Kimbanguismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Searchtool.svg
Esta página ou seção foi marcada para revisão, devido a incoerências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a coerência e o rigor deste artigo.
Igreja Kimbanguista
Kimbanguism1.jpg
Fundador Simon Kimbangu-12 de Setembro 1887(nkamba/12 de Outubro de 1951 (Lubumbachi)
Origem 6 de abril de 1921
Sede  República Democrática do Congo

A Igreja de Jesus Cristo sobre a terra pelo seu enviado especial Simon Kimbangu, vulgo Igreja Kimbanguista é uma religião cristã fundada por Simon Kimbangu no então Congo Belga, atual República Democrática do Congo.[1][2] Atualmente, a filosofia kimbanguista é uma prática religiosa de maior dimensão e proporções consideráveis, de caráter independente, sendo estimada uma adesão de aproximadamente 5,5 milhões de crentes, distribuídos sobretudo no Congo países vizinhos, e aos cinco continentes do mundo.[1][3] É considerada a unica igreja de origem africana a ter se expandido no mundo inteiro.

Kimbanguistas em Portugal festejam o natal ou nascimento de Jesus Cristo no dia 25 de maio de 2013 em um subúrbio de Lisboa.

A Igreja Kimbanguista, oficialmente denominada “Igreja de Jesus Cristo na Terra por seu Enviado Especial Simon Kimbangu”, foi fundada aos 6 de abril de 1921 por Simon Kimbangu, autodeclarado “profeta de Deus”.Simon Kimbangu nasceu no dia 12 de Setembro de 1887 em Nkamba,começou com a sua missão, que lhe foi incumbida pelo Jesus Cristo, ao 06 de Abril de 1921 em Nkamba,por curar uma mulher que vivia anos com dor de cabeça, chamada Kiantondu, antes de Simon Kimbangu ir curar Kiantondu,ja havia orientado a sua esposa a fim de tocar o sino, que simboliza o inicio da igreja Kintuadi, que actualmente igreja kimbanguista. O Simon Kimbangu era casado com a Maria Mwuilu Kiawanga e tiveram três filhos, a ser denominados. 1° Kisolokele Lukelo Daniel Charles,nascido em nkamba aos 12 de Fevereiro de 1914 e faleceu, aos 17 de Março de 1992. 2° Dialungana Kiangani Salomon, nasceu em nkamba aos 25 de Maio de 1916, para os kimbanguistas ele é o Jesus Cristo, na sua segunda vinda e faleceu ao 16 de Agosto de 2001(nkamba) e o 3° Diangenda Kuntima Joseph nasceu em nkamba,aos 22 de Março de 1918(nkamba) e faleceu aos 8 de Julho de 1992. Simon Kimbangu começou o seu trabalho em 06 de abril de 1921 e em 03 de Outubro de 1921, foi julgado e condenado injustamente a prisão perpéua, onde cumpriu 30 anos de prisão e enquanto o seu corpo estava em clandestinidade, a sua esposa tomava a conta da obra ate em 27 de Abril 1959 a Maria Mwuilu Kiawanga faleceu, e deixou a obra aos três filhos, estes que deram a continuidade da obra, até em 2001 depois da morte do Dialungana Kiangani Salomon, este que deixa a obra nas mãos dos seus filhos, os 26 netos do Simon Kimbangu, são eles filhos de Kisolokele,Dialungana e Diangenda Kuntima, estes três filhos do Simon Kimbangu, quando começaram a trabalhar, os dois mais velhos colocaram o irmão menor, papá Diangenda Kuntima para estar em frente da obra como chefe espirtual da igrega e os dois mais velhos, Kisolokele Lukelo Daniel Charles e Dialungana Kiangani Salomon, como chefes espirituais adjuntos, porque seguiam os passos do seu Pai, o Simon Kimbangu, em amor, mandamentos e trabalho.O mesmo sucediu aos 26 netos do Simon Kimbangu,depois da morte do ultimo pai(Dialungana) antes de continuar com o trabalho, reuniram os 26 netos, e por orientação já deixada pelos seus pais, o direito à sucessão, reconduziram o irmão mais velho,Simon Kimbangu Kiangani para estar em frente da obra como chefe espiritual e representante legal da Igreja, e os outros 25 irmãos como conselheiros do chefe espiritual, o que foi rejeitado para os outros netos, querendo e tão somente serem "chefes espirituais adjuntos" com poderes iguais. E o Simon Kimbangu, enquanto o seu corpo estava em clandenestinidade, mas conseguia fazer o seu trabalho em outra localidades e finalmente em 12 de Outro de 1951, deixa o mundo dos vivos,mas antes de tudo isso, depois de cumprir os 30 anos de prisão,como havias combinado com Jesus Cristo,ele colocou-se fora da prisão e lá ele não queria mas voltar,foi esforçado a voltar na prisão mas ele aceitou.Depois teve uma dezenteria e foi levado ao hospital onde havia acabado de morrer, mas antes de ele morrer,vinham padres lhe abensoar,mas ele disse:se na verdade querem me abensoar, dizem-me o dia, o mês, a hora e o ano eu Kimbangu irei de morrer? Os padres não o pudiam responder porque não sabiam, depois esse é um mistério somente Deus quem sabe,ele acabou por os expulsar dizendo-lhes que não eram na verdade servos de Deus.E minutos depois chamou os guardas e disse-lhes que,eu hoje irei de morrer,quando fossem 15 horas. Assim sucedeu, quando a hora chegou perguntou aos guardas que horas são? Eu disseram-lhe que são 14:59 e arrumou-se,bateu tres vezes no lado esqueredo e tres vezes no lado direito deitou-se acabou por morrer; de acordo com a profecia do papá Simon Kimbangu aos seus filhos: ( quem entre as vossas esposas, nascer um filho, no dia e na hora da minha morte, este renascerá-me a mim, facto que ocorreu, tendo nascido na mesma data e hora o actual chefe espiritual papá Simon Kimbangu Kiangani) e que por causa da represália colonial Belga na altura, não chamavam de Simon Kimbangu ao recem nascido. para evitar perseguição permatura ao então recem reencarnecido Simon Kimbangu. Isso aconteceu numa sexta feira as 15:00 em 12 de Outubro de 1951 em Nkamba e em Lumbachi simultaneamente.[1][nota 1] Em 1969, a igreja Kimbanguista foi admitida no Concílio ecuménico e Nkamba, no Congo, oficialmente declarada sede da igreja.[2]

Notas

  1. Do original francês: Église de Jésus Christ sur la Terre par son Envoyé Spécial Simon Kimbangu.

Referências

  1. a b c Marie-Louise Martin (1976). An African Prophet and His Church. [S.l.]: Eerdmans Publishing Company. 198 páginas. ISBN 0-8028-3483-3 
  2. a b Filipe Carreira da Silva (2008). Itinerários: a investigação nos 25 anos do ICS. [S.l.: s.n.] ISBN 9726712246 
  3. Ana Maria de Oliveira (1994). Elementos simbólicos do Kimbanguismo. [S.l.]: Missão de Cooperação Francesa Cultura. 106 páginas 
Ícone de esboço Este artigo sobre religião é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.