Máxima parcimônia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Translation Latin Alphabet.svg
Este artigo ou seção está a ser traduzido. Ajude e colabore com a tradução.

Parcimônia é um método estatístico não-paramétrico comumente usado em filogenética computacional para estimar filogenias. De acordo com o método da parcimônia, a árvore filogenética preferida é a árvore que requer a menor mudança evolutiva para explicar alguns dados observados[1] . A base teórica deste método é a noção filosófica de William Ockham de que a melhor hipótese para explicar um processo é aquela que requer o menor número de suposições[2] .

Em detalhe[editar | editar código-fonte]

Parcimônia é parte de uma classe de métodos de estimação de árvore baseado em caracteres que usa uma matriz de caracteres filogenéticos discretos para inferir uma ou mais árvores filogenéticas ótimas para um conjunto de táxons, comumente um conjunto de espécies ou populações isoladas-reprodutivamente de uma única espécie. Estes métodos funcionam avaliando árvores filogenéticas candidatas de acordo com um critério de optimalidade explícito; a árvore com a pontuação mais favorável é tida como a melhor estimativa das relações filogenéticas dos táxons incluídos. A máxima parcimônia é usada com a maioria dos tipos de dados filogenéticos; até recentemente, era o único método de estimativa de árvore baseado em caracteres que era amplamente utilizado para dados morfológicos.

A estimativa de Filogenias não é um problema trivial. Um grande número de árvores filogenéticas possíveis existem para qualquer conjunto com um tamanho razoável de táxons; por exemplo, com apenas dez espécies se tem mais de dois milhões de árvores não enraizadas possíveis. Essas possibilidades devem ser pesquisadas ​​para se encontrar uma árvore que melhor se ajuste aos dados de acordo com o critério de optimalidade. No entanto, os próprios dados não levam a uma solução simples, aritmética para o problema. Idealmente, seria de esperar a distribuição de quaisquer caracteres evolutivos, (tais como traços fenotípicos ou alelos) seguindo diretamente o padrão de ramificação da evolução. Assim, podemos dizer que, se dois organismos possuem um caractere comum, eles devem ser mais estreitamente relacionados entre si do que para um terceiro organismo que não tem esse caractere (desde que esse caractere não estava presente no último ancestral comum de todos os três, caso em que seria uma simplesiomorfia).


Referências

  1. Hall, Barry G. (2004). Phylogenetic Trees Made Easy. A How-To manual for Molecular Biologists (em inglês) 2ª ed. (Sunderland, massachusetts: Sinauer). p. 94-95. ISBN 0-87893-312-3. 
  2. Nei, Masatoshi; Kumar, Sudhir (2000). «Phylogenetic Inference:Distance Methods». Molecular Evolution and Phylogenetics (em inglês) (Oxford: Oxford University Press). p. 115. ISBN 0-19-513585-7.  Texto "páginas" ignorado (Ajuda)