José Vieira de Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde abril de 2013). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

José Vieira de Carvalho (Maia, Moreira, 18 de abril de 19381 de junho de 2002) foi um autarca e docente universitário português[1][2].

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciou-se em Ciências Históricas e Filosóficas na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa[2] (1961) com a tese O Mosteiro de S. Salvador de Moreira – Subsídios para a sua história.

Ainda enquanto cumpria o serviço militar foi chefe do Gabinete de Estudos do Centro de Estudos Psicotécnicos do Exército, professor do Instituto Superior de Psicologia Aplicada e da Academia Militar, depois de ter combatido no então Ultramar Português.

Em 1966 entra, como assistente, para o corpo docente da Faculdade de Letras da Universidade do Porto; aí ensinará até 1975. A paixão pelo ensino foi apenas interrompida pelo desempenho de cargos de serviço público.

Dedicou-se à vida política, nomeadamente na Presidência da Câmara Municipal da Maia entre 1970 e 1974, e, depois, entre 1979 e a data da sua morte. De 1973 a 1974 foi deputado à então Assembleia Nacional.

O ano de 1975 foi-lhe, entretanto, aziago, tendo sido detido na sequência do golpe de estado de «11 de Março» e publicamente acusado, pelo Comandante da Região Militar Norte (o brigadeiro graduado Eurico de Deus Corvacho), de envolvimento em actividades do Exército de Libertação de Portugal (ELP); só será libertado após o «golpe de 25 de Novembro» do mesmo ano.

Desempenhou vários cargos e levou a cabo diversas tarefas, com destaque para as várias e sucessivas eleições para Deputado à Assembleia da República pelo círculo do Porto, para a Presidência do Conselho do Metro do Porto, para a Presidência da Junta Metropolitana do Porto, e para a escolha, por parte da Assembleia da República, para a representar no Comité das Regiões da União Europeia, onde foi autor e co-autor de vários relatórios.

Foi a «alma» do arranque da Universidade Livre no Porto (1978-1986), aí ensinando nos dois primeiros anos de funcionamento. Foi depois fundador do ISMAI – Instituto Superior da Maia, onde ocupou os cargos de Presidente da Direcção da Maiêutica e de Presidente do Conselho Científico.

Enquanto Presidente da Câmara Municipal da Maia, transformou o Município de uma forma radical. Fruto da sua acção, o Concelho da Maia, que até então era essencialmente rural, tornou-se num município com indicadores de “Qualidade de Vida” em patamares elevados à escala da União Europeia.

Liderou o processo de formação da Metro do Porto, SA, tendo sido seu Presidente do Conselho de Administração.

Admirador do cinema da «Nouvelle vague» francesa, com destaque para Claude Chabrol.

Obras[editar | editar código-fonte]

Foi autor, entre outros, dos seguintes livros:

  • O Mosteiro de S. Salvador de Moreira – Instituição Valorizadora da Terra da Maia. Maia, Câmara Municipal, 1969 (ed. de parte da tese de licenciatura).
  • Que o que governa se comporte como o que serve. Maia, 1995.
  • A Regionalização para Portugal. Maia, 1996.
  • Da Maia para Portugal. Maia, 2002.

Referências

  1. «Prof. Dr. José Vieira de Carvalho». Portal da cultura / Maia digital. Consultado em 8 de abril de 2013. 
  2. a b «ESTÁTUA DO DOUTOR JOSÉ VIEIRA DE CARVALHO». Turismo / Maia digital. Consultado em 8 de abril de 2013.