Joaquim Sapinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Joaquim Sapinho
Nascimento 1965 (53 anos)
Sabugal, Sabugal
Nacionalidade português
Ocupação cineasta, professor
Influências
Magnum opus Corte de Cabelo (1995)
Joaquim Sapinho (em inglês) no Internet Movie Database

Joaquim Sapinho (Sabugal, 1965) é um cineasta, argumentista e produtor português. Fundador da produtora independente Rosa Filmes, é considerado parte da família cinematográfica A Escola de Reis.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Joaquim Sapinho estudou na Escola Superior de Teatro e Cinema, onde foi aluno de António Reis, Paulo Rocha e Alberto Seixas Santos, e, atualmente, lecciona nessa mesma escola Realização Cinematográfica.

Começou como documentarista para televisão, antes de realizar a sua primeira longa-metragem. Em 1995, com o seu primeiro filme, Corte de Cabelo, proporcionou um raro vislumbre sobre a juventude portuguesa da década de 90, sendo nomeado para o Leopardo de Ouro do Festival de Cinema de Locarno.

Joaquim Sapinho é também o fundador e gerente da produtora cinematográfica independente Rosa Filmes, que deu a conhecer realizadores como João Pedro Rodrigues e Manuela Viegas. Nesta produtora, tem igualmente desenvolvido um extenso trabalho enquanto produtor e argumentista.

Em 1999, o filme Glória, escrito por Joaquim Sapinho e pela realizadora Manuela Viegas, esteve em competição no Festival de Cinema de Berlim.

Em 2003, Joaquim Sapinho apresentou Mulher Polícia, a sua segunda obra, a história de uma mãe e de um filho, baseada na ideia de que no mundo moderno algumas mulheres já não se lembram o que significa ser mãe. Este filme fez parte da seleção oficial do Festival de Cinema de Berlim.

Em 2005, Joaquim Sapinho apresentou Diários da Bósnia. Filmado em 1996 e 1998, tendo levando quase dez anos a completar, este filme é um diário documental sobre as suas experiências na Bósnia durante e depois da Guerra Jugoslava. Esta obra teve estreia no Festival Internacional de Pusan.

Em 2011, Joaquim Sapinho após um trabalho de dez anos – a maior parte dos quais simultaneamente com Diários da Bósnia, completa a sua quarta longa-metragem, Deste Lado da Ressurreição, que tem estreia mundial na seleção oficial do Festival de Cinema de Toronto.

Filmografia de Realizador[editar | editar código-fonte]

Filmografia da Rosa Filmes[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Joaquim Sapinho (em inglês) no Internet Movie Database. Acesso 2014-05-01.
    NOTA: Há fontes a indicar "1964" como ano de nascimento mas ou é "fonte primária" ou sem maior credibilidade que a fonte apresentada.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.