João Moura Júnior

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
João Moura Júnior
Nascimento 6 de abril de 1989 (31 anos)
Portalegre, Portugal
Profissão Cavaleiro Tauromáquico
Serviço militar
País Portugal

João Moura Júnior, nome artístico de João António Braz de Moura[1] (Portalegre, 6 de abril de 1989)[2], é um cavaleiro tauromáquico português[desambiguação necessária].

Filho do cavaleiro João Moura[3], muito jovem se iniciou a montar a cavalo, debutando em público com apenas sete anos de idade, em 1996, em Monforte, na Praça de Touros João Moura[4]. A 10 de abril de 2005 prestou provas para cavaleiro praticante na praça da Aldeia da Ponte[4]. A 23 de abril de 2005, na praça de Badajoz, faz a sua estreia em arenas de Espanha[2]. A 15 de maio de 2005 toma alternativa na Arena de Nimes, tendo como padrinho seu pai, João Moura, e como testemunhas a francesa Marie Sara e o espanhol Andy Cartagena. Cortou duas orelhas ao Gorrillo, assim se chamou o toiro da alternativa, pertencente à ganadaria de Pedro e Verónica Gutiérrez. Terminou essa temporada com mais de 50 corridas, realizadas nas praças de Portugal, Espanha e França, cortando em Espanha e França mais de 100 orelhas num só ano. Confirmaria a alternativa em Madrid, Las Ventas, a 5 de junho de 2005, de novo com João Moura como padrinho e agora com Pablo Hermoso de Mendoza como testemunha, sendo os toiros da ganadaria Los Espartales. A 3 de Maio de 2007, por sua vez, repeteria o mesmo cartel, ao confirmar a alternativa em Portugal, na Monumental do Campo Pequeno, com toiros de Francisco Romão Tenório[1]. A 17 de Julho de 2008 voltaria ao Campo Pequeno, para lidar em solitário seis toiros de diferentes ganadarias: Miura, José Samuel Lupi, Conde Cabral, Maria Guiomar Cortes de Moura, Passanha e Romão Tenório[2].

Críticas[editar | editar código-fonte]

Em 2013 foi duramente criticado por publicar fotos na sua conta do Facebook onde se vêm fotos de cães a a atacar um vitelo. Disto logo pediu desculpas mas não das críticas.

Em 2019 um touro feriu gravemente o "xeque-mate" o cavalo e companheiro desde há dez anos o qual teve que ser abatido tendo o cavaleiro abandonado o cavalo em plena arena.

Referências