Jaime Hamilton, 2.º conde de Abercorn

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Jaime Hamilton, 2.º conde de Abercorn
Nascimento 1604
Morte 1670 (66 anos)
Progenitores Mãe:Marion Boyd
Pai:Jaime Hamilton, 1.º conde de Abercorn
Cônjuge Katherine Clifton, 2.ª Baronesa Clifton
Filho(s) William Hamilton
Irmão(s) Claud Hamilton, 2.º Barão Hamilton de Strabane, Jorge Hamilton, 1.º Baronete de Donalong

Jaime Hamilton, 2.° Conde de Abercorn (c. 1604 — c. 1670) foi um nobre escocês católico. Ele, sua esposa, sua mãe e a maior parte de sua família foram perseguidos pela Igreja da Escócia como recusantes. Executando o testamento de seu pai, ele deu seu título irlandês de Barão Hamilton de Strabane a seu irmão mais novo Cláudio. Seus irmãos mais novos herdaram as terras irlandesas de seu pai, enquanto ele recebeu as escocesas, que ele esbanjou, estando afundado em dívidas em seus últimos dias.

Nascimento e origens[editar | editar código-fonte]

Jaime nasceu por volta de 1604,[1][a] provavelmente em Paisley, Escócia. Ele era o filho mais velho de Jaime Hamilton e de sua esposa Marion Boyd.[3] Seu pai era um financiador da colonização de Úlster[4] e seria nomeado 1.º Conde de Abercorn por Jaime VI e I em 1606. Seu avô paterno era Cláudio Hamilton, 1.º Lorde de Paisley. A mãe de Jaime era a filha mais velha de Tomás Boyd, 6.º Lorde Boyd de Kilmarnock na Escócia.[5]

Árvore genealógica
Jaime Hamilton com esposa, pais e outros parentes selecionados.[b]
Jaime
2.º Conde
de Arran

c. 1516 –
1575
Margarida
Douglas
Jaime
3.º Conde de
Arran

1537–1609
João
1.º Marquês
Hamilton

1540–1604
Cláudio
1.º Lorde
Paisley

1546–1621
Margarida
Seton

d. 1616
Jaime
1.º Conde

1575–1618
d.v.p.*
Marion
Boyd

d. 1632
Recusante
Cláudio
of Shawfield
d. 1614
Frederico
1590–1647
Jaime
2.º Conde
d. c. 1670
Catarina
C. 2.ª
Baronesa
Clifton

c. 1590 –
1637
Cláudio
2.º Barão
H. de
Strabane

d. 1638
Jorge
1.º Baronete de
Donalong

c. 1608 –
1679
Jaime
Lorde
Paisley

c. 1635 –
bef. 1670
George
3.º Conde
c. 1636 –
bef. 1683
Jaime
3.º Barão
H. de
Strabane

1633–1655
Jorge
4.º Barão
H. de
Strabane

1636/7 –
1668
Jaime
c. 1630 –
1673
Cláudio
4.º Conde
1659–1691
Carlos
5.º Conde
d. 1701
Jaime
6.º Conde
c. 1661 –
1734
Elizabeth
Reading

d. 1754
Legenda
XXXSujeito do
artigo
XXXCondes de
Abercorn
d.v.p. = precedeu seu pai ((D) decessit vita patris).

Ele era um dos oito[7] ou nove[8] filhos.

Jaime listado entre seus irmãos
Ele encabeça a lista de seus irmãos como o mais velho:
  1. Jaime (c. 1604 – 1670);
  2. Cláudio (morto em 1638), estabeleceu-se na Irlanda[9]
  3. Guilherme (morto em 1681), tornou-se Baronete Hamilton de Westport e representou Henriqueta Maria, viúva de Carlos I, perante o papa;[10][11][12]
  4. Jorge (c. 1608 – 1679), tornou-se Baronete Hamilton de Donalong[13][c]
  5. Alexandre (morto antes de 1669), tornou-se o fundador do ramo alemão dos Hamiltons[20]
Irmãs de Jaime[d][21] 
  1. Ana (1592–1620), casada com Hugo, 5.º Lorde Sempill em 1611[22]
  2. Margarida casou em 1628 com Guilherme Cunningham de Caprington[23]
  3. Isabel (1600–1620)[24] e
  4. Luci, prometida para Randal MacDonnell, 1.º Conde de Antrim que, no entanto, nunca se casou com ela[25]

Seu pai tinha sido protestante, mas sua mãe, Marion Boyd, era uma recusante, que o educou, como todos os seus irmãos, como católico. Em 10 de abril de 1606, seu pai foi nomeado Conde de Abercorn e Lorde Paisley, Hamilton, Mountcastell e Kilpatrick.[26]

Barão Hamilton de Strabane[editar | editar código-fonte]

Em 8 de maio de 1617, quando tinha apenas cerca de 12 anos, foi nomeado 1.º Barão Hamilton de Strabane, no pariato da Irlanda, com o restante para os herdeiros masculinos do ramo de seu pai.[2] O objetivo da criação era dar aos Abercorns, que eram condes escoceses, mas grandes proprietários de terras na Irlanda, um assento na Câmara dos Lordes irlandeses. O título Barão Hamilton de Strabane refere-se à cidade de Strabane no condado de Tyrone, Úlster, onde seu pai, o 1.º Conde de Abercorn, construiu um castelo durante a colonização de Úlster.[27]

Conde de Abercorn[editar | editar código-fonte]

Em 1618, Lorde Strabane, como era agora, sucedeu a seu pai como o 2.º Conde de Abercorn. Seu pai já havia falecido antes de seu avô, Cláudio Hamilton, 1.º Lorde Paisley, e, portanto, nunca se tornou Lorde Paisley.[28]

Em 1621, seu avô, Lorde Paisley, morreu.[29] Ele sucedeu, portanto, seu avô como Lorde Paisley e herdou as propriedades escocesas da família, notavelmente Abercorn e Paisley, bem como Kilpatrick na margem norte do rio Clyde. Uma vez que seu pai atribuiu suas terras irlandesas a seus irmãos mais novos, ele renunciou ao título de Barão Hamilton de Strabane em 11 de novembro de 1633 em favor de seu irmão Cláudio.[30]

Grand Tour[editar | editar código-fonte]

Em algum momento no início de 1620, Lorde Abercorn, como estava agora, foi para o continente em "suas viagens", como a Grand Tour era chamada em seu tempo. Ele passou vários anos viajando pelo continente e visitou países católicos, França e Itália, que o encorajaram em seu catolicismo. Ele retornou a Paisley em abril de 1627.[31]

Casamento e filhos[editar | editar código-fonte]

Em 1627 ele se casou com Katherine, Duquesa de Lennox.[e][f] Ele tinha 22 anos, ela cerca de 34, mais de dez anos mais velha. Ela foi casada com Lorde Esmé Stewart e teve 11 filhos com ele. Seu primeiro marido morreu em 1624, sendo o 3.º duque de Lennox. Em novembro de 1632, ela obteve uma licença real permitindo-lhe manter sua precedência como duquesa viúva.[35]

Jaime e Katherine tiveram três filhos, mas os dois primeiros morreram antes do pai:

Jaime (c. 1635 - antes de 1670), detinha o título de cortesia de Lorde Paisley como herdeiro aparente, mas faleceu antes de seu pai sem produzir um herdeiro homem; [36] Guilherme (morreu antes de 1670), tornou-se coronel, mas faleceu antes de seu pai solteiro nas guerras alemãs;[37] e Jorge (c. 1636 - antes de 1683), sucedeu a seu pai como o 3.º Conde de Abercorn.[38]

Perseguição pela Igreja da Escócia[editar | editar código-fonte]

Os problemas de Abercorn com a Igreja da Escócia (Kirk) começaram com o processo iniciado pelo Presbitério de Paisley contra sua mãe e alguns de seus servos. Em junho de 1626, ela buscou proteção com James Law, o arcebispo de Glasgow. O bispo obteve uma carta do rei, escrita por William Alexander, 1.º Conde de Stirling, que instruía a Igreja a não incomodá-la, desde que ela ficasse em silêncio.[39] No entanto, em abril de 1627, Abercorn voltou de suas viagens pelo continente e provocou a Igreja ao se declarar abertamente católico.[32] Em 20 de janeiro de 1628, sua mãe, a condessa viúva, foi excomungada pelo Sínodo Paisley da Igreja da Escócia.[40] Ele escapou da excomunhão apenas por estar ausente na corte real em Londres.[41] Sua esposa também foi excomungada em 3 de fevereiro.[33]

Em 26 de agosto de 1632, sua mãe morreu em Edimburgo.[42] Em 21 de agosto de 1637, sua esposa morreu em Paisley e foi enterrada "sem cerimônia" em 17 de setembro.[43] Como sua mãe, ela era uma recusante. Como católica, ela foi enterrada sem cerimônia religiosa. Seu título de Baronesa Clifton passou para Jaime, seu filho mais velho de seu primeiro casamento. Naquela época, seu pai estava afundado em dívidas, devendo mais de 400 000 merks (cerca de 20 000 £) aos seus credores.[44][g]

Em 1649, o próprio Abercorn foi excomungado pela Assembleia Geral da Igreja da Escócia e ordenado a deixar a Escócia.[47]

Herdeiro masculino de Hamilton[editar | editar código-fonte]

Em 11 de setembro de 1651, a linhagem masculina dos duques de Hamilton foi extinta quando Guilerme Hamilton, 2.º duque, morreu devido aos ferimentos recebidos na Batalha de Worcester, lutando por Carlos II contra Cromwell. Como o duque não tinha filhos, foi sucedido por sua sobrinha Ana Hamilton de acordo com a regra de sucessão de seu título. No entanto, foi descoberto que Jaime Hamilton, 2.º Conde de Abercorn, era o herdeiro homem, o que não foi considerado relevante na época.[48] Esta colocação dos Abercorns serem herdeiros masculinos mais tarde levou a uma disputa entre as casas de Abercorn e Hamilton sobre o título de Duque de Châtellerault, quando este título, que pertencera a Jaime Hamilton, 2.º Conde de Arran, foi revivido por Napoleão III de França em 1864 em favor do duque de Hamilton.[49]

Venda de Paisley[editar | editar código-fonte]

Em 22 de junho de 1652, Abercorn vendeu Paisley ao conde de Angus por £ 13 333 6s 8d escoceses (cerca de £ 1 100 libras esterlinas).[50][h] Angus vendeu-o um ano depois por £ 160 000[52] para Lorde Cochrane,[53] para Lorde Cochrane,[53] que mais tarde se tornaria o 1.º Conde de DunDonald. O 8.º Conde de Abercorn acabaria por comprar Paisley de volta em 1764.[54]

Morte e sucessão[editar | editar código-fonte]

Lorde Abercorn morreu por volta de 1670[55] e foi sucedido por seu filho Jorge como o 3.º Conde de Abercorn. Jorge, entretanto, morreu solteiro em Pádua. O condado passou para os descendentes de Cláudio Hamilton, 2.º Barão Hamilton de Strabane.[56]

Notas, citações, e referências[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Sua data de nascimento deriva da declaração de Cokayne "ele [Jaime Hamilton], embora tivesse apenas 13 anos de idade, foi, em 8 de maio de 1617 ...",[2]o que permite calcular seu ano aproximado de nascimento como 1604.
  2. Esta árvore genealógica é parcialmente derivada da linhagem de Abercorn retratada em Cokayne.[6] Veja também as listas de irmãos e filhos no texto.
  3. A maioria das fontes concorda que Jorge Hamilton (morto em 1681) criou um Baronete de Donalong e Nenagh em 1660. Alguns dizem que foi no pariato da Irlanda,[14][15][16] outros na Escócia.[17] Lodge (1789) diz que é no baronato da Nova Escócia.[18] Seu sucessor nunca reivindicou o baronato[19] Cokayne (1903) observa "provavelmente por boas razões".
  4. Havia quatro irmãs de acordo com Millar (1890)
  5. A data é limitada por seu retorno de suas viagens em abril de 1627[32] e a excomunhão de sua esposa em 3 de fevereiro de 1628.[33]
  6. Cokayne (1910) coloca o casamento "por volta de 1632.[34]
  7. O merk valia 13s 4d ou 2/3 de £ escocesas.[45] Como havia 12 libras escocesas para libras esterlinas,[46] o merk valia cerca de 1 xelim inglês.
  8. Durante o reinado de Jaime I, a libra esterlina era de 12 libras escocesas.[51]

Citações[editar | editar código-fonte]

  1. Cokayne 1910, p. 3, linha 7: "Em vida de seu pai e avô, ele, embora com apenas cerca de 13 anos de idade, era, em 8 de maio de 1617 (...) nomeado LORDE HAMILTON, BARÃO DE ESTRABANE, condado de Tyrone (I.), como herdeiro masculinos no ramo de seu pai."
  2. a b Stephen, Leslie (1885–1900). Dictionary of national biography. [S.l.]: New York Macmillan 
  3. Millar 1890, p. 177, coluna da esquerda, linha 22"Abercorn casou-se com Marion, filha mais velha de Tomás, 5.º Lorde Boyd ..."
  4. Masson 1889, p. lxxx: "Financiadores para 3 000 acres cada: ... Jaime Hamilton, Conde de Abercorn (no condado de Tyrone) ...
  5. Burke 1869, p. 2, right column: "Ele [Jaime Hamilton, 1.º Conde] casou com Marion, filha mais velha de Tomás, 5.º Lorde Boyd, em 16 de março de 1617, sem deixar filhos ..."
  6. Cokayne 1910, p. 4: "Linhagem tabular dos Condes de Abercorn"
  7. Burke 1869, p. 2, coluna da direita, linha 57A lista começa com Jaime, 2.º Conde, e termina com Luci na página 3, coluna da esquerda, linha 39. É interrompida pela lista dos filhos de Jorge.
  8. Millar 1890, p. 177, coluna da esquerda, linha 23"... de quem [Marion] teve cinco filhos e quatro filhas."
  9. Paul 1904, p. 50, linha 7: "Morrendo em 14 de junho de 1638, ele [Claude Hamilton] foi enterrado na igreja de Leckpatrick, Condado de Tyrone."
  10. Millar 1890, p. 177, linha 32: "Guilherme, o terceiro filho, representou Henriqueta Maria, quando rainha viúva, na corte papal."
  11. Burke 1869, p. 2, coluna da direita, linha 80: "Guilherme (Sir), casou-se com Jane, filha de Alexandre Colquhoun, Laird de Luss, e viúva de Alan, Lorde Cathcart, mas não deixou filhos."
  12. Paul 1904, p. 47: "Guilherme morreu em South Shields, em 25 de junho de 1681"
  13. Burke 1949, p. 3, coluna da direita, linha 1: "Jorge (Sir) de Donalong, condado de Tyrone, e Nenagh, condado de Tipperary, criou um baronato da Escócia, aproximadamente em 1660;"
  14. Burke 1869, p. 2, coluna da direita: "Jorge (Sir) de Donalong, condado de Tyrone, e Nenagh, condado de Tipperary, criou um Baronato da Irlanda, em 1660, por seus serviços à causa real."
  15. Millar 1890, p. 177, coluna da direita, linha 48: "Na Restauração, ele retornou à Inglaterra, foi nomeado baronete da Irlanda em 1660 e recebeu outras concessões de Carlos II em recompensa por seus serviços."
  16. Cokayne 1903, p. 305, linha 7: "... a Restauração, em que período (1660?) ele teria sido criado baronete [I.] ..."
  17. Burke 1949, p. 3, coluna da direita: "Jorge (Sir), 1.º Baronete de Donalong, condado de Tyrone e Nenagh, condado de Tipperary criou o baronete da Escócia aproximadamente em 1660; casou-se (art. datado de 2 de junho de 1629) com Maria 3.ª filha de Tomás, Visconde de Thurles e irmã do 1.º Duque de Ormonde. Ele morreu em 1679. Ela morreu em agosto de 1680 ..."
  18. Lodge1789, p. 111: "Jorge Hamilton, Baronete de Nova Escócia, antepassado do atual conde de Abercorn."
  19. Cokayne 1903, p. 305, linha 18: "Com a morte de seu avô, em 1679, ele sucedeu ao Baronato, mas parece nunca tê-lo assumido."
  20. Paul 1904, p. 47, linha 28: "Alexandre Hamilton de Holborn, casou em Londres com Elizabeth ..."
  21. Stephen, Leslie (1885–1900). Dictionary of national biography. [S.l.]: New York Macmillan 
  22. Paul 1910, p. 555: "Ele [Hugo Sempill] casou-se em 1611 (...) pela primeira vez com Ana Hamilton, filha mais velha de Jaime, 1.º Conde de Abercorn."
  23. Paul 1904, p. 48, linha 9: "Margarida casou em 1628 com Guilherme Cunningham de Caprington no Condado de Ayr ..."
  24. Paul 1904, p. 48, linha 12: "8. Isabel nomeada com seus irmãos e irmãs Margarida e Lucrécia como partes em uma ação no Tribunal de Sessão em 4 de novembro de 1620."
  25. Paul 1904, p. 48, linha 15: "Luci ou Lucrécia, prometida por seu pai quando muito jovem a Randal, Lorde Dunluce, posteriormente Marquês de Antrim, mas ele não cumpriu o contrato ..."
  26. Cokayne 1910, p. 2, linha 11: "Em 10 de julho de 1606, ele foi feito CONDE DE ABERCORN, LORDE PAISLEY, HAMILTON, MOUNTCASTELL e KILPATRICK [S.] para ele e seus herdeiros do sexo masculino."
  27. Paul 1904, p. 46: "Em Strabane, ele [Jaime] construiu um castelo muito forte e bonito ..."
  28. Cokayne 1910, p. 3, linha 1: "Ele [Jaime Hamilton, o 1.º onde] morreu antes de seu pai em Monkton em 23 de março e foi sepultado em 29 de abril de 1618 na igreja da Abadia de Paisley, aos 43 anos."
  29. Holmes 2004, p. 778, coluna da direita: "Lorde Cláudio viveu aposentado por mais de vinte anos, faleceu em 1621 e foi sepultado na Abadia de Paisley"
  30. Cokayne 1910, p. 3, linha 13: "Em 11 de novembro de 1633, ele renunciou ao seu pariato irlandês em favor de seu irmão, Cláudio Hamilton, para quem as propriedades irlandesas foram estabelecidas."
  31. Metcalfe 1909, p. 236: "... mas em abril de 1627, seu filho, o conde, voltou e se declarou abertamente católico ..."
  32. a b Metcalfe 1909, p. 236, linha 16: "... mas em abril de 1627, seu filho, o conde, voltou e se declarou abertamente católico ..."
  33. a b Metcalfe 1909, p. 236, linha 33: "Em 3 de fevereiro a condessa foi excomungada."
  34. Cokayne 1910, p. 3, linha 20: "Ele casou cerca de 1632, com Catherine, duquesa de LENNOX filha e herdeira de Gervase (CLIFTON) LORDE CLIFTON DE LEIGHTON BROMSWOLD, de Catherine filha e herdeira de Sir Henry Darcy de Leighton."
  35. Cokayne 1910, p. 3, linha 23: "... que pela Licença Real, em 28 de novembro de 1632, obteve o direito, não obstante seu casamento, de manter seu título, posição e precedência como DUQUESA DE LENNOX [S.]"
  36. Paul 1904, p. 49, linha 21: "Jaime ... que morreu antes de seu pai ... tinha apenas uma filha."
  37. Paul 1904, p. 49, linha 30: "Guilherme ... morreu antes de seu pai, sendo morto nas guerras na Alemanha, sem descendência."
  38. Paul 1904, p. 49, linha 34: "JORGE, 3.º Conde de Abercorn, sucedeu seu pai, mas morreu solteiro em Pádua ... onde a linha masculina foi extinta no ramo mais velho, de modo que retornamos a CLÁUDIO, Lorde de Strabane ..."
  39. Stirling 1885, p. 70: "Uma carta de Sir William Alexander ao arcebispo de Glasgow [16 de agosto de 1626]. Reverendíssimo padre em Deus, e meu muito bom Senhor - Embora o conde de Abercorn, na época de suas viagens ao exterior, sendo um jovem, tivesse sido seduzido pela religião romana, ainda assim Sua Majestade concedeu uma opinião tão boa sobre sua disposição caso contrário, ele pensa que pode ser reclamado por um meio justo; e, portanto, é o prazer de sua Majestade, contanto que ele por sua carga não dê nenhum escândalo público, que você não permita que ninguém o perturbe ..."
  40. Cokayne 1910, p. 3, linha 3: "Sua viúva, uma proeminente católica, foi excomungada pela Igreja de Paisley em 20 de janeiro de 1628 ..."
  41. Metcalfe 1909, p. 236, linha 28: "Em novembro de 1627, eles foram relatados ao sínodo e em 20 de janeiro de 1628, a sentença de excomunhão foi pronunciada contra a condessa viúva, e teria sido contra o conde, mas ele 'tinha feito uma viagem à Corte para um compromisso necessário e legal.'"
  42. Cokayne 1910, p. 3, linha 4: "[Marion Boyd] morreu no Canongate, Edimburgo, em 26 de agosto, e foi sepultada em 13 de setembro de 1632 junto a seu marido."
  43. Cokayne 1910, p. 3, linha 25: "[ela] morreu na Escócia e foi sepultada "sem cerimônia" em 17 de setembro de 1637, com aproximadamente 45 anos."
  44. Cokayne 1910, p. 3, linha 26a: "Ele estava então [cerca de 1640] vivo, mas com 'mais de 400 000 merks em dívidas'."
  45. Meikle 2015, p. xi: "O merk escocês valia 13s 4d."
  46. Meikle 2015, p. 60: "... depois da união das coroas em 1603 ... a libra escocesa foi fixada em uma taxa fixa de doze para cada libra esterlina inglesa."
  47. Metcalfe 1909, p. 250, linha 7: "Por fim, em 1649, a Assembleia Geral, que, como vimos, há muito tempo havia tirado o caso das mãos do Presbitério, pronunciou a sentença de excomunhão e banimento contra ele."
  48. Paul 1904, p. 49, linha 6: "Com a morte de Guilherme, 2.º Duque de Hamilton, em consequência de seus ferimentos na batalha de Worcester, em 11 de setembro de 1651, seu senhorio tornou-se representante masculino da família de Hamilton, mas as propriedades e títulos dessa casa foram transferidos para Ana, duquesa de Hamilton."
  49. Picamilh 1874, p. 234: "Maintien et confirmation du titre de duc de Châtellerault en faveur du duc d'Hamilton (D. 20 avril 1864, s. XI, b. 1234, t. XXIV, p260)"
  50. Metcalfe 1909, p. 310, linha 6: "Em 22 de junho de 1652, o Conde de Abercorn assinou uma disposição pela qual, no valor de £ 13 333 6s 8p. escocesas, ele vendeu ao conde de Angus o senhorio e baronato de Paisley, compreendendo ..."
  51. MEIKLE, MAUREEN M. (8 de julho de 2015). The Scottish People 1490-1625 (em inglês). [S.l.]: Lulu.com 
  52. Paul 1904, p. 65, linha 27: "Guilherme, conde de Dundonald, comprou-o em 1653 por £ 160 000 escocesas de Archibald, conde de Angus ..."
  53. a b Metcalfe 1909, p. 310, linha 13: "No ano seguinte, 3 de agosto de 1653, o conde de Angus vendeu sua compra para Guilherme, Lorde Cochrane de DunDonald ..."
  54. Paul 1904, p. 65, linha 24: "Em 1764 ele adquiriu a herança paterna de seus ancestrais, o senhorio de Paisley, no condado de Renfrew ..."
  55. Cokayne 1910, p. 3, linha 26b: "Ele [o 2.º Conde] morreu aproximadamente em 1670."
  56. Paul, James Balfour (1904). The Scots peerage; founded on Wood's edition of Sir Robert Douglas's peerage of Scotland; containing an historical and genealogical account of the nobility of that kingdom. [S.l.]: Edimburgo : D. Douglas 

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Pariato da Escócia
Precedido por:
James Hamilton, 1.° Conde de Abercorn
Conde de Abercorn
1618 - ca. 1670
Sucedido por:
Jorge Hamilton
Precedido por:
Cláudio Hamilton
Lorde Paisley
1621 – ca. 1670
Pariato da Irlanda
Novo título Barão Hamilton de Strabane
1617 – 1633
Sucedido por:
Cláudio Hamilton