Joos de Momper

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Joos de Momper
Retrato de Joos de Momper (c. 1632-1641), por Anthony van Dyck
Nascimento 1564
Antuérpia
Morte 1635 (71 anos)
Antuérpia
Nacionalidade Flamengo
Ocupação pintor
Movimento estético Renascimento


Joos de Momper ou Joost de Momper (1564–1635) foi um dos principais pintores flamengos de paisagens no período que medeia entre Pieter Brueghel e Peter Paul Rubens. A influência de Brueghel é claramente evidente em muitas das pinturas de Momper.

Vida[editar | editar código-fonte]

Paisagem de Montanha (1625 - 1630), Fundação Banco Santander

Momper nasceu numa família de artistas de Antuérpia e recebeu o nome do seu avô, que era um pintor de paisagens.[1] Aprendeu a pintar com o seu pai Bartolomeu de Momper que era um pintor e editor de impressões.[2] Em 1581 tornou-se mestre da Guilda de São Lucas de Antuérpia com apenas 17 anos de idade. [1] Crê-se que na década de 1580 viajou para a Itália para estudar.[2]

De Momper beneficiou de patrocínio de alto nível como é demonstrado pelo facto da arquiduquesa Isabel Clara Eugénia, governadora da Flandres, ter enviado em 1616 uma carta ao magistrado de Antuérpia exigindo-lhe para isentar de Momper do pagamento de impostos e taxas. As suas obras foram frequentemente apresentados em prestigiadas galerias de pintura a partir do início do século XVII.[2]

Teve como alunos Louis de Caullery e o seu filho Philippe de Momper[1] e como seguidores Frans de Momper e Hercules Seghers.[1]

De Momper foi mencionado por Karel van Mander no seu conhecido Livro dos Pintores (Schilder-boeck) e as suas feições foram objecto de uma gravura de Anthony van Dyck.[3]

Obra[editar | editar código-fonte]

Paisagem de Verão com Ceifeiros (1610), Museu de Arte de Toledo

De Momper pintou principalmente paisagens, gênero com que foi sobremaneira apreciado durante a sua vida. Apenas um pequeno número das 500 pinturas atribuídas a de Momper estão assinadas e apenas uma está datada. A grande produção aponta para uma substancial ajuda do seu ateliê. Ele colaborou com frequência com pintores de figuras humanas como Frans Francken II, Pieter Snayers, Jan Brueghel, o Velho e Jan Brueghel, o Jovem, usualmente em largas paisagens montanhosas, e enquanto os outros pintores pintavam a staffage de Momper pintava a paisagem.[2]

Pintou tanto paisagens imaginárias, vistas dum ponto de vista elevado e empregando uma convencional transição de cor maneirista de castanho, em primeiro plano, para verde e finalmente para azul ao fundo, como paisagens mais realísticas, com um ponto de vista mais baixo e cores mais naturais. Os seus amplos panoramas também apresentavam grupos de pequenas figuras.[4]

As obras de Momper são principalmente inspiradas pelas íngremes encostas dos Alpes e dos maciços rochosos altaneiros representados nas pinturas de Pieter Brueghel. A sua proximidade com Jan Brueghel, o Velho, filho de Pieter, deve ter influenciado a sua exposição à linguagem deste. Isso pode também ser apreciado em alguns dos motivos da obra de de Momper que se reportam às invenções de Pieter Bruegel, como as paisagens invernais e as colheitas de cereais. Uma das suas obras que representa uma Tempestade no Mar foi inicialmente atribuída a Pieter Brueghel, mas é agora geralmente atribuída a de Momper. Outra influência sobre de Momper foi a do especialista em paisagem Lodewijk Toeput, que foi fazer carreira em Itália. De Momper priorizava a estilização aos efeitos naturalistícos e usava profundidade e atmosfera para atingir o seu objetivo de construção espacial.[2]

A obra de de Momper, como a do pintor de paisagem contemporâneo Abel Grimmer, tem sido com frequência desvalorizada pela repetição de motivos animais e da apresentação enquanto as suas grandes obras têm sido interpretadas como simples versão aumentada da paisagem do mundo de Joachim Patinir, um século após a sua primeira formulação. Ele é considerado como representando o fim de uma tradição, mais do que uma revitalização ou uma inovação da pintura de paisagem, como foi acontecendo na República Holandesa no século XVII. Por outro lado, a grande dimensão das suas obras e a sua colaboração com outros artistas importantes sugerem a não preocupação com custos e a estima pelo refinamento pictórico.[2]

Obras notáveis[editar | editar código-fonte]

  • Extensive Mountainous Landscape
  • Dune landscape with travellers and cattle - National Museum, Varsóvia
  • Helicon or Minerva's Visit to the Muses (com Hendrik van Balen para as figuras de pessoas e Jan Breughel para as flores - Museu Real de Belas Artes de Antuérpia
  • Flemish Market and Washing Place - Museu do Prado, Madrid
  • Landscape with the Temptation of Christ - National Gallery, Praga
  • Mountain Scene with Bridges - Wallraf-Richartz Museum, Colónia
  • Winter Landscape - Musée des Beaux-Arts et d'Archéologie de Châlons-en-Champagne

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Joos de Momper

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Joos de Momper».
  1. a b c d Joos de Momper no Netherlands Institute for Art History
  2. a b c d e f Larry Silver, Peasant Scenes and Landscapes: The Rise of Pictorial Genres in the Antwerp Art Market, University of Pennsylvania Press, 2012, p.193-195
  3. Joos de Momper Biography em: Arnold Houbraken, De groote schouburgh der Nederlantsche konstschilders en schilderessen, 1718
  4. Irene Haberland, "Momper, de" Grove Art Online. Oxford University Press.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]