Laura Chinchilla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Laura Chinchilla
46.ª Presidente da Costa Rica
Período 8 de maio de 2010
até 8 de maio de 2014
Vice-presidentes Alfio Piva Mesén
Luis Liberman Ginsburg
Antecessor(a) Óscar Arias Sánchez
Sucessor(a) Luis Guillermo Solís
Primeira Vice-presidente da Costa Rica
Período 8 de maio de 2006
até 8 de outubro de 2008
Presidentw Óscar Arias Sánchez
Antecessor(a) Lineth Saborío Chaverri
Sucessor(a) Alfio Piva Mesén
Deputada da Costa Rica
pela província de San José
Período 1 de maio de 2002
até 30 de abril de 2006
Antecessor(a) Guido Alberto Monge Fernández
Sucessor(a) Evita Arguedas Maklouf
Ministra da Segurança Pública
Período 31 de março de 2008
até 14 de abril de 2008
Presidente Óscar Arias Sánchez
Antecessor(a) Fernando Berrocal Soto
Sucessor(a) Janina del Vecchio Ugalde
Período 23 de novembro de 1996
até 8 de maio de 1998
Presidente José María Figueres Olsen
Antecessor(a) Bernardo Arce Gutiérrez
Sucessor(a) Juan Rafael Lizano Sáenz
Dados pessoais
Nome completo Laura Chinchilla Miranda
Nascimento 28 de março de 1959 (62 anos)
San José, Costa Rica
Nacionalidade costarriquenha
Alma mater Universidade da Costa Rica
Universidade de Georgetown
Cônjuge Mario Alberto Madrigal Díaz (c. 1982; div. 1985)
José María Rico Cueto (c. 2000; v. 2019)
Filhos José María Rico Chinchilla
Religião Catolicismo
Profissão Cientista política

Laura Chinchilla Miranda (San José, 28 de março de 1959) é uma cientista política e política da Costa Rica. Ela foi a 46.ª presidente da República da Costa Rica entre 8 de maio de 2010 e 8 de maio de 2014, tornando-se a primeira mulher costarriquenha eleita para esse cargo desde que o voto feminino foi permitido em 1949,[1] e a oitava mulher presidente da América Latina.[2][3]

Atualmente, ela é a titular da Cátedra José Bonifácio, na Universidade de São Paulo, desde abril de 2018.[4]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Laura Chinchilla nasceu no Distrito de Carmen, São José em 1959. Seu pai foi Rafael Ángel Chinchilla Fallas (a ex-controlador da Costa Rica) e sua mãe era Emilce Miranda Castillo.[5] Ela se casou com Mario Alberto Madrigal Díaz em 23 de Janeiro de 1982 e se divorciaram em 22 de Maio de 1985. Ela teve um filho em 1996, com José María Rico Cueto, um advogado espanhol que também possui cidadania canadense; Chinchilla se casou com ele em 26

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Antes de entrar na política, Chinchilla trabalhou como consultora de uma Organização Não Governamental na América Latina e em África, especializada em reforma do sistema judicial e as questões de segurança pública. Ela passou a servir na administração de José María Figueres Olsen, como a nova vice-ministra de Segurança Pública (1994-1996) e ministra da segurança pública (1996-1998). De 2002 a 2006, atuou na Assembléia Nacional como deputada da província de San José.

Chinchilla foi uma dos dois vice-presidentes eleitos sob a administração segundo Arias (2006-2010). Ela renunciou à vice-presidência em 2008, a fim de preparar para concorrer à Presidência em 2010. Em 7 de junho de 2009, ela ganhou as prévias do Partido de Libertação Nacional (PLN), nas eleições preliminares, com uma margem de 15% de votos sobre seu rival mais próximo, e assim foi aprovado como candidata presidencial do partido.

Posições políticas[editar | editar código-fonte]

O partido de Chinchilla é membro da Internacional Socialista,[6] cujo lema é a promoção da "política progressista para um mundo melhor". Em 28 de novembro de 2009, Chinchilla tornou-se num dos candidatos da Costa Rica, único partido a integrar, participar e apoiar a voz para uma marcha polêmica, chamado "Marcha pela Vida e Família". Organizado por uma coalizão de líderes de igreja, sua missão, consiste contra a legalização do aborto e do reconhecimento de uniões civis para casais do mesmo sexo. A participação de Laura Chinchilla Miranda, levantou preocupações entre os vários líderes de direitos humanos e civis da Costa Rica,[7] que considerou o evento como favorecer o fundamentalismo e a homofobia. Chinchilla afirmou que a marcha não era "contra qualquer grupo".[8] Ela também se opõs arduamente, a qualquer alteração da Constituição que visam a separação Igreja-Estado na Costa Rica. A Constituição que define atualmente a República da Costa Rica, como um país Católico Romano.[9] Óscar Arias, como presidente, manifestou apoio à aprovação de legislação a separação igreja-estado.[10] Chinchilla manifestou a sua preocupação sobre a possibilidade de que as mulheres da Costa Rica, poderiam comprar legalmente os chamados "contracepção de emergência", alegando que, este tipo de contraceptivo, seria na verdade um "abortivo". A Organização Mundial da Saúde (OMS) afirma que, essa contracepção de emergência não pode ser um abortivo, pois não irá ter efeito se a mulher estiver grávida.[11]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «G1 > Mundo - NOTÍCIAS - Laura Chinchilla é a nova presidente da Costa Rica». g1.globo.com. Consultado em 28 de maio de 2021 
  2. contenido, ColaboraciónLas colaboraciones enviadas a aDiarioCR com son responsabilidad exclusiva de sus autores aDiarioCR com no se responsabiliza por su (10 de maio de 2019). «En muy pocos países gobierna una Presidenta». aDiarioCR.com (em espanhol). Consultado em 28 de maio de 2021 
  3. G1, Do; Brasília, em (1 de novembro de 2010). «Dilma será a 11ª mulher presidente na América Latina». Eleições 2010. Consultado em 28 de maio de 2021 
  4. Jornal da USP. Ex-presidente da Costa Rica assume a Cátedra José Bonifácio. Acesso em 28 de maio de 2018
  5. Chrissie Long (6 de maio de 2010). «Costa Rica to inaugurate first female president Saturday» (em inglês). Tribunal Supremo de Elecciones, República de Costa Rica. Consultado em 5 de novembro de 2012. Arquivado do original em 9 de maio de 2010 
  6. «SOCIALIST INTERNATIONAL MEMBERS». Internacional Socialista 
  7. Navarro del Valle, Hermes (24 de novembro de 2009). «Una marcha vergonzosa». La Prensa Libre 
  8. «LAURA CHINCHILLA CREARÁ MINISTERIO DE LA FAMILIA». informe-c.info 
  9. «elnuevoalcazar.es». Consultado em 8 de fevereiro de 2010. Arquivado do original em 6 de fevereiro de 2010 
  10. «Presidente Oscar Arias apoya reforma para declarar estado laico a Costa Rica». el Economista. 10 de setembro de 2009 
  11. Pan American Health Organization: emergency contraception PDF, Organização Mundial da Saúde

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre Laura Chinchilla

Precedido por
Óscar Arias
46.ª Presidente da Costa Rica
2010 - 2014
Sucedido por
Luis Guillermo Solís