Mânio Túlio Longo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mânio Túlio Longo
Cônsul da República Romana
Consulado 500 a.C.

Mânio Túlio Longo (em latim: Manius Tullius Longus; m. 500 a.C.) foi um cônsul da família dos Túlios (em latim: Tullii) em 500 a.C., durante os primeiros anos da República Romana, junto com Sérvio Sulpício Camerino Cornuto.[1]

História[editar | editar código-fonte]

Lívio relata que não ocorreram eventos importantes durante seu mandato, mas Dionísio de Halicarnasso afirma que uma conspiração para restaurar os Tarquínios no poder foi detectada e esmagada por Camerino. Túlio morreu durante o mandato e deixando seu colega sozinho na função.[2][3][4][5][6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul da República Romana
SPQR.svg
Precedido por:
'Póstumo Comínio Aurunco

com Tito Lárcio Flavo

Sérvio Sulpício Camerino Cornuto
500 a.C.

com Mânio Túlio Longo

Sucedido por:
'Tito Ebúcio Elva

com Caio Vetúsio Gêmino Cicurino


Referências

  1. Cicero, (23 de fevereiro de 2006). On Government (em inglês). [S.l.]: Penguin Books Limited. pp. 308–. ISBN 978-0-14-191253-0 
  2. Este artigo contém texto do artigo " Servius Sulpicius Camerinus Cornutus" do Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology (em domínio público), de William Smith (1870).
  3. Lívio, Ab Urbe Condita, ii, 19
  4. Dionísio de Halicarnasso, Antiguidades Romanas, v, 52
  5. João Zonaras, Epitome Historiarum, vii, 13
  6. Cícero, Bruto 16