Diego Rivera

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde dezembro de 2011). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Diego Rivera
Diego Rivera (fotografia de Carl van Vechten, 1932).
Nome completo Diego María de la Concepción Juan Nepomuceno Estanislao de la Rivera y Barrientos Acosta y Rodríguez
Nascimento 8 de dezembro de 1886
Guanajuato
Morte 24 de novembro de 1957 (70 anos)
Cidade do México, D.F.
Nacionalidade México mexicano
Influenciados
Área Pintura, Mural
Formação Academia de São Carlos
Movimento(s) Muralismo

Diego Rivera, de nome completo Diego María de la Concepción Juan Nepomuceno Estanislao de la Rivera y Barrientos Acosta y Rodríguez (Guanajuato, 8 de dezembro de 1886 - San Ángel, Cidade do México, 24 de novembro de 1957), de origem judaica, foi um dos maiores pintores mexicanos, casado por quatro vezes, incluindo um tumultuoso casamento com Frida Kahlo.

Biografia / Carreira[editar | editar código-fonte]

Desde sempre quis ser pintor e todos percebiam ter talento para isso. Ao ficar adulto, após estudar pintura na adolescência, participou da Academia de San Pedro Alvez, na Cidade do México, partindo para a Europa, beneficiado por uma bolsa de estudos, onde ficou de 1907 até 1921. Esta experiência enriqueceu-o muito em termos artísticos, pois teve contacto com vários pintores da época, como Pablo Picasso, Salvador Dalí, Juan Miró e o arquiteto catalão Antoni Gaudí, que influenciaram a sua obra. Nesta época começou a trabalhar num ateliê em Madrid, Espanha.

Acreditava que somente o mural poderia redimir artisticamente um povo que esquecera a grandeza de sua civilização pré-colombiana durante séculos de opressão estrangeira e de espoliação por parte das oligarquias nacionais, culturalmente voltadas para a metrópole espanhola. Assim como os outros muralistas, considerava burguesa a pintura de cavalete, pois na maior parte dos casos as telas ficavam confinadas em coleções particulares. Dentro deste conceito, realizou gigantescos murais que contavam a historia política e social do México, mostrando a vida e o trabalho do povo mexicano, seus heróis, a terra, as lutas contra as injustiças, as inspirações e aspirações.

Em 1930 Rivera foi para os Estados Unidos, onde permaneceu por 4 anos, pintando vários murais, inclusive no Rockfeller Center, em Nova York.

Rivera era ateu e enfrentou grandes problemas por isso, sofrendo muitos preconceitos. O seu mural "Sonho de uma tarde dominical na Alameda Central" retratava Ignacio Ramírez segurando um cartaz que dizia: "Deus não existe". Este trabalho causou indignação, mas Rivera recusou-se a retirar a inscrição. A pintura não foi exposta por nove anos. Depois de Rivera concordar em retirar a inscrição, ele declarou: "Para afirmar 'Deus não existe', eu não tenho que me esconder atrás de Don Ignacio Ramírez. Eu sou ateu e considero as religiões uma forma de neurose coletiva".

Vida Pessoal[editar | editar código-fonte]

Foi casado quatro vezes. A sua primeira esposa foi a pintora russa Angellina Beloff. Com ela, Diego teve um menino. Após anos de casados, Diego entra em depressão ao ficar viúvo. Casou-se, em seguida, com Guadalupe Marín, com quem teve duas filhas. Após a morte de sua terceira esposa, a famosa Frida Kahlo, com quem se casou em 1929, casou-se com Emma Hurtado.

Diego teve vários relacionamentos extraconjugais. Seu relacionamento com a pintora mexicana Frida Kahlo foi bastante conturbado por causa das mútuas infidelidades. Se por um lado Diego a traía com frequência, Frida não deixava por menos. Ela era bissexual e ele aceitava que a esposa tivesse relacionamentos com outras mulheres, mas não com outros homens. A frustração no casamento ainda era alimentada pelo fato de que Diego queria ter filhos e Frida, por ter sofrido um grave acidente anos antes, não conseguia manter uma gravidez até o final, tendo abortado todas as vezes.

Ainda casado com Frida, Diego envolveu-se com sua cunhada, Cristina, e tornou-se amante dela. Ficaram muitos anos juntos e tiveram seis filhos. Frida os teria flagrado juntos, tido um ataque histérico e cortado os próprios cabelos. Rivera abandonou os filhos e Cristina, que foi embora, e tentou uma reconciliação com Frida, mas sem sucesso. Rivera continuou entre bebidas e mulheres. Após um tempo separados, Frida e Rivera se reconciliam, mas cada um morando em suas respectivas casas.

Em 1954 ficou viúvo pela segunda vez. Frida tivera graves problemas de saúde em função do acidente que sofrera e veio a falecer, oficialmente, de pneumonia, embora a hipótese de suicídio não tenha sido descartada.

Depois da morte de Frida Kahlo, em junho de 1954, casou-se em 1955 com Emma Hurtado e viajou com ela para a União Soviética, para ser operado. Faleceu a 24 de novembro de 1957 em San Ángel, Cidade do México, na sua casa estúdio atualmente conhecida como Museu Casa Estúdio Diego Rivera e Frida Kahlo, e os seus restos mortais foram colocados na Rotunda das Pessoas Ilustres, contrariando a sua última vontade.ele era um sonhador

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Diego Rivera