Megaigreja

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Uma megaigreja é uma grande igreja cristã evangélica que conta com pelo menos 2 mil participantes numa típica semana de serviço.[1][2]

Definição[editar | editar código-fonte]

São igrejas cristãs, correntes protestantes, geralmente evangélicas, com uma assistência semanal de mais de 2.000 pessoas. [3] [4][5] Eles geralmente oferecem serviços adicionais, como bibliotecas, creches, academias ou lanchonetes.[6] Se algumas igrejas católicas excedem 2000 pessoas no domingo, elas não são geralmente consideradas 'megaigrejas' por causa da natureza protestante da definição.[7]

História[editar | editar código-fonte]

Embora tenham havido grandes igrejas ao longo da História (por exemplo, o Tabernáculo Metropolitano de Charles Spurgeon em Londres que atraía em média 5.000 pessoas semanalmente), a difusão do movimento de megaigrejas[8], com um grande número de congregantes que retornam frequentemente, começou na década de 1950.[9][10] Um estudo do Hartford Institute for Religion Research publicado em 2020 descobriu que 70% das megaigrejas americanas tinham uma rede multisite e uma média de 7,6 serviços por fim de semana. [11]

Números[editar | editar código-fonte]

Culto em Faith Tabernacle, afiliada com a Living Faith Church Worldwide, em Lagos, Nigéria, 2005
Mostra sobre a vida de Jesus em Igreja da Cidade, afiliada com a Convenção Batista Brasileira, São José dos Campos, Brasil, 2017

A Rede de Liderança contém um diretório de todas as megaigrejas evangélicas do mundo (exceto Canadá e EUA), em seu site.[12] Essa lista mundial tem mais de 270. O Hartford Institute tem os diretórios do Canadá e dos EUA. A lista americana tem mais de 1.668 megaigrejas e a lista canadense tem 22.[13][14]

Gigachurch[editar | editar código-fonte]

Em algumas dessas megaigrejas, mais de 10.000 pessoas se reúnem ao mesmo tempo. Estamos falando de Gigachurch.[15] O maior auditório da igreja, Glory Dome, foi inaugurado em 2018 com 100.000 lugares, em Abuja, Nigéria. [16]

Envolvimento Social[editar | editar código-fonte]

As megaigrejas e a organização não-governamental que apoiam têm um lugar importante no trabalho de ajuda humanitária local e internacional. [17]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Em 2005, o pastor batista Al Sharpton criticou as megaigrejas por se concentrarem na "moral do quarto", declarações contra o casamento entre pessoas do mesmo sexo e o aborto, por ignorar questões de justiça social, como a imoralidade da guerra e a erosão da ação afirmativa. [18]

Em 2018, o professor norte-americano Scot McKnight, do Northern Baptist Theological Seminary, criticou as megaigrejas evangélicas pela fraca relação de responsabilidade externa de seus líderes, por não serem membros da denominação cristã, expondo-os ainda mais ao abuso de poder. [19] No entanto, um estudo do Hartford Institute for Religion Research publicado em 2020 descobriu que 60% das megaigrejas americanas eram membros de uma denominação cristã.[20]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Sims, Amy. «Religion Gets Supersized at Megachurches». Consultado em 5 de novembro de 2006. Arquivado do original em 18 de outubro de 2006 
  2. Biard, Julia. «The good and bad of religion-lite». Consultado em 5 de novembro de 2006 
  3. Bryan S. Turner, The New Blackwell Companion to the Sociology of Religion, John Wiley & Sons, USA, 2010, p. 251
  4. Anne C. Loveland, Otis B. Wheeler, From Meetinghouse to Megachurch: A Material and Cultural History, University of Missouri Press, USA, 2003, p. 3
  5. «O come all ye faithful». Special Report on Religion and Public Life. The Economist. 3 de novembro de 2007. p. 6. Consultado em 5 de novembro de 2007 
  6. George Thomas Kurian, Mark A. Lamport, Encyclopedia of Christianity in the United States, Volume 5, Rowman & Littlefield, USA, 2016, p. 1477
  7. Hartford Institute, Megachurch Definition, USA, acessado em 18 de junho de 2018
  8. Stephen J. Hunt, Handbook of Megachurches, Brill, Netherlands, 2019, p. 50
  9. Anne C. Loveland, Otis B. Wheeler, From Meetinghouse to Megachurch: A Material and Cultural History, University of Missouri Press, USA, 2003, p. 35
  10. Hartford Institute, Exploring the Megachurch Phenomena: Their characteristics and cultural context, USA, acessado em 18 de junho de 2018
  11. Maria Baer, US Megachurches Are Getting Bigger and Thinking Smaller, christianitytoday.com, USA, 19 de novembro de 2020
  12. Warren Bird, World Megachurches, leadnet.org, USA, acessado em 12 de fevereiro de 2021
  13. Hartford Institute, Database of Megachurches in the U.S., hartfordinstitute.org, USA, acessado em 12 de fevereiro de 2021
  14. Hartford Institute, Megachurches of Canada, hartfordinstitute.org, USA, acessado em 12 de fevereiro de 2021
  15. Sam Hey, Megachurches: Origins, Ministry, and Prospects, Wipf and Stock Publishers, USA, 2013, p. 265
  16. Taylor Berglund, World's Largest Church Auditorium Dedicated in Nigeria, charismanews.com, USA, 7 de dezembro de 2018
  17. Sébastien Fath, Dieu XXL, la révolution des mégachurches, Édition Autrement, França, 2008, p. 42, 116
  18. Associated Press, Megachurches have wrong focus, black leaders say, chron.com, USA, 2 juillet 2006
  19. James Wellman Jr., Katie Corcoran, Kate Stockly, Éloi Ficquet, High on God: How Megachurches Won the Heart of America, Oxford University Press, UK, 2020, p. 212
  20. Warren Bird, Scott Thumma, Megachurch 2020 : The Changing Reality in America’s Largest Churches, hirr.hartsem.edu, USA, 2020

Ligações externas[editar | editar código-fonte]