Manuel Elkin Patarroyo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Manuel Elkin Patarroyo
Nascimento 3 de novembro de 1946 (71 anos)
Cidadania Colômbia
Alma mater Universidade Yale, Universidade Nacional da Colômbia, Universidade Rockefeller
Ocupação médico, patologista, imunologista
Prêmios Prêmio Robert Koch, doutor honoris causa

Manuel Elkin Patarroyo Murillo (Ataco, Tolima, 3 de novembro de 1946) é um médico colombiano mundialmente reconhecido pelo desenvolvimento de uma vacina sintética contra a malária, uma doença transmitida pelo mosquito Anopheles gambiae. Esta vacina, cujos primeiros resultados em humanos foram publicados na revista Nature em 13 de agosto de 1987, mostrou uma eficácia entre 30-60% no ser humano.[1][2] Acredita-se que ela poderia ajudar a evitar a ação destruidora da malária evitando o óbito de um milhão de habitantes em diversos países considerando que 3 milhões de pessoas morrem anualmente devido à malária.[3] Em 1994 ganhou o Prémio Príncipe das Astúrias como reconhecimento de seu estudos sobre a malária. Em 1999 a OMS testou a vacina na Gâmbia, Tanzânia e Tailândia, com resultados parcialmente efetivos. Atualmente coordena o desenvolvimento de uma vacina com uma eficácia maior para a malária.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Patarroyo estudou medicina no Universidade Nacional da Colômbia. Recebeu bolsa de estudo na Universidade de Yale.

Trabalhou no melhoramento da vacina contra a malária no Instituto Nacional de Imunologia do Hospital San Juan de Dios em Bogotá, Colômbia. Devido à falta de verbas governamentais para o hospital passou a desenvolver a vacina em laboratório próprio.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

A vacina desenvolvida por Patarroyo é cercada de algumas controvérsias: apesar seus resultados parciais de eficácia, cientistas norte-americanos concluíram que a vacina não era viável e seu uso deveria ser descontinuado. Patarroyo acusou "arrogância" na orientação desses cientistas porque a vacina foi elaborada num país em desenvolvimento.[1]

Referências

  1. a b «Health: Race for malaria money». BBC News. 26 de julho de 1999. Consultado em 26 de janeiro de 2008. 
  2. Susan Aldridge, Magic Molecules: How Drugs Work (Cambridge University Press, 1998), p. 89
  3. «Vacina contra a malária será eficaz em dois anos». 17 de junho de 2007. Consultado em 9 de janeiro de 2008.