La Catrina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde novembro de 2014)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Duas Catrinas no Dia dos Mortos

La Catrina de los toletes, na cultura popular mexicana, é a representação humorística do esqueleto de uma dama da alta sociedade. É uma das figuras mais populares da Festa do dia dos mortos no México. A palavra catrina é a variante feminina da palavra catrín, que significa dândi em espanhol. O personagem se caracteriza como um esqueleto de mulher usando um chapéu, como distintivo da alta sociedade do início do século XX e tem uma função de memento mori destinado a lembrar que as diferenças sociais não significam nada, diante da morte.

Origens[editar | editar código-fonte]

La Calavera de la Catrina - José Guadalupe Posada

A origem da Catrina remonta às festas dos mortos pré-colombianas. Seu nome vem de La Calavera de la Catrina gravura do mexicano José Guadalupe Posada (1852-1913), água-forte sobre zinco, que faz parte de uma série de calaveras (caveiras). O precursor dessas representações humorísticas de figuras contemporâneas sob a forma de esqueletos, geralmente acompanhadas de um poema, foi Manuel Manilla.

História[editar | editar código-fonte]

Muito popular na época de Posada, o personagem tornou-se um dos principais símbolos das manifestações artísticas do dia de Finados no México e da cultura mexicana em geral, após a descoberta da obra de Posada pelo artista e historiador da arte, pouco depois da Revolução Mexicana. La Catrina também está associada à ideia do indígena que gostaria de se tornar europeu e que renega a própria cultura, por isso sua outra ligação com a Revolução. La Calavera de la Catrina foi então reproduzida e tornou-se símbolo da renovação indigenista da arte mexicana. Assim, la Catrina aparece na pintura mural de Diego Rivera denominada Sueño de un domingo por la tarde en la alameda que contém outras imagens de Posada. Além do seu uso como imagem, ela foi também interpretada em outras formas artísticas, dentre as quais a escultura.

José Guadalupe Posada também se valeu das Catrinas para lançar seu tom de crítica social em relação a como seu país encontrava-se diante da situação política porfiriana (ver Porfirio Díaz) e como a parte da população mais rica mantinha seus costumes.

Sueño de una tarde dominical en la Alameda Central - Diego Rivera

Las Catrinas possuem uma ligação com as famosas calaveras literarias, (ver Calavera literaria), composições poéticas de linguagem satírica ou burlesca escritas na época de Día de muertos.

Pessoas fantasiadas de Catrina no Día de muertos

Hoje em dia vemos uma presença muito grande das Catrinas nas festas mexicanas, principalmente na de Día de muertos, em que as pessoas se pintam e se fantasiam como a imagem, fazendo com que a Catrina se torne parte da cultura mexicana.

Referências[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre o México é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.