Liderança carismática

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Reprodução de Nadler, David A. e Tushman, Michael L., "Beyond the charismatic leader: leadership and organizational change", California Management Review, vol 32, número 2.
Atributos fundamentais de um líder carismático

Liderança carismática é uma organização ou forma de autoridade, baseada no carisma do líder. O conceito adquiriu amplo uso entre os sociólogos. Outros termos utilizados são "dominação carismática" e "autoridade carismática".

Max Weber definiu autoridade carismática (alemão: Charismatische Herrschaft) como "baseada na devoção a um específico e excepcional ato de heroísmo, ou a um carácter exemplar de uma pessoa, o que lhe legitima a autoridade"[1]. Weber desenvolveu esta definição em suas obras "A Política como Vocação" e "Disciplina e Carisma", bem como em outras partes de seus escritos, este tipo de Autoridade é oposto aos demais tipos classificados pelo sociólogo: Tradicional e Racional-Legal.

Liderança Carismática segundo Ricky W. Griffin e Gregory Moorhead "é uma influencia baseada no carisma pessoal do líder em um ambiente igualitário, portanto alguém com carisma provavelmente será mais capaz de influenciar os outros do que alguém sem essa característica". [2] Os autores apresentam três atributos fundamentais que caracterizam o líder carismático, estes resultam em previsão, energização e capacitação. Estes tipos de líderes podem construir uma grande força em qualquer ambiente organizacional.

No Livro "Comportamento Organizacional - Criando Vantagem Competitiva", Wagner e Hollenbeck enfatizam a habilidade do líder carismático de comunicar aos seguidores as novas visões de uma organização, podendo também serem chamados de líderes transformacionais, pois despertam em seus subordinados a importância do trabalho e dos objetivos do grupo, geralmente conseguindo que as pessoas ultrapassem seus interesses pessoais. Também "aumentam as apostas do desempenho da organização convencendo os seguidores da importância da visão do Líder, e do perigo de não se adotar essa visão, segundo essa teoria é esta visão que distingue os maiores executores dos líderes mais comuns. Embora o carisma possa parecer difícil de captar em termos operacionais, recentemente se desenvolveram medidas padronizadas do carisma e descobriu-se que estavam relacionadas com a Eficácia do líder".[3]

Características[editar | editar código-fonte]

Características segundo Robert House[editar | editar código-fonte]

Auto-confiança Têm completa confiança em seu julgamento e capacidade.
Uma visão Esta é uma meta idealizada que propõe um melhor futuro do que a situação atual. Quanto maior a disparidade entre essa meta idealizada e a situação atual, mais provável que os seguidores atribuirão visão extraordinária ao líder
Capacidade de articular a visão Eles são capazes de esclarecer e expressar a visão em termos que sejam compreendidos por outros. Essa articulação demonstra um entendimento das necessidades dos seguidores e, consequentemente, age como uma forca motivadora.
Fortes convicções sobre a visão Lideres carismáticos são percebidos como fortemente comprometidos e dispostos a assumir altos riscos pessoais, incorrer em altos custos e fazer autosacrifícios para atingir sua visão.
Comportamento fora do comum Aqueles com Carisma têm um comportamento que são percebidos como novos, fora do convencional e contrários as normas. Quando têm sucesso, esses comportamentos evocam surpresa e admiração nos seguidores.
Percebidos como agentes de mudança Lideres carismáticos são percebidos mais como agentes de mudança radical do que como remediadores da situação atual.
Sensibilidade ao ambiente Estes líderes são capazes de fazer avaliações realistas das restrições do ambiente e dos recursos necessários para trazer mudança.[4]

Características segundo Max Weber[editar | editar código-fonte]

Carisma Max Weber define como carisma, "Certa qualidade de uma personalidade individual, em virtude da qual o dotado é separado dos homens comuns e tratado como possuidor de poderes ou qualidades excepcionais sobrenaturais, sobre-humanos [...]. Estes são, como não são acessíveis para a pessoa comum, mas são considerados como de origem divina ou como exemplar, e com base neles o indivíduo em questão é tratado como um líder"[1]
Legitimação A autoridade carismática é muitas vezes a mais duradoura em regimes, porque o líder é visto como infalível e qualquer ação contra ele será vista como um crime contra o Estado. Os líderes carismáticos, eventualmente, desenvolvem um culto de personalidade. "Poder legitimado com base em qualidades de um líder excepcional ou demonstração de visão ou realização extraordinária, que inspiram a lealdade e a obediência dos seguidores". A Liderança é o Poder de difundir uma energia positiva e um senso de grandeza. Como tal, se baseia quase que inteiramente no Líder. A ausência do líder, por qualquer motivo, pode levar à dissolução do poder da autoridade. Em contraste com o uso popular atual do líder carismático, Weber viu autoridade carismática não tanto como traços de caráter do líder carismático, mas como uma Relação entre o líder e seus seguidores. A validade do carisma é fundada sobre o seu "Reconhecimento" por seguidores do líder (ou "adeptos"). Seu carisma corre o risco de desaparecer se ele é "abandonado por Deus" ou se "seu governo não fornece nenhuma prosperidade para aqueles a quem ele domina".
Rotinizante Carisma A autoridade carismática quase sempre põe em perigo os limites estabelecidos pela tradicional (coercitiva) ou autoridade racional-legal. Ela tende a desafiar essa autoridade, e é, portanto, muitas vezes vista como revolucionária. Normalmente, a autoridade carismática é incorporada na sociedade por meio da rotinização. Por rotinização, a autoridade carismática muda: autoridade carismática é sucedida por uma burocracia controlada por uma autoridade racionalmente estabelecida ou por uma combinação de autoridade tradicional e burocrática.

Aplicação das teorias de Weber[editar | editar código-fonte]

O modelo de liderança carismática, dando lugar a institucionalização de Max Weber, é endossado por vários sociólogos acadêmicos.

Novos Movimentos Religiosos

Eileen Barker discute a tendência de novos movimentos religiosos terem fundadores ou líderes que exercem autoridades carismáticas consideráveis e que acreditam ter poderes ou conhecimentos especiais. Os líderes carismáticos são imprevisíveis, Barker diz, pois eles não estão vinculados pela tradição ou regras e eles tem o direito de se pronunciar sobre todos os aspectos da vida de seus seguidores. Barker adverte que, nestes casos, o Líder pode não ter qualquer responsabilidade, exigem obediência cega, e encorajam uma dependência do movimento para o material, espiritual e recursos sociais.

George D. Chryssides afirma que nem todos os novos movimentos religiosos têm líderes carismáticos, e que existem diferenças nos estilos hegemônicos entre aqueles movimentos que fazem.

Sucessão Carismática[editar | editar código-fonte]

Já que toda a autoridade é concentrada em um único líder carismático, a morte do mesmo levaria à destruição do governo, a menos que acordos prévios tenham sido feitos.

O fim do líder carismático em uma sociedade, pode levar a escolha de um novo formato de governo ou então, à transferência da autoridade carismática para outro líder por meio da sucessão.

De acordo com Max Weber, os meios de sucessão são: A pesquisa, a revelação, a designação através do líder original, designação por meio do Staff, carisma hereditário e carisma de escritório. Estas são as maneiras em que um indivíduo e uma sociedade pode efetuar para manter a única energia e natureza do carisma na liderança.

A pesquisa

A busca de um novo líder carismático é feita em base nas qualidades que devem se encaixar para posição de autoridade. Um exemplo deste método de pesquisa, é a busca de um novo Dalai Lama. Ela consiste na busca por uma criança com características que são interpretadas com o sentido de que ela é a reencarnação de Buda. Este é um exemplo de um líder carismático original pode ser feito para “viver” através de uma substituição.

Revelação

Neste caso, a legitimidade de um novo líder depende da legitimidade da técnica de seleção. A técnica de seleção é um madeira de operação particular no processo de seleção. Nos tempos antigos, acreditava-se que os profetas tinham acesso especial ao “julgamento divino”, desta maneira sua técnica de seleção foi percebida para ser legitima. Sua escolha foi impregnada de autoridade carismática seguida do aval de profeta.

Designação pelo Líder Original

Desta forma, o titular original da autoridade carismática acontece com a passagem de uma autoridade para outra. Um real exemplo é a afirmação de Josef Stalin dizendo que Lenin lhe havia designado de seu sucessor como líder da URSS. Na medida em que as pessoas acreditavam nesta crédito e reivindicação, Josef Stalin foi ganhando a mesma autoridade carismática de Lenin.

Designação por meio do Staff

Um sucessor pode ser designado pelo pessoal administrativo carismático qualificado. O processo não deve ser interpretado como “Eleição” ou “Nomeação”... Já que não é determinado apenas pelo voto da maioria, a unanimidade muitas vezes é necessária.

Um exemplo desta forma de sucessão é o conclave papal de cardeais para escolha de um novo papa. Os cardeais que participam do Conclave são vistos como

qualificados de maneira carismática por suas congregações católicas e, assim, sua escolha é imbuída de autoridade carismática.

Carisma Hereditário

Pode ser percebido como a qualidade do carisma transferida de maneira hereditária. Tal sucessão pode ser percebida no carisma de Kim Il-sung sendo repassado para seu filho, Kim Jong Il.

Este tipo de sucessão é uma tarefa difícil e muitas vezes resulta em um movimento em direção à forma tradicional e legalização em liderança.

Carisma de escritório

O conceito de carisma pode ser transmitido por meio de rituais de um portador para outro. Trata-se da dissociação do carisma a partir de um individuo em particular, tornando-se então um objetivo, entidade transferível.

Entre sacerdotes, eles herdam carismas sacerdotais e são posteriormente percebidos pelas congregações como sendo líderes carismáticos.

Prós e contras da Liderança Carismática[editar | editar código-fonte]

Segundo Robbins, cada vez mais, pesquisas revelam que a Liderança Carismática resulta em um alto desempenho e satisfação dos liderados. Por outro lado, as pesquisas mostram que não se pode generalizar o carisma no ambiente organizacional, ou seja, nem sempre será relevante. Contudo, indica ser mais eficaz em momentos de incerteza e tensão.

Em casos de pessoas que possuam as habilidades fundamentais de um Líder carismático, porém estejam em posições de subordinação, será mais difícil ou inviável de serem colocadas em prática.

Outro ponto a destacar, é a utilização por parte do líder, da posição carismática para agir dentro da organização, de forma que satisfaça seus próprios interesses, que podem não estar voltados para o bem da organização.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

Narcisismo[editar | editar código-fonte]

Len Oakes, um psicólogo australiano que escreveu uma dissertação sobre o carisma, tinha onze líderes carismáticos em um teste psicométrico, que chamou a lista de verificação adjetivo, e encontrou-os como um grupo bastante comum. Seguindo o psicanalista Heinz Kohut, Oakes argumenta que líderes carismáticos exibem traços de Narcisismo e que eles exibem uma quantidade extraordinária de energia, acompanhado por uma clareza interior sem impedimentos pelas ansiedades e culpas que afligem as pessoas mais comuns. Ele no entanto não seguiu totalmente o âmbito da autoridade carismática de Max Weber.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas e Referências

  1. a b O Poder nas Organizações - Max Weber
  2. Ricky W. Grifiin, Gregory Moorhead (2006). Fundamentos do Comportamento Organizacional. [S.l.]: Ática Universidade. pp. 303–305 
  3. John A. Wagner, John R. Hollenbeck (2006). Comportamento Organizacional - Criando vantagem competitiva. [S.l.]: Editora Saraiva. 246 páginas 
  4. ROBBINS, Stephen (2005). Comportamento Organizacional. [S.l.: s.n.] 
  1. WEBER, Max. Politics as Vocation p. 129-198 in Weber's Rationalism and Modern Society.
  2. WEBER, Max. Discipline and Charisma p. 59-72 in Weber's Rationalism and Modern Society.
  3. [1]GRIFFIN, Ricky W.; MOORHEAD, Gregory. Fundamentos do Comportamento Organizacional. Ática Universidade, 2006 p. 303-305.
  4. [2]WAGNER III, John A; HOLLENBECK, John R. Comportamento Organizacional - Criando Vantagem Competitiva. Editora Saraiva, 2006 p. 246.
  5. [3] ROBBINS, S. Comportamento Organizacional. ed .11ª , 2005.
  6. HOUSE, Robert J. Theory of Charismatic Leadership. Working Paper Series. Toronto Univ. 1976.
    1. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :0
    2. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :1
    3. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome :2