Marcos Faerman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Marcos Faerman
Nascimento 5 de abril de 1943
Rio Pardo, Rio Grande do Sul
Morte 12 de fevereiro de 1999 (55 anos)
São Paulo, São Paulo (estado)
Nacionalidade  Brasil
Ocupação Jornalista, professor e administrador cultural

Marcos Faerman (Rio Pardo, 5 de abril de 1943São Paulo, 12 de fevereiro de 1999) foi um jornalista, professor e administrador cultural brasileiro. Trabalhou em diversos veículos da chamada imprensa alternativa e tornou-se conhecido pela prática do jornalismo literário.

Vida[editar | editar código-fonte]

Faeman nasceu em Rio Pardo, no Rio Grande do Sul. Durante a adolescência escreveu para jornais estudantis e ingressou no Partido Comunista Brasileiro. Trabalhou no jornal Última Hora, em Porto Alegre, de 1961 até 1964, onde publicou o Caderno de Cultura com Luis Fernando Verissimo. Mudou-se para São Paulo, onde escreveu para o Jornal da Tarde entre 1968 e 1992.[1] Foi correspondente do Pasquim na capital paulista e da revista ''Ex-''.Fundou o jornal alternativo Versus, bimestral, em 1975, deixando a publicação em 1978.[2]

Em 1970 rompe com o PCB e entra para o Partido Operário Comunista. Foi detido pela Operação Bandeirante durante a ditadura militar brasileira, mas liberado por intervenção da família Mesquita, proprietária do JT. [3]

Após deixar o jornal Versus, Faerman escreveu para a revista judaica Shalom. Em 1994 dirigiu o Departamento do Patrimônio Histórico de São Paulo, onde publicou a revista Cidade.

Em 1996 tornou-se professor de jornalismo interpretativo na Faculdade Cásper Líbero, onde lecionou até sua morte, em 1999.[4]


Ler também[editar | editar código-fonte]


Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) jornalista é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.