João Maria Ferreira do Amaral

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Maria Ferreira do Amaral
Nome nativo João Maria Ferreira do Amaral
Nascimento 14 de fevereiro de 1876
Lisboa
Morte 11 de março de 1931 (55 anos)
Lisboa
Cidadania Portugal
Ocupação engenheiro

João Maria Ferreira do Amaral (Lisboa, 14 de Fevereiro de 1876 - Lisboa, 11 de Março de 1931) foi um oficial do exército português, comandante da Polícia Cívica de Lisboa, (a antecessora da Polícia de Segurança Pública), de 1923 até à sua morte.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Participou, como voluntário, na expedição de pacificação sob o comando do General Pereira d'Eça no sul de Angola, em 1915. No ano seguinte, estando de licença em Portugal, foi nomeado Comandante do Batalhão de Infantaria 15, que seguiu para a frente da Flandres, integrado no Corpo Expedicionário Português.

Foi ele quem chamou Aníbal Milhais de Soldado Milhões pela primeira vez, dizendo "Tu és Milhais, mas vales por Milhões".

Regressou de França depois da Primeira Grande Guerra, e seguiu para Angola, numa missão civil. Retornou em 1922, tendo sido promovido a Coronel.

A 23 de Novembro de 1923, foi nomeado comandante da Polícia Cívica de Lisboa e destacou-se na repressão da Legião Vermelha, a qual, dois anos mais tarde, a 15 de Maio, perpetrou um atentado em que é gravemente ferido. No leito do hospital, dirigiu a repressão que culminou com a prisão e o degredo para África de mais de cem suspeitos desse movimento. Foi agraciado com várias medalhas. Escreveu as seguintes obras, acerca da I Guerra Mundial:

  • A batalha do Lys ; a batalha d'Armentieres ou o 9 de Abril, 1923
  • A mentira da Flandres e… o mêdo!, 1922

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Verbo Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura, vol.I, col. 1607-1609
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.