Lupercal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Lupercal
Relevo no altar de Vênus e Marte mostrando a lenda de Fáustulo e o Lupercal.
Tipo Caverna
Construção Século VIII a.C.
Promotor / construtor Desconhecido.
Geografia
País Itália
Cidade Roma
Localidade X Região - Palácio
Coordenadas 41° 53' 17" N 12° 29' 29.04" E
Lupercal está localizado em: Roma
Lupercal
Lupercal

Lupercal era uma caverna localizada no sopé do monte Palatino, em Roma, em algum lugar entre o Templo de Magna Mater e a antiga basílica Sant'Anastasia al Palatino.[1] Seu nome é uma referência ao termo latino "lupa", que significa "loba". Segundo a lenda da fundação de Roma, os irmãos Rômulo e Remo foram encontrados ali sendo amamentados por uma loba pelo pastor Fáustulo. Os lupercais (luperci), sacerdotes de Fauno, celebraram algumas cerimônias do festival da Lupercália na caverna dos primeiros anos da cidade até pelo menos 494.

Descoberta moderna[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 2007, a arqueóloga italiana Irene Iacopi anunciou que a lendária caverna provavelmente havia sido descoberto abaixo dos restos da chamada "Casa de Lívia", no monte Palatino, parte da residência do imperador Augusto. Os arqueólogos encontravam uma cavidade a 15 metros de profundidade enquanto trabalhavam para restaurar a casa.[2][3]

Em 20 de novembro do mesmo ano, a primeira sequência de fotos foi publicada, revelando a abóbada da gruta decorada por ricos mosaicos e conchas. O centro da cúpula apresenta uma representação de uma águia branca, o símbolo do Império Romano. As buscas pela entrada da gruta continuam.[4]

Acredita-se que a localização abaixo da residência de Augusto seja importante, pois Otaviano, antes de se tornar o imperador Augusto, considerou tomar para si o nome de "Rômulo" para indicar seu plano de refundar Roma.[5]

Opiniões divergentes[editar | editar código-fonte]

Adriano La Regina, superintendente arqueológico de Roma entre 1976 e 2004 e professor de etruscologia na Universidade La Sapienza,[6] Fausto Zevi, professor de arqueologia romana na Universidade La Sapienza[7] e Henner von Hesberg, diretor do Instituto Arqueológico Alemão de Roma[8] contestam a identificação da gruta como sendo o Lupercal com base em evidências topográficas e estilísticas e concluíram tratar-se de um ninfeu ou de um triclínio subterrâneo da época de Nero.

O atual consenso acadêmico é que a gruta não é o Lupercal e que a caverna ficava mais para o sudoeste, mais perto de Sant'Anastasia.[9][10]

Referências

  1. Vuković, Krešimir. «The Topography of the Lupercalia». The Papers of the British School at Rome (em inglês). 86: 1–9. doi:10.1017/S0068246217000381 
  2. Valsecchi, Maria Cristina (26 de janeiro de 2007). «Sacred Cave of Rome's Founders Discovered, Archaeologists Say». National Geographic News (em inglês). National Geographic 
  3. «Descubren la cueva donde Rómulo y Remo fueron amamantados por la loba» (em espanhol). 16 de março de 2009 
  4. Jaggard, Victoria (20 de novembro de 2007). «Photo in the News: Grotto of Rome's Founders Revealed». National Geographic News (em inglês). National Geographic 
  5. Suetônio, Vidas dos Doze Césares, Vida de Augusto I.7
  6. Aloisi, Silvia (24 de novembro de 2007). «Expert doubts Lupercale 'find'». The Australian (em inglês) 
  7. Zevi, Fausto (23 de novembro de 2007). «È uno splendido ninfeo, ma il Lupercale non era lì». la Repubblica (em italiano) 
  8. Schulz, Matthia (29 de novembro de 2007). «Is Italy's Spectacular Find Authentic?». Spiegel Online (em inglês) 
  9. Coarelli, Filippo (2012). Palatium (em inglês). Rome: Quasar. pp. 132–9 
  10. Vuković, Krešimir. «The Topography of the Lupercalia». The Papers of the British School at Rome (em inglês). 86: 7–9