Imbaba

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ponte de Imbaba.

Imbaba (em árabe: إمبابة; romaniz.: Imbāba; AFI/emˈbæːbæ/) é um bairro da classe trabalhadora no norte de Gizé, no Egito, localizado a oeste do Nilo e a noroeste e perto de Ilha de Gezira e do centro do Cairo, dentro da província de Gizé. O distrito está localizado no histórico delta do Nilo superior e faz parte da área metropolitana da Grande Cairo. Imbaba é a subdivisão da cidade mais densamente povoada do mundo.

Imbaba também é o nome de um centro administrativo adjacente (مركز) na província rural de Gizé, que tem 18 aldeias em sua jurisdição.[1]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A origem do nome Imbaba não é certa. Algumas fontes afirmam que vem da palavra amárica para palmeira africana (amárico: ዘምባባ) e que a área era chamada assim por comerciantes e pastores de camelos etíopes para descrever o local onde eles se reuniam para fazer negócios.[1]

No entanto, essa palmeira não cresce no Egito[2] e versões mais antigas do nome que não correspondem à palavra amárica são atestadas – Nababa (em árabe: نبابة)[3] e Ambuba (em árabe: امبوبه).[4]

História[editar | editar código-fonte]

Durante séculos, Imbaba foi o destino final de camelos trazidos de lugares tão distantes quanto o Sudão e o Chifre da África para serem vendidos no mercado de sexta-feira da aldeia. O mercado ainda existe, mas não é mais tão importante quanto era na virada do século XX devido à crescente urbanização.[5][6]

Um mapa criado pela Autoridade Geral de Planejamento Físico em 2012 mostra detalhes de áreas dentro de Imbaba que não foram planejadas e que, na época, eram consideradas inseguras. Imbaba é densamente povoada.[1][7]

A criação de pombos é uma atividade favorita de alguns moradores do bairro com acesso aos telhados.[8][9]

O Cerco de Imbaba[editar | editar código-fonte]

No final de 1992, o "Grupo Islâmico" (al-Gama'a al-Islamiyya) expandiu sua influência em partes de Imbaba. Em novembro, o grupo supostamente anunciou a criação do "Emirado de Imbaba" (alguns relatos afirmam que a mídia estrangeira cunhou o termo, não o próprio grupo). Este desafio à soberania do Estado egípcio desencadeou o cerco de Imbaba, a partir de 8 de dezembro. Em seu curso, o governo mobilizou mais de 12 000 policiais e forças de segurança do Estado, juntamente com cem veículos de transporte de pessoal e escavadeiras, que acabaram com o Emirado.[10][11][12]

Batalha das Pirâmides[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Batalha das Pirâmides

A Batalha das Pirâmides, também conhecida como Batalha de Embabeh, foi uma batalha travada em 21 de julho de 1798 entre o exército francês no Egito sob o comando de Napoleão Bonaparte e as forças mamelucas locais. Ocorreu durante a Campanha do Egito da França e foi a batalha em que Napoleão pôs em uso uma de suas contribuições significativas para a tática, o maciço quadrado divisional. Napoleão nomeou a batalha em homenagem às pirâmides egípcias, embora elas fossem apenas levemente visíveis no horizonte quando a batalha ocorreu.

Distritos de Imbaba[editar | editar código-fonte]

  • Madinat Al-Umal
  • Madinat Al-Tahrir
  • Al-Muniera
  • Ard Al-Gameya

Referências

  1. a b c «Imbaba». Tadamun (em inglês). 15 de março de 2017. Consultado em 3 de junho de 2023 
  2. «Borassus aethiopum Mart. | Plants of the World Online | Kew Science». Plants of the World Online (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2023 
  3. al-Idrisi, Muḥammad. Nuzhat al-mushtaqft ikhtirdq al-afdq (em árabe). [S.l.: s.n.] 
  4. «Ministry of Finance, Egypt - Atlas of Egypt: Lower and Upper Egypt (1914)». Paths - the Archaeological Atlas of Coptic Literature (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2023 [ligação inativa] 
  5. Cowell, Alan; Times, Special To the New York (18 de dezembro de 1989). «Imbaba Journal; Camels and Men: All Is Changing and Unchanged». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 3 de junho de 2023 
  6. Khater, Akram (Novembro de 1989). Fotografias de John Feeney e Antoine Gerard. «Imbaba». Saudi Aramco World (em inglês). 40 (6): 36–40. Consultado em 3 de junho de 2023 
  7. «Unplanned and Unsafe Areas in Imbaba map». Tadamun (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2023 
  8. Metcalfe, John (22 de julho de 2014). «The Rooftop Homes of Cairo's Racing Pigeons». Bloomberg.com (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2023 
  9. Degner, David; Blechman, Andrew D. (março–abril de 2011). «Saudi Aramco World: Cairo's Fancy Fliers». Aramco World (em inglês). 62 (2). Consultado em 3 de junho de 2023 
  10. Singerman, Diane (Outubro de 2009). «The Siege of Imbaba, Egypt's Internal 'Other,' and the Criminalization of Politics» Diane Singerman ed. Nova York, NY: The American University in Cairo Press. In Cairo Contested: Governance, Urban Space, and Global Modernity (em inglês): 111-144. doi:10.5743/cairo/9789774162886.003.0005. Consultado em 3 de junho de 2023 
  11. Associated Press (8 de maio de 2011). «Church burning deepens tumult of Egypt transition». Fox News (em inglês). Cairo. Consultado em 3 de junho de 2023 
  12. Lindsey, Ursula (4 de março de 2010). «And then Cairo turned itself inside out». The National (em inglês). Consultado em 3 de junho de 2023 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Imbaba