Joaquim Sapinho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde maio de 2014). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Joaquim Sapinho
Nascimento 1965 (53 anos)
Sabugal, Sabugal
Nacionalidade português
Ocupação cineasta, professor
Influências
Magnum opus Corte de Cabelo (1995)
Joaquim Sapinho (em inglês) no Internet Movie Database

Joaquim Sapinho (Sabugal, 1965) é um cineasta, argumentista e produtor português. É o fundador e diretor da produtora independente Rosa Filmes.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Joaquim Sapinho nasceu em 1965 na Freguesia e Concelho do Sabugal, distrito da Guarda.[1]

Formou-se na Escola Superior de Teatro e Cinema de Lisboa onde é, actualmente, professor da área de realização.

A primeira longa-metragem de Joaquim Sapinho, Corte de Cabelo, estreou em 1995.[1] Antes realizou alguns documentários para a televisão. Com Corte de Cabelo, o realizador participou no Festival de Cinema de Locarno e viu o seu filme ser nomeado para o Leopardo de Ouro.

Trabalhando na área do cinema também como produtor, director de fotografia, argumentista, Sapinho fundou, com Luís Correia, a produtora Rosa Filmes. Algum tempo depois, Luís Correia foi substituído por Amândio Coroado, que produziu vários filmes de Joaquim Sapinho, a quem se seguiu, desde 2003, Maria João Sigalho.

Em 2003, Sapinho lança a sua segunda longa-metragem A Mulher Polícia,[1] que foi escolhida de entre cerca de 900 películas para fazer parte da seleção oficial do 53.º Festival de Cinema de Berlim,[2] onde viria a fazer a sua estreia mundial.

Nos anos seguintes, dedica-se ao seu maior projecto até a data: Diários da Bósnia. Filmado entre 1996 e 1998 é lançado apenas em 2006. É um filme documental sobre a guerra da Bósnia, as suas graves consequências na população e os árduos anos que se seguiram. Teve estreia mundial no Festival de Cinema de Pusan.

Em 2011, lança Deste Lado da Ressurreição,[1] que tem estreia mundial no Festival Internacional de Cinema de Toronto, na secção Visions. Foi considerado um dos dez melhores filmes do ano por Haden Guest, director do Harvard Film Archive, na revista Film Comment.

É membro do Conselho de Redação da Revista Brotéria -Cristianismo e Cultura.

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Joaquim Sapinho realizou os seguintes filmes:[1]

Referências

  1. a b c d e f Joaquim Sapinho (em inglês) no Internet Movie Database. Acesso 2014-05-01.
    NOTA: Há fontes a indicar "1964" como ano de nascimento mas ou é "fonte primária" ou sem maior credibilidade que a fonte apresentada.
  2. Correio da Manhã (1 de fevereiro de 2003). «Um Filme Luso em Berlim». Lisboa. Correio da Manhã (em linha). Consultado em 1 de Maio de 2014. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um cineasta é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.