Keihanshin

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Keihanshin (京阪神? "Kyoto-Osaka-Kobe") é uma região metropolitana japonesa que engloba as áreas metropolitanas das cidades de Quioto, Osaka, na província de Osaka, e Kobe, na província de Hyogo. A região inteira tem uma população (em 2000) de 18 644 000 em uma área de 11 170 km².[1] É a segunda região urbana mais populosa do Japão, após a Grande Tóquio, contendo aproximadamente 15% da população japonesa.

O PIB da região (Osaka e Kobe) é de $ 341 bilhões, tornando-a uma das regiões mais produtivas do mundo, disputando com Paris e Londres.[2]A MasterCard Worldwide relatou que Osaka é a 19ª cidade entre as líderes globais e possui um papel instrumental na condução da economia mundial.[3]

O nome Keihanshin é construído através da extração de um kanji representativo de Quioto (都), Osaka (大), e Kobe (戸), mas usando a leitura On-yomi (leitura chinesa) ao invés da leitura Kun-yomi (leitura japonesa) para os caracteres retirados de Osaka e Kobe, e a leitura chinesa kan-on do caractere de Quioto ao invés da leitura chinesa go-on.

Definições[editar | editar código-fonte]

Distância[editar | editar código-fonte]

O Departamento de Estatística do Japão define um conjunto de município que são inteiramente ou quase dentro dos 50 km do Departamento Municipal de Osaka como uma medida da área metropolitana. Em 2000, a população da região era de 16 566 704.[4]

Área de emprego urbano[editar | editar código-fonte]

A Área de Emprego Urbano é uma definição de área metropolitana desenvolvida pela Faculdade de Economia da Universidade de Tóquio.[5] Esta definição é análoga ao conceito de Área Estatística Metropolitana usado para delinear áreas metropolitanas nos Estados Unidos. Os blocos básicos de construções são os municípios.

A área central é o conjunto de municípios que contém um distrito densamente habitado (DDH) com uma população de 10 mil ou mais. A Área de Emprego Urbano é chamada de Área de Emprego Metropolitano quando sua área central possui uma população de 50 mil DDH ou mais. Caso contrário, a área é chamada de Área de Emprego Micropolitana. Um DDH é um grupo de distritos enumerados em um censo habitados com densidades de 4 mil ou mais pessoas por km². As áreas periféricas são aqueles municípios onde 10% ou mais da população empregada trabalha na área central ou em outra área periférica. Sobreposições não são permitidas e uma área periférica é atribuída à área central onde ela possui a maior proporção de passageiros.

Esta definição define como Área de Emprego Metropolitano as seguintes cidades da região de Keihanshin: Osaka, Kobe, Kyoto, Himeji e Wakayama. As listas abaixo indicam quais cidades pertencem a qual área metropolitana. Vilas não são listadas.

Um mapa mostrando as Áreas de Emprego Urbano de Osaka, Kobe, e Quioto.

Área de Emprego Metropolitano de Osaka[editar | editar código-fonte]

A Área de Emprego Metropolitano de Osaka tem uma população (em 2000) de 12 116 540[6] e consiste das seguintes cidades:

Área Metropolitana de Emprego de Quioto[editar | editar código-fonte]

A Área Metropolitana de Emprego de Quioto possui uma população (em 2000) de 2 583 304[6] e consiste das seguintes cidades:

Área Metropolitana de Emprego de Kobe[editar | editar código-fonte]

A Área Metropolitana de Emprego de Kobe possui uma população (em 2000) de 2 296 268[6] e consiste das seguintes cidades:

Área Metropolitana de Emprego de Himeji[editar | editar código-fonte]

A Área Metropolitana de Emprego de Himeji possui uma população (em 2000) de 741 759[6] e consiste das seguintes cidades:

  • Cidade central: Himeji
  • Cidades periféricas

Área Metropolitana de Emprego de Wakayama[editar | editar código-fonte]

A Área Metropolitana de Emprego de Wakayama possui uma população (em 2000) de 573 308[6] e consiste das seguintes cidades:

  • Cidades centrais: Wakayama
  • Cidades periféricas
    • Província de Wakayama (parte noroeste): Kainan

Grande Área Metropolitana[editar | editar código-fonte]

Um mapa da Grande Área Metropolitana.

O Departamento de Estatística do Japão define a Grande Área Metropolitana ou GAM (大都市圏) como o conjunto de municípios onde pelo menos 1,5% da população residente com 15 ou mais anos de idade viaja para uma escola ou trabalho em outra cidade (definida como área central).[7] Se múltiplas cidades centrais estão próximas o suficiente para sobrepor as áreas periféricas, elas são combinadas em uma única área multi-central. No censo de 2000, as cidades centrais usadas para definir o GAM Keihanshin eram Osaka, Kobe, e Quioto. Sakai foi posteriormente designada como uma cidade central.

Esta região consiste da combinação das áreas metropolitanas de Osaka, Kobe, Quioto e Himeji, e adicionalmente inclui algumas áreas periurbanas (particularmente no sul da província de Shiga que não são parte das quatro áreas metropolitanas.

Em 2000, a região inteira de Keihanshin tinha uma população de 18 643 915 em uma área de 11 169 km ².[1]

Cidades[editar | editar código-fonte]

Cidades centrais[editar | editar código-fonte]

As cidades centrais que forma Keihanshin são cidades decretadas pelo governo. Essas cidades designaram as três maiores cidades como cidades especiais junto com Tóquio em 1889. Kobe designou as seis maiores cidades como cidades especiais em 1922 e adotou o sistema de bairros em 1931. Após a Segunda Guerra Mundial, as seis maiores cidades foram substituídas pelo sistema de cidades designado pelo governo em 1956. Após, Sakai tornou-se cidade designada pelo governo em 2006.

As cidades centrais de Keihanshin são:

  • Osaka (população de 2.65 milhões)
  • Kobe (população de 1.53 milhões)
  • Kyoto (população de 1.46 milhões)
  • Sakai (população de 830 000)

Cidades fora das cidades centrais[editar | editar código-fonte]

As outras cidades nas províncias de Osaka, Hyogo, Quioto e Nara são:

Cidades adicionais[editar | editar código-fonte]

Na definição de Grande Área Metropolitana (GAM) usada pelo Departamento de Estatística do Japão, as seguintes cidades nas províncias de Mie, Shiga e Wakayama estão incluídas:

Mie[editar | editar código-fonte]

Shiga[editar | editar código-fonte]

Wakayama[editar | editar código-fonte]

Áreas fronteiriças[editar | editar código-fonte]

Keihanshin faz fronteira com as áreas metropolitanas de Hikone-Nagahama (approx. 340,000) no nordeste, Iga (aprox. 50 000) a leste, Himeji-Ako (aprox. 800 000) a oeste, Grande Wakayama (aprox. 570 000 habitantes) no sul, e Fukuchiyama (aprox. 150 000) a norte. Se essas áreas são incluídas, a população da Grande Keihanshin seria por volta de 19-20 milhões de habitantes.

Transporte[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Transporte na Grande Osaka
Special Rapid Service, o três de alta velocidade maus usado no Japão.
A Ponte Akashi-Kaikyo estende-se de Kobe para Ilha Awaji.

Aéreo[editar | editar código-fonte]

O Aeroporto Internacional de Kansai abriu em 1994 e hoje é o principal aeroporto internacional da região. Ele situa-se em uma ilha artificial na Baía de Osaka e serve a cidade de Osaka e as cidades vizinhas de Nara, Kobe e Quioto. Kansai é um termo geográfico para a área oeste de Honshu que rodeia Osaka. O aeroporto está conectado por serviço de trem direito para Osaka e Quioto, além de serviço de ônibus para os principais centros próximos, incluindo Kobe.

O Aeroporto Internacional de Osaka, que se situa na fronteira entre as cidades de Itami e Toyonaka, ainda abriga a maior parte do serviço domésticos da região metropolitana.

O Aeroporto de Kobe, construído em uma ilha artificial a sul de Port Island abriu em 2006, oferecendo voos domésticos.

Ferrovias[editar | editar código-fonte]

A Grande Osaka possui uma rede muito extensa de linhas ferroviárias, comparável a da Grande Tóquio. Os principais terminais ferroviários são os de Umeda, Namba, Tennoji, Kyobashi, e Yodoyabashi.

Trem de alta velocidade[editar | editar código-fonte]

A JR Central e a JR West operam trens de alta velocidade na linha Tōkaidō-Sanyō Shinkansen. A Estação Shin-Ōsaka atua como o terminal de Shinkansen, embora as duas linhas estejam fisicamente juntas e muitos trens oferecem serviço. Esta estação é conectada à Estação de Osaka em Umeda pela JR Kyoto Line e o metrô Midōsuji Line. Os serviços de shinkansen também param na Estação de Quioto e na Estação de Shin-Kobe.

Todos os trens de shinkansen, incluindo o Nozomi, para na Estação Shin-Osaka e fornecem conexões para outras grandes cidades no Japão, como Quioto, Nagoia, Yokohama e Tóquio a leste, e Kobe, Okayama, Hiroshima, Kitakyushu e Fukuoka a oeste.

Trens urbanos[editar | editar código-fonte]

Tanto a JR West como linhas privadas conectam Osaka e seus subúrbios. A rede três urbanos da JR West é chamada de rede urbana. As estações principais da Osaka Loop Line da JR incluem as Estações de Osaka, Tennōji, Tsuruhashi, e Kyōbashi. A JR West compete com tais operadores privados de ferrovias, como a Keihan Electric Railway, Hankyu Railway, Hanshin Railway, Kintetsu Corporation, e Nankai Electric Railway. As linhas Keihan e Hankyu conectam a Quioto; as linhas Hanshin e Hankyu conectam Kobe; as linhas Kintetsu conectam Nara, Yoshino, Ise e Nagoia; e as linhas Nankai lines conectam as periferias do sul de Osaka e o Aeroporto Internacional de Kansai, bem como Wakayama e Monte Koya. Muitas linhas na Grande Osaka aceitam tanto os cartões de pagamento ICOCA ou PiTaPa.[8]

Metrô municipal[editar | editar código-fonte]

O sistema do Metrô de Osaka é uma parte do extenso sistema de trânsito rápido de Osaka. O sistema de metrô sozinho é o 13º no mundo em passageiros anuais, transportando mais de 912 milhões de pessoas anualmente (um quarto do sistema ferroviário da Grande Osaka). (see map).

Economia[editar | editar código-fonte]

Área de Keihanshin em 2006[editar | editar código-fonte]

Baía de Osaka de noite
  • Taxa de câmbio média em 2006 (1 US dólar = 116.30 ienes)[9]

Província

Produto bruto da província
(em bilhões de ienes)
Produto bruto da província
(em bilhões de US$)
 Osaka
38 809
334
 Hyōgo
19 647
169
Flag of Kyoto Prefecture.svg Quioto
10 236
88
 Shiga
6 086
52
Predefinição:Country data Nara (Japão)
3 738
32
 Wakayama
3 469
30
Região de Kansai
81 985
705

PIB (nominal) em 2006[editar | editar código-fonte]

Keihanshin e os 20 maiores países.[10]

Rank País PIB (em bilhões US$)
1  Estados Unidos
13 202
2  Japão
4,340
・・・
11  Rússia
987
12  Índia
906
13  Coreia do Sul
888
14  México
839
15  Austrália
768
(Região de Kansai)
705
16  Holanda
658
17  Turquia
403
18  Bélgica
392
19  Suécia
385
20  Suíça
380

PIB (por paridade do poder de compra) 2005[editar | editar código-fonte]

Comparado com outras regiões urbanas do mundo, a aglomeração de Osaka é a sétima maior economia em termos de produto metropolitano bruto com paridade do poder de compra (PPC) em 2005 de acordo com um estudo da PricewaterhouseCoopers.[11]

Rank Aglomerações urbanas País PIB (PPC)
(em bilhões US$)
1 Tóquio  Japão
1 191
2 Cidade de Nova Iorque  Estados Unidos
1 133
3 Los Angeles  Estados Unidos
639
=4 Chicago  Estados Unidos
460
=4 Paris  França
460
6 Londres  Reino Unido
452
7 Osaka  Japão
341
8 Cidade do México  México
315
9 Filadélfia  Estados Unidos
312
10 Washington, D.C.  Estados Unidos
299

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b Japan Statistics Bureau - "2000 Census: Table 92. Population in Major Metropolitan Areas and Metropolitan Areas", acessado em 8 de fevereiro de 2007
  2. - PWC report 2007, acessado em 9 de outubro de 2007
  3. Mastercard Worldwide - "Worldwide Centers of Commerce Index 2008" page 8 and 22, acessado em 11 de junho de 2008
  4. Japan Statistics Bureau - Basic Figures for Range of Distance
  5. University of Tokyo - Overview of Urban Employment Areas
  6. a b c d e University of Tokyo - Urban Employment Area Code Tables
  7. Japan Statistics Bureau - Definition of Major Metropolitan Area
  8. JR West. «JRおでかけネット - きっぷ・サービス案内 - ご利用可能エリア 近畿圏エリア» (em japonês). Consultado em 25 de fevereiro de 2008 
  9. U.S.-Japan Annual Average Exchange Rate
  10. GDP(nominal) 2006
  11. The 150 richest cities in the world by GDP in 2005

Notas[editar | editar código-fonte]