Mário Beirão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mário Beirão
Nome completo Mário Pires Gomes Beirão
Nascimento 1 de maio de 1890
Beja, Portugal
Morte fevereiro de 1965 (74 anos)
Lisboa, Portugal
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação Poeta
Prémios Prémio Ricardo Malheiros (1940)
Magnum opus Novas estrelas
Mário Beirão (6103305131).jpg

Mário Pires Gomes Beirão (Beja, 1 de Maio de 1890 - Lisboa, Fevereiro de 1965) foi um poeta português.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Licenciou-se em Direito na Universidade de Lisboa, onde teve como colegas os poetas Florbela Espanca e Américo Durão[1]. Foi um dos colaboradores da revista Águia.

Grande saudosista do seu tempo.

Considerado por Hernâni Cidade como "o maior de todos depois Pascoaes, o grande revelador da alma nostálgica" (Portugal Histórico-Cultural 1973: p. 380).

Apoiante do Estado Novo salazarista, foi o autor do Hino da Mocidade Portuguesa ("Lá vamos, cantando e rindo…") e da Marcha da Mocidade Portuguesa

O seu nome consta da lista de colaboradores da Revista de turismo [2] iniciada em 1916.

Obras[editar | editar código-fonte]

Poesia[editar | editar código-fonte]

O Oiro e Cinza

Referências

  1. Revista COLÓQUIO/Letras n.º 132/133 (Abril-Setembro 1994). A interlocução de Florbela Espanca com a poética de Américo Durão, pág. 102.
  2. Jorge Mangorrinha (16 de janeiro de 2012). «Ficha histórica:Revista de Turismo: publicação quinzenal de turismo, propaganda, viagens, navegação, arte e literatura (1916-1924)» (PDF). Hemeroteca Municipal de Lisboa. Consultado em 13 de Maio de 2015 
Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.