Império Ashanti

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Asanteman
Império Ashanti

União política

Blank.png
 
Blank.png
1670–1902
1935–1957
Flag of the Gold Coast.svg
 
Flag of Ghana.svg
Flag Brasão
Bandeira Emblema nacional
Localização de Império Ashanti
Mapa do Reino Ashanti
Império Ashanti
Mapa do atual Reino Ashanti atual Ashanti
Continente África
Região África Ocidental
País Gana
Capital Seal of Kumasi Kumasi
Língua oficial Ashanti (Twi) (oficial)
Religião Ashanti (religião Akan)
Governo Monarquia
Monarca
 • 1670-1717 (primeiro) Osei Tutu
 • 1888-1896 (13° rei do reino Indep. Asante) Prempeh I
 • 1931-1957 (último rei do reino Indep. Asante) Prempeh II
 • 1999-presente (estado nacional de Ashanti, monarquia absoluta dentro de Gana) Osei Tutu II
Legislatura Asante Kotoko
(Cosselho de Kumasi)[1]
Asantemanhyiamu (Assembleia Nacional)
História
 • 1670 Fundada
 • 1701 Independência de Denkyira
 • 1896 Protetorado britânico
 • 1935 Autonomia
 • 1957 União política como a região de Ashanti e Gana
 • Presente União política
Área
 • 1874[2] 259 000 km2
População
 • 1874[2] est. 3 000 000 
     Dens. pop. 11,6/km²
Moeda
Atualmente parte de Ashanti
Reino de Ashanti:

O Império Ashanti (também Axânti ou Asante), conhecido ainda como Confederação Ashanti ou Asanteman (independente de 1701-1896), foi um estado pré-colonial da África Ocidental criado pelo povo Akan e que é hoje a região Ashanti em Gana. Seu império se estendia desde a Gana central até o Togo e a Costa do Marfim dos dias atuais. Hoje, a monarquia Ashanti continua como um dos estados sub-nacionais tradicionais constitucionalmente protegidos dentro da República de Gana.

Origens[editar | editar código-fonte]

Os ashantis ou axântis são um importante grupo étnico de Gana. Eles foram um povo poderoso, militarista e altamente disciplinado da África Ocidental. Os antigos ashantis migraram das imediações da região noroeste do Rio Níger após a queda do Império Gana no século XIII. Evidência disto está nas cortes reais dos reis Akans, refletida pela dos reis Ashanti cujas procissões e cerimônias mostram resquícios de antigas ceremônias de Ghana. Etno linguistas têm comprovado a migração pelo uso das palavras e pelo padrão de fala ao longo da África Ocidental.

Por volta do século XIII DC, os ashantis e vários outros povos Akan migraram para o cinturão de floresta da Gana atual e estabeleceram pequenos estados na região montanhosa em volta da Kumasi atual. No auge do Império Mali, os ashantis e o povo Akan em geral se enriqueceram como o comércio de ouro extraído do seu território. No início da história ashanti, este ouro foi negociado com os importantes impérios de Gana e Mali

Contudo alguns historiadores mantêm que os ashantis são os descendentes daqueles etíopes mencionados pelos historiadores gregos, Diodoro Sículo e Heródoto, e que eles foram dirigidos para o sul por um exército egípcio conquistador.

Formação do reino[editar | editar código-fonte]

A organização política Akan centrada em vários clãs, cada uma chefiada por um chefe supremo ou Amanhene.[3] Um desses clãs, o Oyoko, assentados na sub-região de floresta tropical do Gana, estabelecendo um centro em Kumasi.[4] Durante a elevação de outro Estado akan conhecido como Denkyira, Ashanti passou a tributário. Mais tarde em meados de 1600, o clã Oyoko sob a chefia de Oti Akenten começou a consolidar outros clãs Ashanti em uma confederação livre que ocorreram sem destruir a autoridade suprema de cada chefe sobre seu clã.[5] Isto foi feito em parte por agressão militar, mas em grande parte por uni-las contra a Denkyira, que anteriormente tinham dominado a região.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Edgerton, Robert B: "Queda do Império Asante: A guerra dos cem anos da África da Costa do Ouro" Free Press, 1995
  2. Obeng, J. Pashington: "Asante Catholicism: Religious and Cultural Reproduction Among the Akan of Ghana", page 20. BRILL, 1996
  3. Ashanti.com.au - Our King
  4. Ashanti.com.au - Ashanti
  5. Ghana - The Precolonial Period

Ligações externas[editar | editar código-fonte]