Min Aung Hlaing

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Min Aung Hlaing
Min Aung em Abril de 2021
Presidente do Conselho Administrativo de Estado
Período 2 de fevereiro de 2021
até a atualidade
Presidente Myint Swe
Antecessor(a) Cargo Criado
Dados pessoais
Nascimento 3 de julho de 1956 (65 anos)
Dawei, União da Birmânia (atual Myanmar)
Profissão Oficial
Serviço militar
Lealdade Tatmadaw
Anos de serviço 1974 até a atualidade
Graduação Senior General.gif General
Comandos Comandante-chefe das Forças Armadas

Min Aung Hlaing (birmanês: မင်းအောင်လှိုင်; Dawei, União de Birmânia, 3 de julho de 1956) é um general do exército birmanês. Atual comandante em chefe das Forças Armadas de Mianmar, assumiu o posto em 30 de março de 2011. Ele também é membro do Conselho de Defesa e Segurança Nacional presidido pelo presidente de Mianmar.[1] Ele tomou poder depois de derrubar o governo eleito do país em um golpe de Estado em 2021.[2][3]

Anteriormente, ele foi chefe do Estado-Maior Conjunto do Ministério da Defesa de Mianmar e foi promovido a General de quatro estrelas no início de 2011 e a General de cinco estrelas em março de 2013. Em 5 de novembro de 2020, o Tatmadaw (nome oficial das Forças Armadas de Mianmar) declarou a patente de general sênior de Min Aung Hlaing equivalente ao cargo de vice-presidente de Mianmar.[4]

Entre algumas controvérsias, ele foi alvo de sanções em 2019 por parte do governo dos Estados Unidos devido à perseguição aos muçulmanos ruainga.[2]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Violações de direitos humanos[editar | editar código-fonte]

Min Aung Hlaing pode estar envolvido com violações dos direitos humanos como genocídio, crimes contra a humanidade e crimes de guerra.[5] Em particular, ele foi acusado de limpeza étnica contra o povo ruainga[6] quando o Alto-comissariado das Nações Unidas para os Refugiados relatou que os soldados de Min Aung Hlaing alvejaram deliberadamente civis nos estados do norte de Mianmar e praticaram "discriminação sistêmica" e violações dos direitos humanos contra comunidades minoritárias em Rakhine.[7]

O Facebook baniu a conta que Min Aung Hlaing mantinha em sua plataforma, juntamente com 19 outros altos funcionários e organizações birmanesas, para evitar novas tensões étnicas e religiosas em Mianmar. Essa ação ocorreu após a divulgação de um relatório da ONU no qual certos líderes militares em Mianmar seriam investigados e processados por genocídio por causa da repressão aos muçulmanos ruainga.[8][9] Mais tarde, o Twitter o baniu em 16 de maio de 2019.[10]

Em julho de 2019, o governo dos Estados Unidos o proibiu de viajar para os Estados Unidos[11] e, em dezembro de 2020, congelou os ativos de Min Aung Hlaing em território estadunidense, criminalizando as transações financeiras entre ele e qualquer pessoa nos Estados Unidos.[11][12]

Corrupção[editar | editar código-fonte]

Min Aung Hlaing tem gerado controvérsias significativas em seu país por conta de potencial conflito de interesses comerciais envolvendo sua família e a si mesmo.

O general é o principal acionista da empresa militar Myanmar Economic Holdings Limited. Durante o ano fiscal de 2010-11, ele detinha 5.000 ações e recebeu um pagamento anual de dividendos de US$ 250.000.[13] Ele faz parte do Patron Group da MEHL, que administra o conglomerado.[14]

Já seu filho Aung Pyae Sone é dono de uma série de empresas privadas, incluindo a Sky One Construction Company e a Aung Myint Mo Min Insurance Company,[15] e também tem participação majoritária na Mytel, uma operadora nacional de telecomunicações.[15] Em 2013, o mesmo Aung Pyae Sone ganhou uma licença sem licitação do governo, bem abaixo das taxas de mercado, para arrendar terras por 30 anos no Parque do Povo de Yangon para um restaurante e galeria de arte sofisticados, após a promoção de seu pai a Comandante em Chefe.[16] Aung Pyae Sone também dirige a A&M Mahar, que oferece aprovações e serviços de liberação alfandegária da Food and Drug Administration para medicamentos e dispositivos médicos. O departamento alfandegário de Mianmar é liderado por Kyaw Htin, um ex-diretor do MEHL.[17]

Sua filha Khin Thiri Thet Mon fundou um grande estúdio cinematográfico, a 7th Sense Film Production, em 2017.[18] Nesse mesmo ano, sua nora, Myo Radana Htaik, fundou outra empresa de entretenimento, a Stellar Seven Entertainment.[18] A embaixada dos Estados Unidos em Yangon foi examinada em dezembro de 2020, por colaborar com a 7th Sense Creation, porque Min Aung Hlaing está tecnicamente sujeita às sanções econômicas dos EUA.[19]

Referências

  1. «Constitution of the Republic of the Union of Myanmar (2008)» (PDF). Burma Library. Consultado em 3 de julho de 2019 
  2. a b «Quem é Min Aung Hlaing, o chefe dos militares que tomaram o poder na Birmânia». o Público. 1 de fevereiro de 2021. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  3. Foundation, Thomson Reuters. «Myanmar military seizes power, detains elected leader Aung San Suu Kyi». news.trust.org. Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  4. «ဗိုလ်ချုပ်မှူးကြီးမင်းအောင်လှိုင်သည် ဒုတိယသမ္မတအဆင့်ရှိသူဟု တပ်မတော်ထုတ်ပြန်». The Myanmar Times (em birmanês). 5 de novembro de 2020 
  5. «Burma's Military Milestone». Human Rights Watch. 30 de março de 2015. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  6. Farmaner, Mark (13 de setembro de 2017). «Only One Person Can Stop Ethnic Cleansing In Myanmar, And It Isn't Aung San Suu Kyi». Huffington Post 
  7. Section, United Nations News Service (20 de junho de 2016). «UN News – Myanmar must address 'serious' human rights violations against minorities – UN rights chief». UN News Service Section (em inglês). Consultado em 8 de outubro de 2017 
  8. «Facebook bans Myanmar army chief over rights abuses». The Times of India. 27 de agosto de 2018. Consultado em 27 de agosto de 2018 [ligação inativa]
  9. «Facebook bans Myanmar Army Chief Min Aung Hlaing, 19 others over rights abuses». News Nation. 27 de agosto de 2018. Consultado em 27 de agosto de 2018 
  10. https://www.theguardian.com/world/2019/may/16/myanmar-army-chiefs-twitter-account-suspended-over-anti-rohingya-hate-speech
  11. a b «US Tightens Sanctions on Myanmar Army Chief». Voice of America (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  12. «Treasury Sanctions Individuals for Roles in Atrocities and Other Abuses». U.S. Department of the Treasury. Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  13. «Leaked documents reveal global business links to Myanmar military crimes». Amnesty International (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  14. «Systemic Conflict of Interest in Myanmar Military Allows for Serious Corruption». Justice For Myanmar. 17 de junho de 2020. Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  15. a b «တပ်ချုပ်သားပိုင်ကုမ္ပဏီများကို အရေးယူရန် ကုလအချက်အလက်ရှာဖွေရေးအဖွဲ့ တောင်းဆို». Myanmar NOW (em birmanês). Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  16. «Military Chief's Son Paid 'Very Low' Rent for His Upscale Restaurant on Government-Owned Land». Myanmar NOW (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  17. «Dirty Secrets #2: Sr. Gen. Min Aung Hlaing's family profiting off of FDA and Customs clearances». Justice For Myanmar. Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  18. a b «Military Chief's Family Members Spend Big on Blockbuster Movies, Beauty Pageants». Myanmar NOW (em inglês). Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  19. «US Embassy Under Fire for Working With Firm Owned by Sanctioned Military Chief's Daughter». The Irrawaddy (em inglês). 15 de dezembro de 2020. Consultado em 11 de janeiro de 2021