Praça do Marquês de Pombal (Porto)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Praça do Marquês de Pombal.
PORTO
Praça do Marquês de Pombal
Pr Marques Pombal (Porto) placa.JPG
Praça do Marquês de Pombal
Freguesia(s): Santo Ildefonso, Bonfim e Paranhos
Lugar, bairro: Marquês
Ruas afluentes: Ruas de Santa Catarina, da Constituição, de Costa Cabral, do Lindo Vale, de João Pedro Ribeiro, do Bonjardim e de Latino Coelho.
Designação anterior: Alameda e Largo da Aguardente
Pr Marques Pombal (Porto).JPG
Vista do coreto.
Toponímia do Porto
Casa-ateliê de Marques da Silva

A Praça do Marquês de Pombal é um largo localizado na confluências das freguesias de Santo Ildefonso, Bonfim e Paranhos, na cidade do Porto, em Portugal.

A praça inclui um jardim romântico, duas taças com jogos de água e um coreto. Densamente arborizada, é muito procurada nos dias de calor e também pelos reformados que disputam aqui as suas partidas de sueca e de dominó.

Origem do nome[editar | editar código-fonte]

Originalmente designada por "Largo da Aguardente", por se realizar neste local o mercado da aguardente,[1] o nome atual da praça foi-lhe atribuído em 1882, em homenagem ao estadista Sebastião José de Carvalho e Melo, Marquês de Pombal. Foi ministro durante o reinado de D. José I tendo governado despoticamente, sendo de destacar a sua ação na reconstrução de Lisboa após o terramoto de 1755.[2]

História[editar | editar código-fonte]

A zona fazia parte de uma grande quinta que se situava no limite norte da zona urbana do Porto antigo. Em 1832, durante o Cerco do Porto, passavam neste local as linhas de defesa liberais.[3] O Largo da Aguardente, como então se chamava, formava uma das barreiras da cidade, onde eram cobrados impostos sobre todas as mercadorias que entravam no Porto.

Por volta de 1850 a praça tinha já a configuração atual, erguendo-se, em 1870, a praça de touros da Aguardente que, juntamente com a praça de touros da Rotunda da Boavista, foram os dois únicos locais de corridas de touros da cidade do Porto durante as últimas décadas do século XIX. Todo o espaço foi ajardinado em 1898, criando-se uma frondosa alameda e construindo-se o coreto em ferro que ainda permanece no local.

Em 1938, segundo projeto do arquiteto francês frei Paul Bellot, iniciou-se a construção da Igreja da Imaculada Conceição, do lado poente da praça. Em 2006, após a construção da Estação Marquês da Linha D do Metro do Porto,[4] foi colocada na praça a "Fonte da Confidente", fonte retirada da Praça de D. João I no âmbito da requalificação urbana da Porto 2001 - Capital Europeia da Cultura..[5]

Entre os habitantes ilustres da zona destaca-se o arquiteto Marques da Silva, cuja casa-ateliê se localiza na praça, estando hoje integrada no Instituto Arquitecto José Marques da Silva.[6]

Pontos de interesse[editar | editar código-fonte]

Acessos[editar | editar código-fonte]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • VASCONCELOS, Domingas (2008). A Praça do Marquês de Pombal na Cidade do Porto. Das Suas Origens até à Construção da Igreja da Senhora da Conceição. Porto: Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto. 424 páginas. ISBN 9789729483851 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Praça do Marquês de Pombal (Porto)