Mariano Ospina Pérez

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Luis Mariano Ospina Pérez
Luis Mariano Ospina Pérez
Presidente da Colômbia
Período 7 de agosto de 1946 - 7 de agosto de 1950
Antecessor Alberto Lleras Camargo
Sucessor Laureano Gómez Castro
Dados pessoais
Nascimento 24 de novembro de 1891
Medellín, Colômbia
Morte 14 de abril de 1976 (84 anos)
Bogotá, Colômbia
Primeira-dama Bertha Hernández de Ospina
Partido Partido Conservador Colombiano
Profissão engenheiro de minas e político

Luis Mariano Ospina Pérez (Medellín, 24 de novembro de 1891Bogotá, 14 de abril de 1976) foi um político e engenheiro civil colombiano. Foi presidente de seu país, entre 1946 e 1950.

Ospina, que estudou engenharia na Escuela de Minas de Medellín e na Louisiana State University.[1]

Candidato presidencial[editar | editar código-fonte]

O partido conservador contava com o candidato Laureano Gómez para se tornar o candidato oficial à presidência da Colômbia. O nome de Ospina foi sugerido nas eleições de 1946 para aproveitar a divisão do opositor Partido Liberal colombiano entre os partidários de Jorge Eliécer Gaitán e os de Gabriel Turbay. Faltando apenas três semanas para a eleição principal, Ospina foi nomeado o candidato oficial do Partido Conservador à presidência da Colômbia. Ospina derrotou seus oponentes liberais com menos de 40% dos votos devido a uma grande abstenção.[2]

A Presidência[editar | editar código-fonte]

Ospina foi empossado como presidente da Colômbia em 1946. Durante seu governo, a Colômbia atingiu o nível mais alto de exportação de café, tanto em número de sacas quanto em porcentagem do produto interno bruto (PIB). Ele estava determinado a fortalecer a infraestrutura do país e criou a Ecopetrol (Companhia Colombiana de Petróleo) e Acerias Paz del Río (a maior siderúrgica do país).[3]  Ele também estava comprometido com a responsabilidade social e, para tanto, criou a instituição financeira La Caja Agraria, a Administração da Previdência Social, o Departamento de Trabalho e a Agência de Crédito Habitacional para ajudar a atender às necessidades de crédito, educacionais e sociais de operários, cafeicultores e outros pequenos agricultores e camponeses.[3]

Durante a sua presidência o país enfrentou uma crescente luta política entre os apoiantes do partido conservador, as forças políticas liberais e a subida do Partido Comunista Colombiano na Boyacá, Nariño, Norte de Santander e no departamento de Santander. Os comunistas e liberais culparam o presidente Laureano Gómez por interferir diretamente na eleição presidencial de 1946, ao desqualificar um milhão e oitocentos votos liberais como inválidos. Ospina foi apelidada pelos comunistas de sucessora de Laureano Gómez com a missão de manter o Partido Conservador no poder.[4]

Durante sua presidência, em 9 de abril de 1948, o líder liberal Jorge Eliécer Gaitán foi assassinado em circunstâncias confusas por Juan Roa. Gaitán estava concorrendo à presidência da Colômbia pela segunda vez; desta vez, ele venceu as primárias de seu partido e teve grande apoio das massas.[5] A confusão e a raiva desencadeadas pelo assassinato de Gaitán provocaram os enormes distúrbios de Bogotazo que se espalharam por toda a capital colombiana, Bogotá, e se estenderam posteriormente ao resto do país para gerar um período de dez anos de violência conhecido como La Violencia. As forças governamentais apoiadas pelo Partido Conservador iniciaram uma campanha de repressão contra os Liberais após uma tentativa fracassada de estabelecer um governo de unidade nacional. Ospina foi duramente criticado pelos liberais, especialmente no Congresso Nacional, onde em 1948 tentaram impeachment, mas Ospina fechou o Congresso antes que eles conseguissem isso; Seguiu-se uma década de ditadura civil-militar que durou até 1958, quando foi criada a Frente Nacional.

Ospina criou a Companhia Colombiana de Petróleo ECOPETROL (Empresa Colombiana de Petroleos), a Companhia de Telecomunicações TELECOM, a Administração da Previdência Social ISS ( Instituto de Seguro Social ), o oleoduto de Barrancabermeja e Puerto Berrío , as hidrelétricas de Sisga, Saldaña e Neusa, e estabeleceu o Plano de Desenvolvimento Econômico da Colômbia sob a direção da Missão Econômica do Professor Lauchlin Currie. Ele também fomentou, financiou e aumentou a produção e as exportações de café.[6]

A Federação Nacional de Cafeicultores da Colômbia[editar | editar código-fonte]

Em 1954, durante a eleição dos membros do conselho de administração (da Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia), Ospina, que havia servido como presidente da República de 1946 a 1950, foi eleito e empossado presidente do conselho do diretores. Seu retorno à federação marcou o reaparecimento de um dos maiores nomes do café da Colômbia em um papel ativo no setor cafeeiro da Colômbia.[7]

Ospina, neto de Mariano Ospina Rodríguez, não só foi um dos fundadores da Federação Nacional dos Cafeicultores da Colômbia, mas posteriormente foi eleito Diretor Geral da Federação do Café, tendo exercido essa função de 1930 a 1934. Seu principal objetivo era ajudar, financiar e educar os cafeicultores ao mesmo tempo em que implementava um programa agressivo para penetrar no mercado mundial e obter com sucesso uma parte substancial dele.[8]

Sob a direção de Ospina, a Federação Nacional dos Produtores de Café da Colômbia consolidou com sucesso a indústria cafeeira do país e a promoveu com grande eficácia nos mercados mundiais. A Colômbia se tornou o maior produtor do café Coffea arabica de primeira qualidade do mundo.[9] Ele lançou uma base corporativa muito sólida e hoje a Federação Colombiana do Café organiza e apóia mais de 500 000 cafeicultores independentes e pequenos agricultores.

Pós-presidência[editar | editar código-fonte]

Em 1949, em meio a contínuas lutas civis, Laureano Gómez foi eleito presidente da Colômbia. Uma divisão desenvolvida no partido conservador; Ospina apoiou uma ala moderada, enquanto Gómez apoiou políticas conservadoras radicais. Ospina acabou apoiando o golpe de Estado contra Gómez, que estabeleceu a administração militar de Gustavo Rojas, o ex-ministro dos Correios e Telégrafos de Ospina.[10][11]

Mais tarde, Ospina teve divergências políticas com Rojas e retirou seu apoio, optando por encorajar a criação da Frente Nacional.

Ele morreu em Bogotá, Cundinamarca , em 14 de abril de 1976, aos 84 anos.

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Safford, Frank R .; O Ideal do Prático ; University of Texas Press; Página 238, ISBN 0-292-73803-X
  2. Arismendi Posada, Ignacio; Gobernantes Colombianos; trans. Colombian Presidents; Interprint Editors Ltd.; Italgraf; Segunda Edición; Page 209; Bogotá, Colombia; 1983
  3. a b Arismendi Posada, Ignacio; Gobernantes Colombianos, trans. Colombian Presidents; Interprint Editors Ltd., Italgraf, Segunda Edición; Page 210; Bogotá, Colombia; 1983
  4. The PPCC and the fight for the peasants rights and resistance to violence Archived 2007-09-28 at the Wayback Machine Colombian Communist Party
  5. Arismendi Posada, Ignacio; Gobernantes Colombianos, trans. Colombian Presidents; Interprint Editors Ltd., Italgraf, Segunda Edición; Page 211; Bogotá, Colombia; 1983
  6. Ocampo López, Javier; Historia Ilustrada de Colombia, trans. Illustrated History of Colombia; Plaza & Janes Editores Colombia S.A.; Primera Edición; Page 177; Bogotá, Colombia; September, 2006; ISBN 958-14-0370-1
  7. Uribe C., Andrés; Brown Gold, The Amazing Story of Coffee; Random House, Inc.; Pg 113; NY, NY,; 1954, Library of Congress Catalog Card Number 55-5793
  8. Federación Nacional de Cafeteros de Colombia; El Café en el Desarrollo de Antioquia; trans. Coffee in the development of Antioquia; Editorial Colina; January, 2000; Page 99; ISBN 958-33-1279-7
  9. Pizano, Diego; El Café en la Ecrucijada, Evolución y Perspectivas; Editorial Alfaomega; Bogotá; August 2001, Page 31, ISBN 958-682-192-7
  10. Lozano, Miguel Angel; Mariano Ospina Pérez , Un Hombre de Acción y de Principios, trans. Mariano Ospina Pérez, a man of action and principles; Universidad Nacional; Fundación de Estudios Históricos, Misión Colombia; Editorial El Globo, S.A.; Page 151; Bogotá, Colombia; 1991
  11. Ocampo Marín , Héctor; Mariano Ospina Pérez, El Presidente, trans. Mariano Ospina Pérez, the Presidente; Cámara de Comercio de Medellín para Antioquia; Imprenta Universidad de Antioquia; Page 146; Medellín, Colombia; June 2001, ISBN 958-9221-40-8


Precedido por
Alberto Lleras Camargo
Presidente da República da Colômbia
1946 – 1950
Sucedido por
Laureano Gómez Castro