Michael Ventris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Michael Ventris
Nome nativo Michael George Francis Ventris
Nascimento 12 de julho de 1922
Wheathampstead
Morte 6 de setembro de 1956 (34 anos)
Londres
Cidadania Reino Unido
Ocupação linguista, arquiteto, historiador, arqueólogo, erudito clássico
Causa da morte acidente rodoviário

Michael George Francis Ventris (Wheathampstead, Hertfordshire, Inglaterra, 12 de julho de 1922 - Hatfield, Hertfordshire, Inglaterra, 6 de setembro de 1956) foi um arquitecto inglês interessado em línguas antigas que, juntamente com John Chadwick, foi responsável pela decifração da escrita Linear B. Ventris foi educado na Suíça e pertenceu à FAR (Força Aérea Real).

No início do século XX, o arqueólogo Sir Arthur Evans iniciou a escavação de Cnossos, um antigo assentamento na ilha de Creta. Aí, descobriu várias tabuinhas de argila contendo três escritas que ele apelidou de "lineares". A designação manteve-se para duas delas, hoje conhecidas por Linear A e Linear B, e a terceira ficou conhecida como pictográfica ou hieroglífica cretense. Evans passou muito tempo a tentar decifrar ambas as escritas, mas sem sucesso.

Parte da dificuldade derivou do próprio Evans - ele estava convencido que a Linear B era uma língua por ele chamada de minoica, não admitindo a possibilidade de ser uma língua helênica. Antes de decifrar o texto, Ventris manteve contato com vários outros pesquisadores, entre eles a doutora estadunidense Alice Kober, responsável pela classificação de alguns caracteres da Linear B. Após o processo de decifração, ficou claro que a língua subjacente era, na verdade, o grego. Isto levou a um grande progresso no conhecimento da Creta da Idade do Bronze: após o colapso da Civilização Minoica, a ilha fora ocupada por invasores micênicos.

Ventris faleceu em um acidente de automóvel.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.