Matias Beck

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Matias Beck (Países Baixos, 16?? - Curaçao, 1668) foi um militar e administrador colonial neerlandês. Serviu a Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais no século XVII.

No ano de 1635, o jovem Matias deixou Amsterdã, a bordo do navio ‘t Land van Belofte (Terra Prometida), com o destino ao Brasil, onde chegou em 1636. Chegou a residir em Itamaracá, onde possuiu plantações de mandioca. Ativo na vida política, militar e religiosa holandesa no Brasil, chegou a ser membro do Conselho Municipal e da Câmara dos Escabinos. Como militar, chegou a atuar em batalhas contra os portugueses no Rio Grande do Norte e na Paraíba. Como membro da Igreja Protestante Reformada, chegou a ser presbítero.[1][2]

As Minas de Prata de Itarema[editar | editar código-fonte]

No contexto da segunda das invasões holandesas do Brasil, os neerlandeses já tinham perdido muitos dos seus assentamentos em batalhas com os portugueses, desde agosto de 1645. A situação destes piorou com o passar dos anos e com as derrotas nas batalhas dos Guararapes, em 1648 e 1649. Em meio a todo este cenário a Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais estava decidida a levar adiante o plano para descoberta de minério no interior da terra brazillis, já cartografada pelo ex-governador da Paraíba, Herckmans, e outros exploradores como Astetten e Schout Hoeck.

Como primeira opção para esta empreitada foi escolhido Gisbert de With, no início de 1649. Em 1º de março de 1649, Matias Beck foi escolhido para a expedição ao Ceará, com a desistência do chefe do Conselho de Justiça no Brasil Neerlandês.[3]

Saindo do Recife em 20 de março de 1649, com uma frota de cinco embarcações, Matias Beck atracou no Mucuripe em 3 de abril do mesmo ano. Durante a viagem aconteceram paradas na Paraíba e no Rio Grande do Norte, por razões estratégicas e técnicas. Em 1º de abril, estes passaram o rio Jaguaribe e no dia seguinte a frota alcançou a ponta do Iguape, onde ancoraram. Três das embarcações procederam a um conhecimento do local. Ao amanhecer de 3 de abril a frota partiu para o Mucuripe, o qual foi alcançado ao meio-dia do mesmo.

A frota da expedição era composta das seguintes embarcações: Geele Sonne, Synegael, Vlissinge, Capodello e uma chalupa. No Geele Sonne, embarcou Matias Beck e na Vlissinge embarcaram os índios cearenses.

Depois de contatos e negociações, via os índios vindo do Recife, com os índigenas locais, Matias Beck marchou com sua tropa para o monte Marajaitiba em 6 de abril. No dia 7, foi construída uma ponte sobre o riacho Marajaitiba, para assim alcançar a margem esquerda do mesmo. Em 10 de abril, foram iniciadas as obras de construção do quartel para abrigar a tropa, munições e mantimentos, o Forte Schoonenborch, o embrião da atual cidade de Fortaleza.[4]

No Ceará, agilizaram-se a busca e a exploração das minas de prata sugeridas por Martim Soares Moreno, as quais não foram confirmadas. Expandiram-se as plantações de mandioca e milho entre as terras da serra da Aratanha e da serra de Maranguape, as quais tinham sido citadas pelo Guerreiro Branco. Matias Beck foi diplomático com os índigenas, tanto que conseguiu uma trégua nos conflitos entre as etnias Tupi e Tapuia.[4]

Além disso, exerceu as funções de administrador neerlandês do Ceará até 1º de maio de 1654, quando aceitou a capitulação neerlandesa aos portugueses assinada no Campo do Taborda, no Recife, o Tratado de Taborda, trazida por Álvaro de Azevedo Barreto.

Em 20 de junho, Matias Beck e sua comitiva foram os últimos neerlandeses a deixar o solo brasileiro,[5] tendo como destino à Ilha de Barbados. Em 1655, chegou a Curaçao, onde viria a tornar-se governador, entre 1659 e 1668,.[6][7]

Em Curaçao, enquanto governador, Beck concedeu alguns privilégios aos judeus ali estabelecidos, entre os quais o direito de possuir cavalos, terras e a autorização para a aquisição de escravos para as plantações.[8]

Notas

  1. http://www.lateinamerika.uni-koeln.de/fileadmin/bilder/arbeitspapiere/krommen.pdf
  2. http://www.cerescaico.ufrn.br/mneme/anais/st_trab_pdf/pdf_8/lucia_st8.pdf
  3. Hulsman, L; WITH, Gisbert de en PAES Anna. De geschiedenis van het huwelijk van een Dordtenaar en een Braziliaanse in de zeventiende eeuw in. Oud Dordrecht 23 2005, p. 42
  4. a b http://www.institutodoceara.org.br/Rev-apresentacao/RevPorAno/1903/1903-DiarioMathiasBeck.pdf
  5. Hulsman, L; WITH, Gisbert de en PAES Anna. De geschiedenis van het huwelijk van een Dordtenaar en een Braziliaanse in de zeventiende eeuw in. Oud Dordrecht 23 2005, p. 44
  6. http://www.institutodoceara.org.br/Rev-apresentacao/RevPorAno/1903/1903-MartinSoaresMorenoFundadordoCeara.pdf
  7. Girão, Raimundo. A cidade de Pajeú. Editora Henriqueta Galeno. Fortaleza, 1982.
  8. CORCOS. Joseph. Sinopse da História dos Judeus de Curaçao.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • GIRÃO, Raimundo. Matias Beck Fundador de Fortaleza. Fortaleza, Imprensa Oficial do Ceará, 1961. 167 p.
  • KROMMEN, Rita. Mathias Beck e a Cia. das Índias Ocidentais. Fortaleza: UFC, 1994. 300p.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.