Lotsawa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Marpa Chokyi Lodro, conhecido como Marpa Lotsawa (1012–1097)

Lotsawa ou lo-tsa-ba (em tibetano: ལོ་ཙཱ་བ; Wylie: lo tsA ba) é uma palavra tibetana usada para referir os tradutores nativos tibetanos que trabalharam em conjunto com pânditas (académicos indianos) na tradução de textos budistas de sânscrito para tibetano, chinês e outras línguas asiáticas. É também usada como epíteto de alguns desses tradutores mais proeminentes, como é o caso de Marpa Lotsawa. Pensa-se que a palavra tem origem no sânscrito locchāva, que significa "bilingue" ou "olhos do mundo". O termo é também aplicado a tradutores modernos de textos budistas tibetanos.

Entre os lotsawas mais célebres, além do já referido Marpa (1012–1097), podem referir-se Vairotsana (segunda metade do século VIII) e Rinchen Zangpo (958–1055). Entre os lotsawas mais antigos, destaca-se Jnanasutra (século V/VI), um membro da escola Nyingmapa que contribuiu para a primeira vaga de traduções de sânscrito para tibetano.[1] Outro lotsawa importante foi Yudra Nyingpo (c. século IX), um dos principais discípulos de Vairotsana.[2] Outro lotsawa proeminente, muito mais tardio, foi Gö Lotsawa Zhönnu-pel (1392–1481), autor dos famosos Anais Azuis (deb ther sngon po), uma das principais fontes da história do Tibete até ao século XV.[3]

Notas e referências[editar | editar código-fonte]

  1. Rhaldi, Sherab, Ye-Shes-sDe; Tibetan Scholar and Saint (PDF) (em inglês), Tibetan and Himalayan Library. Universidade de Virgínia, consultado em 30 de maio de 2018 
  2. «The History of Mindrolling: Part III» (em inglês). Centro Mindrolling Lotus Garden. www.lotusgardens.org. Arquivado do original em 13 de julho de 2010 
  3. ʼGos Lo-tsā-ba Gźon-nu-dpal (1949), Roerich, George, ed., The Blue Annals, Part 1, ISBN 9788120804715 (em inglês), Motilal Banarsidass (publicado em 1976), consultado em 20 de janeiro de 2018