Ludwigia octovalvis

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.


Como ler uma infocaixa de taxonomiaLudwigia octovalvis
Ludwigia octovalvis
Ludwigia octovalvis
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Myrtales
Família: Onagraceae
Género: Ludwigia
Espécie: L. octovalvis
Nome binomial
Ludwigia octovalvis
(Jacq.) P.H.Raven
Sinónimos
Jussiaea octonervia[1]

Ludwigia octovalvis é uma planta da família Onagraceae. É conhecida popularmente como camarambaia ou pelo nome comum de salgueiro-prímula mexicana. Sua distribuição nativa não é clara, mas pode ser encontrada na América Central, Austrália, Sudeste Asiático, Tamilnadu (IND), Oriente Médio, regiões da África Central e da África Ocidental e se espalha facilmente para se naturalizar. Também é cultivada como planta aquática. A planta é conhecida por suas propriedades anti-envelhecimento. A espécie é às vezes considerada uma espécie invasora e é classificada pela IUCN como de menor preocupação com populações estáveis. Uma planta adulta tem em média um metro de altura, mas é capaz de crescer mais alto. Ele se espalha para formar esteiras na lama, enraizando-se em nós em contato com o substrato, ou flutua subindo na água. Suas flores são de aparência amarela. Eles são compostos de hastes verdes e vermelhas. Eles produzem pequenos frutos capsulares contendo muitas sementes minúsculas

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Existem duas explicações etimológicas para o termo:

  1. seria originário do termo tupi camarámbai, que significa "camará ruim";[2]
  2. seria originário do termo tupi kamarambaîa, que significa "camará de pingentes".[3]
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Ludwigia octovalvis
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Ludwigia octovalvis

Referências

  1. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 324.
  2. FERREIRA, A. B. H. Novo dicionário da língua portuguesa. 2ª edição. Rio de Janeiro. Nova Fronteira. 1986. p. 324.
  3. NAVARRO, E. A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo. Global. 2013. p. 213.