Lobo mexicano

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Translation to english arrow.svg
A tradução deste artigo está abaixo da qualidade média aceitável. É possível que tenha sido feita por um tradutor automático ou por alguém que não conhece bem o português ou a língua original do texto. Caso queira colaborar com a Wikipédia, en:Mexican wolf e melhore este verbete conforme o guia de tradução.
Wikitext.svg
Esta página ou seção precisa ser wikificada (desde março de 2015).
Por favor ajude a formatar esta página de acordo com as diretrizes estabelecidas.
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações (desde março de 2015). Ajude a melhorar este artigo inserindo fontes.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaLobo-mexicano
Lobo Mexicano no Sevilleta National Wildlife Refuge, New Mexico
Lobo Mexicano no Sevilleta National Wildlife Refuge, New Mexico
Estado de conservação
Espécie em perigo
Em perigo
Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Mammalia
Ordem: Carnivora
Família: Canidae
Género: Canis
Espécie: C. lupus
Subespécie: C. l. baileyi
Nome trinomial
Canis lupus baileyi
(Nelson & Goldman, 1929)
Distribuição geográfica
distribuição do C. l. baileyi
distribuição do C. l. baileyi

O lobo-mexicano (Canis lupus baileyi), é uma subespécie do lobo cinzento nativo do México, Arizona, Texas e Novo México, embora o seu alcance já tenha incluído o sudeste dos Estados Unidos[1]. É o menor dos lobos cinzentos da América do Norte, e é semelhante ao Canis Lupus Nubilus podendo atingir um comprimento não superior a 135 cm e uma altura máxima de aproximadamente 80 cm, pode pesar entre de 27 kg a 45 kg[2]. Os seus antepassados foram os primeiros lobos a entrar na América do Norte, como é indicado pelas características e genéticas de origem.[3]

Embora uma vez já ter estado em alta consideração na era pré-colombiana do México, é o lobo cinzento mais ameaçado da América do Norte, tendo constantemente sido ameaçado através de uma combinação de caça, armadilhas e envenenamento. Depois de ter sido colocado no "Endangered Species Act" em 1976, alguns lobos mexicanos foram libertados em áreas de recuperação no Arizona e Novo México no final de 1990, a fim de ajudar o repovoamento desta espécie.[4]

Taxonomia e Evolução[editar | editar código-fonte]

Tendo sido inicialmente descrito como uma subespécie distinta em 1929 por Edward Nelson e Edward Goldman por causa do seu tamanho reduzido, crânio estreito e pele escura[5], estudos genéticos e morfológicos indicam que o lobo mexicano é o mais basal e distinto de lobos cinzentos da América do Norte, sendo mais estreitamente relacionado com os lobos do Velho Mundo, em vez de outras subespécies do Novo Mundo[6]. Os seus antepassados deverão ter sido os primeiros lobos cinzentos a atravessar a ponte de terra de Bering para a América do Norte durante o Pleistoceno após a extinção do lobo Beringian, colonizando a maior parte do continente até sul empurrado pelos antepassados recém-chegados de C.L. Nubilus[7].

Hibridação com coiotes[editar | editar código-fonte]

Cranio

Uma análise do DNA e cromossomas sexuais mitocondriais de lobos Mexicanos pela Universidade de Uppsala detectou a presença de marcadores de coiote em algumas amostras. No entanto estes marcadores não se encontravam presentes em populações de lobos Mexicanos em cativeiro, sugerindo que alguns lobos Mexicanos do sexo masculino começaram a acasalar com coiotes do sexo feminino.[8]

História[editar | editar código-fonte]

[[File:Xolotl 1.jpg|thumb|left|O Deus AstecaXolotl, retratado no Codex Fejervary-Mayer do século XV, pode ter sido baseado num lobo mexicano em vez de um cão como antes se acreditava.[9] O lobo mexicano foi tido em alta consideração na pré-colombiana do México, onde ele era considerado um símbolo de guerra e do Sol. Na cidade de Teotihuacan, era prática comum cruzar lobos Mexicanos com cães, a fim de produzir bons guardiões. Infelizmente, os lobos Mexicanos também foram sacrificados em rituais religiosos, que envolviam o aquartelamento dos animais e manter as suas cabeças como vestimenta para sacerdotes e guerreiros. As restantes partes do corpo eram colocadas em câmaras funerárias subterrâneas com uma orientação para oeste que simbolizava o nascer do Sol e o submundo. O registo mais antigo de lobo Mexicano vem de Francisco Javier Clavijero em 1780 onde é referido como “Cuetzlachcojotl” e é descrito como sendo da mesma espécie dos coiotes, mas com uma pele mais de lobo e um pescoço mais espesso.

Declínio[editar | editar código-fonte]

Houve uma rápida redução de população de lobos Mexicanos no sudoeste EUA de entre 1915 e 1920; em meados da década de 1920, as perdas de gado para lobos tornaram-se raras.[10] Vermon Bailey estimou que houvesse 103 lobos mexicanos no México, embora esse número tenha sido reduzido para 45 no ano seguinte. Por volta de 1927 tinham sido aparentemente extintos no México[11]. O último lobo mexicano que se tem registo no Texas foi morto em 5 de Dezembro de 1970. O lobo Mexicano persistiu mais no México que nos Estados Unidos[12].

Conservação e Recuperação[editar | editar código-fonte]

Um casal de lobos mexicanos e suas crias na Instituição de gestão de lobos de Sevilleta.

O lobo Mexicano foi listado como uma espécie em vias de extinção pela Ecological Society of America em 1976. A equipa de Recuperação compôs o plano de recuperação do lobo Mexicano, que apelou para o restabelecimento de pelo menos 100 lobos através de um programa de reprodução em cativeiro. Entre 1927 e 1980, quatro machos e uma fêmea grávida foram capturados em Durango e Chihuauhua, no México para atuar como fundadores de uma nova “linhagem certificada”. Em 1999, com a adição de novas linhagens, a população de lobos Mexicanos em todo o EUA e México atingiu 178 indivíduos. Estes animam criados em cativeiro foram posteriormente libertados na floresta Nacional de Apache, no leste do Arizona. No final de 2012, estima-se que pelo menos 75 lobos e quatro casais que vivem nas áreas de recuperação, com 27% da população constituída por filhotes. Desde 1988, 92 mortes foram registadas com 4 ocorrendo em 2012. Destas, quatro foram por tiroteios ilegais[13]. Tambem foram realizadas algumas libertações no México, e o primeiro nascimento de uma ninhada de lobo selvagem foi relatada no México em 2014.[14]

Referências

  1. http://wolfology1.tripod.com/id30.htm
  2. http://eol.org/pages/1268604/overview
  3. «Cópia arquivada». Consultado em 18 de março de 2015. Arquivado do original em 14 de setembro de 2015 
  4. Nie, M. A. (2003), Beyond Wolves: The Politics of Wolf Recovery and Management, University of Minnesota Press, pp. 118-119, ISBN 0816639787
  5. Nelson, E. W. e Goldman, E. A. (1929), Um novo lobo de Mexico, "Journal of Mammalogy" 10:165–166
  6. Chambers SM, Fain SR, Fazio B, M Amaral (2012). "Um relato da taxonomia dos lobos da América do Norte a partir de análises morfológicas e genéticas". Norte-americana fauna 77: 1-67. doi: 10,3996 / nafa.77.0001. Retirado 2013/07/02.
  7. Chambers SM, Fain SR, Fazio B, M Amaral (2012). "Um relato da taxonomia dos lobos da América do Norte a partir de análises morfológicas e genéticas". Norte-americana fauna 77: 1-67. doi: 10,3996 / nafa.77.0001. Retirado 2013/07/02.
  8. Hailer, F., e JA Leonard, (2008) Cruzamentos entre três espécies nativas da América do Norte canis em uma região de simpatria natural, PLoS One 3: e3333
  9. Valadez, R., Rodríguez, B., Manzanilla, L. & Tejeda, S. (2006), Cão-lobo biótipo híbrido reconstrução da cidade arqueológica de Teotihuacan na pré hispânico centro do México, em cães e pessoas em Social, Trabalho, interação econômica ou simbólica, ed. LM Snyder & EA Moore, 121-131 pp, Oxford, Inglaterra:. Oxbow Books (Anais da 9ª Conferência ICAZ, Durham, Inglaterra, de 2002.
  10. USFWS, (1982), o plano de recuperação do lobo mexicano, US Fish and Wildlife Service, Albuquerque, Novo México.
  11. Bailey, V. (1932), os mamíferos do Novo México. Departamento de Agricultura dos EUA, Bureau de Pesquisa Biológica. North American Fauna No. 53. Washington, DC Pages 303-308
  12. USFWS, (1982), o plano de recuperação do lobo mexicano, US Fish and Wildlife Service, Albuquerque, Novo México.
  13. USFWS (2012), Programa de Recuperação Lobos Mexicanos: Relatório de Progresso nº 15, "US Fish and Wildlife Service"
  14. Gannon, M. (2014-07-21). "Primeira ninhada de lobos selvagens nascidos em Mexico". LiveScience.com. Purch. Arquivado do original em 2014/07/23. Retirado 2014/07/23.