Mesa da Unidade Democrática

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Mesa da Unidade Democrática
Mesa de la Unidad Democrática
Logo de la Unidad.jpg
Fundação 23 de janeiro de 2008 (14 anos)
Ideologia Anti-chavismo
Espectro político Centro a Centro-esquerda
Facções internas Democracia cristã
Social-democracia
Liberalismo social
Progressismo
Liberalismo econômico
País  Venezuela
Assembleia Nacional da Venezuela
0 / 277
Parlamento do Mercosul
8 / 32
Governadores
3 / 23
Prefeitos
0 / 337

A Mesa da Unidade Democrática, mais conhecida pelo acrônimo MUD, é uma coalizão de partidos políticos venezuelana fundada a nível nacional em 2008 e que agrupa os movimentos sociais opositores ao chavismo, corrente política hegemônica no cenário político do país desde a vitória de Hugo Chávez na eleição de 1998[1] e que é atualmente liderada pelo presidente em exercício Nicolás Maduro após sua vitória na eleição de 2013[2] e posterior reeleição na eleição de 2018[3].

Histórico[editar | editar código-fonte]

A coligação foi formalmente estabelecida em 23 de janeiro de 2008 em Caracas, através de um documento chamado Acordo de Unidade Nacional, vindo a ser reestruturada em 8 de junho de 2009 com a entrada de novos partidos políticos. Do ponto de vista prático, entretanto, este agrupamento de forças políticas já existia de modo informal desde meados de 2006.[4][5]

Eleição legislativa de 2015[editar | editar código-fonte]

A coalizão conseguiu maioria qualificada de na Assembleia Nacional da Venezuela com os resultados da eleição legislativa venezuelana de 2015, tendo conquistado 112 das 167 cadeiras do parlamento unicameral.[6] Porém, os poderes políticos da Assembleia dominada pela oposição foram sendo esvaziados progressivamente pelo Tribunal Supremo de Justiça, principal corte judiciária do país, até ser fechada pelo governo de Nicolás Maduro para a instauração da Assembleia Nacional Constituinte da Venezuela, espécie de Poder Legislativo paralelo, fortemente governista, onde a coalizão não possui qualquer representatividade política.

Referências

  1. Bom Dia Brasil - Vitória de Hugo Chávez na Venezuela (07/12/1998), consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  2. G1, Do; Paulo, em São (15 de abril de 2013). «Herdeiro de Chávez, Maduro é eleito na Venezuela; rival não reconhece». Morte de Hugo Chávez. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  3. «Maduro vence eleição na Venezuela marcada por denúncias de fraude, boicote da oposição e alta abstenção». G1. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 
  4. «Perfil Manuel Rosales, candidato de la Unidad Nacional». Globovision. 30 de outubro de 2006. Consultado em 23 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 29 de setembro de 2013  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  5. «Partidos de oposición conforman Mesa de la Unidad Democrática». www.noticiasve.com. Noticias VE. 8 de junho de 2009. Consultado em 23 de janeiro de 2019. Arquivado do original em 24 de março de 2010  |wayb= e |arquivodata= redundantes (ajuda); |wayb= e |arquivourl= redundantes (ajuda)
  6. AFP, Da (8 de dezembro de 2015). «Oposição venezuelana consegue maioria de dois terços no Parlamento». Mundo. Consultado em 28 de fevereiro de 2022 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um(a) cientista político(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.