João Pires de Brito

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2014). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

João Pires de Brito era filho de Francisco Pires de Brito e Maria Furtado, e teve parte saliente no combate aos índios no Norte do Brasil, sobretudo Piauí, Ceará e Maranhão, como cabo do Terço de Matias Cardoso de Almeida.

Aquartelou-se para a espera de um ano a dois dias de viagem de Jequitaí, na Fazenda do Viana; seria talvez o atual arraial da Estrema (ou «porteira»), acima da barra do rio Guaicuí, no delta do rio Paraopeba com o rio das Velhas?

Marcharam juntos depois os soldados todos até o lugar de Morrinhos, onde novamente acampou, fundando o arraial; e de lá decidiram fundar outro arraial na Barra do rio Jaguaribe.

Esta Barra do Jaguaribe foi o sítio destinado para acampamento desde o princípio da guerra que duraria mais de sete anos, onde se matou e destruiu a maior parte do inimigo. Em 10 de fevereiro de 1696 saiu do Ceará Grande o sargento-mor Domingos Ferreira Chaves, mais tarde presbítero de São Pedro e missionário dos índios Tapuias e Anacás na capela de Nossa Senhora da Conceição, que em 1701 estava morando na vila de São José de Ribamar, Capitania do Ceará Grande), com o capitão-mor Pedro Llelis, a levantar presídio, que era a palavra usada para a aldeia de índios, na dita ribeira do Jaguaribe onde puseram tapuias das nações Pajocus, Janduí e Javós.