Igreja do Carmo (Viseu)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja do Carmo
Fachada principal da Igreja
Tipo Igreja
Estilo dominante Gótica, Manuelino, Barroco
Início da construção século XVIII (estrutura geral do edifício)
século XVIII (fachada, capela-mor)
Função atual Religiosa, Museu
Website Diocese de Viseu
Património Nacional
Classificação  Monumento Nacional
Data 1738
Geografia
País Portugal
Cidade Viseu

A Igreja do Carmo é templo da cidade de Viseu, freguesia de Santa Maria de Viseu, situando-se junto ao Jardim de Santa Cristina /Largo D. António Alves Martins e data de finais do século XVIII.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A actual igreja data de finais do século XVIII e as obras do conjunto do edifício arrastaram-se por muitos anos, resultando, no entanto, uma obra de grande impacto. A Igreja de Nossa Senhora do Carmo, no Largo de Santa Cristina, teve a sua origem num desentendimento entre frades e irmãos da Ordem Terceira de São Francisco. Os irmão franciscanos descontentes abandonaram os frades Capuchinhos e com o apoio dos Carmelitas Descalços decidiram criar a Ordem Terceira do Carmo. Procederam à eleição da Mesa da Ordem e no dia 29 de Abril de 1734 iniciaram um peditório, na cidade e nos arredores, para a construção da sua igreja. O local escolhido foi um olival perto da desaparecida Capela de Santo Amaro. Em 28 de Janeiro de 1735 os alicerces ficaram concluídos e de imediato o Deão da Sé, Martinho Lucas de Melo, benzeu a primeira pedra. A igreja foi inaugurada a 30 de Junho de 1738. O edifício sofreu algumas alterações e um novo anexo foi acrescentado recentemente. No século XIX foram acrescentadas a sacristia e a sala das sessões. O interior possui retábulos cobertos a folha de ouro, desde a nave à capela-mor de planta oitavada coberta com cúpula semiesférica em tijolo. No interior predomina a talha dourada joanina (de finais da primeira metade do século XVIII) que reveste a capela-mor, os retábulos do corpo principal, os púlpitos e as janelas. Os tectos da capela-mor e do arco do cruzeiro foram decorados pelo artista italiano Pascoal José Parente, em perspectiva e mostrando no centro a Virgem com o Menino ao colo a ser coroada por anjos. A capela-mor e o corpo da igreja são revestidos por um friso de azulejos rococó. O tecto do coro alto foi pintado, em 1862, pelo pintor viseense António José Pereira.




Bibliografia[editar | editar código-fonte]

CORREIA, Alberto (1989) - Viseu, Editorial Presença, Lisboa; CRUZ, Júlio (2007) - Viseu, AVIS, Viseu

Ícone de esboço Este artigo sobre Património de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.
Camera-photo.svg
Ajude a melhorar este artigo sobre Arquitetura ilustrando-o com uma imagem. Consulte Política de imagens e Como usar imagens.


Viseu Cultura, Património Religioso, Desporto, e Outros Brasão de Viseu
Património Sé de Viseu | Muralhas de Viseu | Paço da Torre | Igreja da Misericórdia de Viseu | Igreja de São José | Igreja do Carmo | Igreja dos Terceiros
Cultura Museu Grão Vasco | Casa Museu Almeida Moreira | Museu de Arte Sacra | Casa da Ribeira | Eco Museu Torredeita | Museu Etnográfico de Silgueiros | Museu Etnográfico de Vila Chã de Sá | Solar do Vinho do Dão | Museu do Quartzo | Museu Municipal | Museu Etnográfico da Cava de Viriato | Teatro Viriato | Pavilhão Multiusos de Viseu | Auditório Mirita Casimiro
Desporto Sport Viseu e Benfica | Académico Viseu Futebol Club | Estádio do Fontelo | Estádio dos Trambelos
Pontos Comerciais Palácio do Gelo | Fórum Viseu | Viseu Retail Park | Soima Multiusos | Viseu Shopping
Outros Parque Urbano da Aguieira | Parque Linear do Pavia | Parque do Fontelo | Parque da Cidade | Parque Florestal do Fontelo | Hospital de São Teotónio | Aeroporto Regional | Funicular