Joana Bértholo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde agosto de 2015).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Joana Bértholo
Nascimento 21 de junho de 1982 (37 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade Portugal Portuguesa
Ocupação Escritora e dramaturga
Prémios Prémio Jovens Criadores (2005)

Prémio Literário Maria Amália Vaz de Carvalho (2009) Prémio Autores - Melhor Livro Infanto-Juvenil (2018)

Página oficial
http://www.unscratchable.info

Joana Bértholo (Lisboa, 21 de Junho de 1982) é uma escritora e dramaturga portuguesa [1] [2].

Literatura[editar | editar código-fonte]

Em 1999, com 17 anos, ganhou o prémio SOSracismo para melhor argumento de banda-desenhada por Ausência de Cor[3], que foi posteriormente editada pela editora Baleiazul. Em 2000 ganhou o Prémio "Escrevendo a Partir da Pintura" da Fundação Calouste Gulbenkian, e também o prémio para melhor ensaio sobre "O Movimento Olímpico", atribuído pelo Comité Olímpico Português. Em 2005, com 23 anos, foi finalista do prémio Jovens Criadores na área de Literatura. Em 2009, o seu primeiro romance Diálogos Para o Fim do Mundo foi o vencedor do Prémio Literário Maria Amália Vaz de Carvalho, [4] atribuído pela Câmara Municipal de Loures. O romance foi publicado pela editorial Caminho no ano seguinte (em 2010). Em 2012, publicou o livro de contos Havia - histórias de coisas que havia e de outras que vai havendo (ed. Caminho). Em 2013, publicou o romance O Lago Avesso - uma hipótese biográfica (ed. Caminho). Em 2014, publicou junto a outros autores em edições colectivas, nomeadamente a Micro-Enciclopédia (edições Prado) e Efeito Kuleshov (edições amor-livr'o e Dois Dias Edições). Em 2015, publicou o seu segundo livro de contos, Inventário do Pó - estudos para a makina de fazer desertos (ed. Caminho). O crítico Miguel Real considerou este romance «um dos melhores» desse ano [5]. Também em 2015, publicou na revista Granta número 5 (Tinta-da-China).

Foi duas vezes nomeada para o Prémio Novos na categoria de Literatura [6].

Foi co-editora do jornal Pedal, de circulação gratuita, dedicado às bicicletas e cultura urbana.

Teatro e Dança[editar | editar código-fonte]

Em 2012, na cidade de Belo Horizonte, Minas Gerais(BRA), a diretora Kenia Dias e o artista sonoro Ricardo Garcia livremente inspirados em seu livro criaram o espetáculo Havia, título homônimo do livro de Joana Bértholo, ainda publicado pela Primeiro Exemplar. No ano seguinte o livro Havia inspira outra montagem brasileira, agora na capital do país, Brasília, numa parceria entre a Cia B de Teatro e o Grupo Mesa de Luz. Desde 2013 que colabora com a coreógrafa Madalena Victorino e com o músico Pedro Salvador em diferentes edições da Companhia Limitada.

Em 2014, e novamente em 2015, foi a autora convidada para a concepção de várias peças de teatro para o Festival Teatro das Compras, junto aos escritores Afonso Cruz e João Tordo.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Diálogos Para o Fim do Mundo (2009)- Prémio Literário Maria Amália Vaz de Carvalho (2009);
  • Havia - histórias de coisas que havia e de outras que vai havendo (2012);
  • O Lago Avesso - uma hipótese biográfica (2013);
  • Inventário do Pó (2015)
  • O Museu do Pensamento (2017)
  • Ecologia (2018)

Referências[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]