Jürg Federspiel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Jürg Federspiel
Nascimento 28 de junho de 1931
Lindau
Morte 12 de janeiro de 2007 (75 anos)
Basileia
Cidadania Suíça
Ocupação escritor, jornalista

Jürg Federspiel (Lindau, Cantão de Zurique, 28 de junho de 1931 - Basileia, 12 de janeiro de 2007) foi um escritor, jornalista e crítico suíço.

Jürg Federspiel, era um dos principais nomes da literatura suíça de expressão alemã, chegando a ser considerado como o mais internacional escritor suíço da sua geração. Ficou conhecido com títulos como "Museum des Hasses. Tage in Manhattan" (Museu dos ódios - 1969), "Die Ballade von der Typhoid Mary" (A Balada de Maria Tifos - 1982) e "Geographie der Lust" (Geografia do Prazer - 1989), o romance considerado como a sua obra-prima. Ao longo da sua carreira como escritor publicou mais de vinte romances e colectâneas de contos. Os seus livros foram traduzidos para seis idiomas.

Primeiros Anos[editar | editar código-fonte]

A primeira vez que Federspiel chamou a atenção foi em 1961, quando publicou o seu livro de afirmação, "Orangen und Tode" (Laranjas e Mortes). O influente crítico literário, Marcel Reich-Ranicki apontou-o, na época, como uma das grandes esperanças da literatura suíça.

Vida em Nova Iorque[editar | editar código-fonte]

Federspiel foi muito influenciado pelo estilo de contos americanos. Segundo palavras dele: "Antes da Segunda Guerra Mundial havia muitas traduções de autores como Ernest Hemingway e William Faulkner. Li esses livros e fiquei fascinado por esse novo mundo aberto para mim." Mais tarde viveu oito anos em Nova Iorque, sucumbindo ao charme da cidade. A sua escrita nova-iorquina foi feita de contos e ensaios tais como: "Museum des Hasses", "Die beste Stadt für Blinde und andere Berichte" e "Kilroy"

Obras preferidas no estrangeiro[editar | editar código-fonte]

Na língua inglesa, talvez tenha sido o romance "Die Ballade von der Typhoid Mary" (The Balade of Tiphoid Marie, na versão inglesa) a obter mais sucesso. Considerado um trabalho de crítica social, é baseado na história real de Mary Mallon, que na Nova Iorque do início do Século XX, se recusou a aceitar que era a fonte de numerosos surtos de febre tifoide. De qualquer forma o autor disse que a novela tinha cinco por cento de realidade e o resto era ficção.

O seu livro mais conhecido na Alemanha, talvez seja "Geographie der Lust" (Geografia do Prazer), a história de uma bela mulher que aceita uma proposta bilionária para deixar tatuar um mapa nas suas perfeitas nádegas. Enquanto o bilionário e o artista se apaixonam por si, ela escolhe casarcom um cego que nunca verá a marca gravada na sua pele. As feministas criticaram o livro, mas o autor estava longe de conseguir consensos.

Desaparecimento e Morte[editar | editar código-fonte]

Federspiel, de 75 anos, que sofria de diabetes e da doença de Parkinson, desaparecera no dia 12 de Janeiro de 2007. Foi encontrado morto numa barragem no rio Reno um mês e meio depois de ter desaparecido. O corpo foi descoberto acidentalmente por uma pessoa que passava domingo de manhã (25 de Janeiro de 2007) pelo local e avistou o corpo a boiar, segundo informou a polícia.

Ele não parecia muito preocupado com o facto de vir a morrer, sendo a morte um tema recorrente na sua obra. Numa entrevista concedida ao jornal Südostschweiz, em 2005, afirmou: "Acredito que quando você sabe onde e como vai morrer, não receia a morte. Todos nós sabemos que vamos morrer."

Federspiel casou três vezes e deixou um filho.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Orangen und Tode,Munique 1961
  • Massaker im Mond, Munique 1963
  • Der Mann, der Glück brachte, Munique 1966
  • Marco Polos Koffer, Zurique 1968
  • Museum des Hasses. Tage in Manhattan, Munique 1969
  • Belfridge oder Das Eigentor, Frankfurt am Main 1971
  • Die Märchentante, Munique 1971
  • Träume aus Plastic, Zurique 1972
  • Paratuga kehrt zurück, Darmstadt 1973
  • Orangen vor ihrem Fenster, Berlim 1977
  • "Brüderlichkeit", Frankfurt am Main 1978
  • Die beste Stadt für Blinde und andere Berichte, Zurique 1980 (ISBN 3-288-02811-5)
  • Die Ballade von der Typhoid Mary, Frankfurt am Main 1982 (ISBN 3-518-02810-3)
  • Wahn und Müll, Zurique 1983 (ISBN 3-85791-063-1)
  • Die Liebe ist eine Himmelsmacht, Frankfurt am Main 1985
  • Kilroy, Frauenfeld 1988 (ISBN 3-7294-0051-7)
  • Geographie der Lust, Frankfurt am Main 1989 (ISBN 3-518-39035-X)
  • Eine Halbtagsstelle in Pompeji, Frankfurt am Main 1993 (ISBN 3-518-40509-8)
  • Melancolia Americana, Zurique 1994
  • Plötzlich, Frauenfeld 1994 (ISBN 3-7294-0094-0)
  • Im Innern der Erde wütet das Nichts, Frauenfeld 2000 (ISBN 3-7294-0288-9)
  • Mond ohne Zeiger, Frauenfeld 2001 (ISBN 3-7294-0312-5)