia e Asteca) e América do Sul (descendentes Incas e integrantes de algumas etnias da Amazônia e Região Nordeste do Brasil) reúnem a maioria das substâncias conhecidas como psicodislépticas ou psicodélicas.

Alguns estudos precursores poderiam ser citadosː entre estes, o estudo sistemático do Peiote o cacto Anhalonium lewinii em 1886 utilizado pelos índios do México e Sudoeste dos Estados Unidos (atualmente integrantes da Native American Church) pelo farmacologiasta Ludwig Lewin que dele isolou a Mescalina a partir do que se iniciaram estudos realizados por psicólogos famosos como Havelock Ellis [5], Jaensch e Weir Mitchell (Huxley, 1953/ 1965 [6]) e os estudos e experiência de Richard Spruce (1817-1893) e Alfred Russel Wallace (1823-1913) com a Aya-huasca na Amazônia na segunda metade do séc. XIX.

O uso de agentes psicodélicos na psicoterapia ocidental se iniciou na década de 1950, depois da proposição de uso do LSD por pesquisadores, feita por seu fabricante, Sandoz Laboratories. Pesquisas extensivas quanto ao uso experimental, quimioterapêutico e psicoterapêutico do LSD e substancias semelhantes classificadas como psicodélicas foram realizadas em todo o mundo por 15 anos após sua descoberta. Muitos estudos constataram que o uso das drogas psicodélicas facilitaram em muito os processos psicoterapêuticos, e provaram particular utilidade para pacientes com problemas que de outra forma seriam de difícil tratamento, incluindo sobretudo alcoólicos, dependentes de drogas, pacientes terminais, além de autistas,[7] alguns tipos de enxaqueca (cefaleia em salvas) com esperanças de capacidade nas grandes patologias mentais tipo esquizofrenia, delinquência, ampliando a capacidade de reestruturação da personalidade de modo comparável à "lavagem cerebral" e conversão religiosa. [8] [9]

Outra forma de traçar a história dessa prática é associar sua origem ao desenvolvimento da "narcoanálise" ou utilização do soro da verdade na prática jurídica. Atribui-se a origem da narcoanálise à descoberta de Arthur S. Lovenharth, 1916, e colaboradores na Universidade de Wisconsin, experimentando estimulantes respiratórios em pacientes esquizofrênicos catatônicos reafirmadas em estudos independentes de Erich Lindemann e Lawrence Z. Freedmann que mostravam a seletividade da ação psicotrópica e o "relaxamento verbal" dos estado de "sono crepuscular" induzido [10] Quanto a utilização jurídica atribui-se a utilização da escopolamina ao médico Robert House em voluntários na cadeia do condado de Dallas, Texas em 1922 (Freedman o.c.) e a Stephen Horsley, nos anos 1930, que inclusive propôs o termo narcoanálise para designar a ação de todos os produtos farmacêuticos incluídos no grupo dos narcóticos (amitalsódio, pentotalsódio, escopolamina etc.) com o objetivo de vencer a resistência dos indivíduos, levando-os a revelar a verdade. [11]

Entre os marcos históricos da sua utilização, estão as contribuições de:

Lauretta Bender (1897-1987), uma neuropsiquiatra pediátrica, consultora do Child Psychiatry, New York State Department of Mental Hygiene, Creedmoor State Hospital, Queens Village que pesquisou sobre a utilização do LSD-25 para tratamento esquizofrenia e autismo infantil em 1959 [12] [13]
Humphry Osmond (1917 - 2004), conhecido por sua relação de amizade com Aldous Huxley (1894 — 1963), e proposição do termo psicodélico em 1957, talvez relacionando a utilização do LSD como soro da verdade, mas ampliando suas pesquisas para tratamento da esquizofrenia. Teve experiência com a "Native American Churh" e foi o diretor do Bureau of Research in Neurology and Psychiatry at the New Jersey Psychiatric Institute in Princeton e professor de psicologia na Universidade de Alabama e Birmingham. [14] [15]
Timothy Leary (1920 - 1996), que trabalhou com os psicanalistas Harry Stack Sullivan (1892 - 1949), e Karen Horney (1885 - 1952) publicando nesse linha o livro "The Interpersonal Diagnosis of Personality", 1957 (O diagnóstico interpessoal da personalidade) e principalmente no Harvard Psilocybin Project juntamente com Richard Alpert (Ram Dass - 1931) e e o psicólogo Ralph Metzner (1936) antes de voltar do México e fundar a League for Spiritual Discovery e ser expulso de Harvad por insistir no uso do, então proibido (6 de outubro de 1966) LSD.

Em meados da década de 1960, em resposta a interesses ainda não esclarecidos associados ao fracasso do uso militar do LSD e/ou em relação a proliferação do uso desautorizado das drogas psicodélicas pelo público em geral (especialmente a contracultura), vários passos foram dados para cortar seu uso. Cedendo à pressão do governo, em 1965 a Sandoz suspendeu a produção de LSD e, em muitos países, este foi banido, ou disponibilizado tão limitadamente que tornou difícil a sua pesquisa. Em 1980, a pesquisa autorizada em aplicações psicoterapêuticas de drogas psicodélicas tinha sido essencialmente descontinuada ao redor do mundo.

Uso terapêutico[editar | editar código-fonte]

Uma das intrigantes formas de uso de vegetais que contêm substâncias alucinógenas é o caso da Ipomoea purpurea ou I. violácea, conhecida como Glória da Manhã (Morning Glory), que, para alguns autores, corresponde ao ololiuhqui, que contém substância semelhantes ao [[ácido lisérgico e que faz parte do sistema etnomédico náuatle dos astecas/toltecas. Com essa planta, se prepara uma essência floral diluída centenas ou milhares de vezes, assim como os medicamentos homeopáticos. Observe-se que o seu elemento ativo básico é o LSA – Amida do Ácido Lisérgico (Lysergic Acid Amides) e não a Dietilamida do Ácido Lisérgico (lysergic acid diethylamide) ou LSD. Ignora-se, entretanto, a possibilidade de ocorrer, espontaneamente, uma biotransformação e/ou os efeitos enteogênicos específicos da Ergina (LSA).

Como essência floral a Ipomeia é comercializada em vários sistemas, como no Sistema Floral de Minas, com o nome de Ipomea, no Sistema Floral do Nordeste com o nome de Água Azul, no Sistema Florais da Califórnia com o nome de Morning Glory a sua indicação é a recuperação dos usuários de drogas e de todos aqueles que possuem estilos de vida desregrados. [16], [17]

As diferenças entre as distintas substâncias enteógenas ou mesmo sua presença em doses homeopáticas (independente dos questionamentos da sua presença material ou efeito placebo) reforçam a ideia que o efeito da substância e de sua função terapêutica têm que ser compreendidos na perspectiva de um conjunto (set) de expectativas e vivências simbólicas para o que o terapeuta precisa estar preparado para conduzir, pois não é apenas administrar a indicação e o risco de ingestão de um medicamento.

A formação de terapeutas com tal especialização no momento no Brasil, nos Estados Unidos da América do Norte, em alguns países da América do Sul e em muitos países ainda é apenas uma possibilidade teórica, pois a utilização de tais substâncias apenas é permitida no contexto de uso tradicional, delimitada por teorias, ainda dispares entre si, advindas da psiquiatria, psicologia das religiões, antropologia da saúde e religião e controlada no Brasil pelo CONAD - Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas e nos EUA o é FDA - Food and Drug Administration e o DEA - Drug Enforcement Administration.

Perspectivas teóricas[editar | editar código-fonte]

Apesar de não legalmente instituída pelos órgãos de regulação e controle profissional do Brasil, no plano teórico já existem, como referido, pesquisas de resultados terapêuticos de seu emprego na medicina tradicional e/ou quanto a segurança de ser inofensivo à saúde seu consumo dentro das práticas tradicionais. Contudo no plano teórico ainda não se formou um consenso quanto à forma do método terapêutico ou linha teórica de atuação e sobre as diferenças das substancias classificadas como psicodislépticas. Sem dúvida esse conflito também reflete a própria dificuldade de conceituação e intervenção das teorias e técnicas psicoterápicas. [18]

Reboreda e Fernández (o.c.)[1] assinalam a importância das escolas de psicologia profunda e psicologia transpessoal neste contexto de interpretação das experiências vivenciadas, aonde não se pode negar as contribuições e tentativas de explicação neurofisiológica estado ou efeito psicodélico. [19]

Para Grof,[20] existem dois métodos básicos de utilização do LSD com fins terapêuticos: (1) Psicoterapia "potencializada" com LSD e (2) uso do LSD como elemento principal do processo terapêutico. Diversos protocolos de pesquisa, porém, vêm sendo desenvolvidos a partir das patologias com potencial terapêutico de reversão por sua utilização, a exemplo Psicoterapia com LSD (LSD – assisted psychotherapy) em pessoas sofrendo de ansiedade associado à estágio avançados de doenças terminais tal como o Psilocybin Cancer project do Departamento de Psiquiatria e Ciências do Comportamento da Johns Hopkins School of Medicine, ou proposições de intervenção que vem sendo desenvolvidas em centros para tratamento e recuperação de drogadição a exemplo do Takiwasi Centre.

Já existem institutos que acompanham apoiam e desenvolvem pesquisas como o MAPS que é uma associação multidisciplinar para o estudo de substâncias psicodélicas e utilização medicinal da Cannabis sativa que tem como objeto de pesquisa o stress pós - traumático, drogadição; Sociedades médicas como a SÄPT - Sociedade suíça de médicos para terapia psicodélica criada por Peter Baumann e no Brasil o NEIP - Núcleo de Estudos Interdisciplinares Sobre Psicoativos, entre outras associações.

Considerando, então, esse conjunto de pesquisas das áreas médicas e sociais, o que se pode antever como proposição psicoterápica é a combinação das técnicas que possuem evidências clínicas no tratamento nos transtornos mentais já referidos a exemplo do emprego da psicologia analítica jungiana com pacientes terminais, as proposições da psicologia transpessoal principalmente porque inclui pesquisadores de substâncias psicodélicas como Stanislav Grof [21] ou associadas a outras formas de intervenção como o treinamento autógeno[22] terapia cognitivo comportamental no controle da drogadição e outros agravos, naturalmente além das intervenções que já se realizam a partir da psicofarmacologia e terapias com essências florais como no caso da Ipomoea purpurea [23] [24].

Em recente publicação, pesquisadores dos departamentos de psiquiatria e neurociências da Johns Hopkins e da Divisão de Psiquiatria Infantil e Adolescente no Harbor-Ucla Medical Center chegaram a conclusão que em horas, substâncias psicoativas são capazes de induzir realinhamentos psicológicos profundos que exigiriam décadas para serem alcançados no divã (Griffiths; Grob, 2011)[25] Entre outras fontes, fundamentaram-se em resultados de pesquisas realizadas na Universidade Johns Hopkins usando questionários originalmente desenvolvidos para avaliar experiências místicas que ocorriam sem drogas. Analisando, também, os estados psicológicos gerais dos participantes entre dois e 14 meses após a sessão com psilocibina. Os dados mostraram que os participantes experimentaram um aumento na autoconfiança, maior sensação de contentamento interior, melhor capacidade de tolerar frustrações, diminuição do nervosismo e aumento no bem-estar geral.

Numa lista provisória de pesquisadores com contribuições relevantes, incluem-se:

Além das instituições de pesquisa, não se podem ignorar, também, as contribuições dos principais centros urbanos de utilização da hoasca: o Santo Daime, a União do Vegetal e a Igreja Nativa Americana, que, em função de sua legitimação social e convívio com pesquisadores, vêm produzindo uma nova interface entre a ciência terapêutica e a religião.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b REBOREDA, María Vidal-Ribas; FERNÁNDEZ, Mª Isabel Rodríguez. Uso de enteógenos en psicoterapia. 11º Congreso Virtual de Psiquiatría. Interpsiquis 2010. www.interpsiquis.com - Febrero-Marzo 2010 Psiquiatria.com URL: http://hdl.handle.net/10401/1176 PDF Aces. out. 2015
  2. PASSIE, TORSTEN. Psycholytic and Psychedelic Therapy Research 1931-1995: A Complete international Bibliography Cottonwood Research Foundation Digital Library Jul.2011
  3. FONTANA, ALBERTO E. (org.) Psicoterapia com LSD e outros alucinógenos. SP, Mestre Jou, 1969
  4. LEVI-STRAUSS, Claude. A eficácia simbólica (1949) in: Antropologia estrutural. SP Cosac Naify, 2008
  5. ELLIS, Havelock. Mescal: a new artificial paradise. The Contemporary Review, January 1898 Mescaline.com Acesso, maio 2015
  6. HUXLEY, ALDOUS. As portas da Percepção e O céu e o Inferno. RJ, Civilização Brasileira, 1965
  7. FISHER, GARY. Treatment of Childhood Schizophrenia Utilizing LSD and Psilocybin In: Newsletter of the Multidisciplinary Association for Psychedelic Studies MAPS - Volume 7 Number 3 Summer 1997 - pp. 18-25 The Albert Hofmann Foundation jUL. 2011
  8. CASHMAN, JOHN. LSD. SP, Perspectiva, 1970
  9. COHEN, SIDNEY. A droga alucinante, história do LSD. Lisboa, Livros do Brasil, ...
  10. FREEDMAN, LAWRENCE ZELIC, Sôros da verdade. Scientific American, 1960 In Psicobiologia, as bases biológicas do comportamento, textos do Scientific American. SP Poligno, 1970
  11. MEDEIROS, Maurício et al. Terapêutica Psiquiátrica: narco-análise. Jornal Brasileiro de Psiquiatria, Rio de Janeiro, v. 1, no. 5, p.3-78, 1948. apud: PAULA BARROS DIAS. ARTE, LOUCURA E CIÊNCIA NO BRASIL: As Origens do Museu de Imagens do Inconsciente. Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em História das Ciências da Saúde da Casa de Oswaldo Cruz/Fiocruz, RJ, 2003. Em PDF Jul. 2011
  12. BENDER, LAURETTA. Children's Reactions to Psychotomimetic Drugs, Psychotemimetic Drugs, 1970; pp. 263-273)
  13. BENDER L; GOLDSCHMIDT L; SIVA D.V. Treatment of Autistic Schizophrenic Children with LSD-25 and UML-491; Recent Advances in Biological Psychiatry, 4:170-77 (1962)
  14. EROWID CHARACTER VAULTS. Humphry Osmond Erowid Jul. 2011
  15. ORTHOMOLECULAR HISTORY. Humphry Osmond PDF Jul. 2011
  16. KAMINSKY, Patricia; KATZ, Richard. Flower Essence Repertory. Nevada. Flower Essence Society.... in: Morning Glory Flower Essence (Ipomoea purpurea) Ananda Apothecary Acesso, out. 2013
  17. HALLOT, Ana Catarina. Ipomeia. Estudo floral, Rio Flor, RJ, Julho de 2009 Assoc dos Terap. Florais do Estado do Rio de Janeiro Jun. 2011
  18. CFP - Conselho Federal de Psicologia. Ano da Psicoterapia – Textos Geradores. DF: Conselho Federal de Psicologia / XIV Plenário (Gestão 2008 - 2010), 2009 (PDF) Aces. out. 2015
  19. Palhano-Fontes F, Andrade KC, Tofoli LF, Santos AC, Crippa JAS, Hallak JEC, et al. (2015) The Psychedelic State Induced by Ayahuasca Modulates the Activity and Connectivity of the Default Mode Network. PLoS ONE 10(2): e0118143. doi:10.1371/journal.pone.0118143 Aces. Oct. 2015
  20. GROF S. Psicoterapia con LSD. El potencial curativo de la medicina psiquedélica. Barcelona: La Liebre de Marzo; 2005.
  21. GROF, STANISLAV LSD Psychotherapy, 1980. (3ª ed., editora MAPS, ISBN 0-9660019-4-X [2001])
  22. HOSSRI, CESÁRIO MOREY. Prática do treinamento autógeno & LSD. SP, Martin Claret, 1984
  23. R. ANDREW SEWELL; KYLE REED; MILES CUNNINGHAM. Response of cluster headache to self-administration of seeds. containing lysergic acid amide (LSA). MAPS Jul 2011
  24. SEMPERE , A.P.; BERENGUER-RUIZ, L.; ALMAZÁN, F. Chronic cluster headaches responding to psilocybin. Revista de Neurologia 2006; 43 (9), 571-572 MAPS Jul. 2011
  25. GRIFFITHS, ROLAND R.; GROB, CHARLES S. Alucinógenos que podem curar. Scientific American Brasil, Ano 8, n 104 56-59, Jan. 2011, Ed. on-line Jan. 2011

Bibliografia complementar[editar | editar código-fonte]

  • BLEWETT, D.B., PH.D; CHWELOS N., M.D., A Handbook for the Therapeutic use of LSD-25 [1]. Este texto está parcialmente desatualizado, mas ainda é um boa referência (em inglês).
  • KENT, James L. Psychedelic Information Theory Shamanism in the Age of Reason. Seattle, PIT Press, 2010 PDF Acesso, maio, 2015
  • JOHNSON, M. W.; RICHARDS, W. A.; GRIFFITHS, R. R. Human Hallucinogen Research: Guidelines for Safety. Journal of Psychopharmacology, Vol. 22, No. 6; pages 603–620; August 2008. Original papers in MAPS Jan. 2011 Em inglês
  • MYRON STOLAROFF, The Secret Chief: Conversations with a pioneer of the underground psychedelic therapy movement, Multidisciplinary Association for Psychedelic Studies (MAPS) 1997. ISBN 0-9660019-0-7 (hardcover) ISBN 0-9660019-1-5 (paperback). Em inglês.
  • PiHKAL (ISBN: 096300965) e TiHKAL (ISBN: 0963009699), de Ann & Alexander Shulgin, incluem capítulos sobre psicoterapia psicodélica (em inglês).
  • STOLAROFF, MYRON,Thanatos to Eros [2]. Apesar de não ser estritamente sobre psicoterapia, esse livro discute muitos aspectos da terapia psicodélica (em inglês).
  • MAPS, Research into psilocybin and LSD as potential treatments for people with cluster headaches MAPS

Ligações externas[editar | editar código-fonte]