Misha Glenny

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Misha Glenny, na FLIP (30 de junho de 2016)

Misha Glenny (nascido em 25 de abril de 1958) é um jornalista britânico, especializado em sudeste da Europa, crime organizado global e segurança cibernética.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Glenny é filho de Juliet Mary Crum e Michael Glenny, pesquisador em estudos russos .[1] Glenny descreveu a sua ascendência como "três quartos anglo-celta e um quarto judia".[2]

Estudou no Magdalen College School em Oxford, e na Universidade de Bristol e na Universidade Carolina em Praga antes de se tornar correspondente na Europa Central para o jornal The Guardian e, mais tarde, para a BBC. Especializou-se na elaboração de relatórios sobre a guerra na ex-Iugoslávia, no início da década de 1990 que se seguiram à dissolução do país. Em 1993, durante sua estada na BBC, Glenny ganhou o Sony Gold Award por sua "extraordinária contribuição para a radiodifusão". Ele publicou três livros sobre a Europa Oriental e Central.[carece de fontes?]

Em McMafia (2008), ele escreveu que o crime organizado internacional pode ser responsável por 15% do PIB.[3] Glenny aconselhou os EUA e alguns governos europeus sobre questões de política e por três anos fez uma ONG para ajudar na reconstrução da Sérvia, Antiga República Iugoslava da Macedônia e do Kosovo. Glenny apareceu no documentário de 2011, Raw Opium: Pain, Pleasure, Profits.[4]

Desde janeiro de 2012, Glenny tem sido professor visitante no Harriman Institute da Universidade de Columbia,[5] onde ministra um curso sobre "crime em transição". Em uma entrevista em outubro de 2011, ele também falou sobre seu novo livro, DarkMarket; tratando de crimes cibernéticos com Simon Baron-Cohen, em Cambridge; o ataque Stuxnet que resultou em atenção "mais séria" dos governos; e outros atentados cibernéticos.[6] Em 2016, publicou O Dono do Morro: Um homem e a batalha pelo Rio, um livro-reportagem sobre o traficante Antonio Francisco Bonfim Lopes, conhecido como Nem da Rocinha.[7]

Glenny é produtor executivo da série dramática da BBC One McMafia, inspirada pelo seu livro de não-ficção de mesmo nome (2008).[8]

Vida pessoal[editar | editar código-fonte]

Glenny é ca

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • The Rebirth Of History: Eastern Europe in the Age of Democracy (1991)
  • The Fall of Yugoslavia: The Third Balkan War (1992)
  • The Balkans: Nationalism, War and the Great Powers, 1804–1999 (1999)
  • McMafia: A Journey Through the Global Criminal Underworld (2008)
  • DarkMarket: Cyberthieves, Cybercops and You (2011)
  • Nemesis: One Man and the Battle for Rio (2015)

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Misha Glenny "My family values" Arquivado em 2 de dezembro de 2016[Erro data trocada] no Wayback Machine.[Erro data trocada] no Wayback Machine. , The Guardian, 28 February 2009; retrieved 14 April 2015.
  2. «McMafia- BBC's latest thriller» 
  3. McMafia: Crime Without Frontiers, Arquivado em 20 de dezembro de 2009, no Wayback Machine. The Bodley Head, London, 2008 Arquivado em 20 de dezembro de 2009[Erro data trocada] no Wayback Machine.[Erro data trocada] no Wayback Machine. ; retrieved 14 April 2015.
  4. Raw Opium webpage Arquivado em 6 de outubro de 2011[Erro data trocada] no Wayback Machine.[Erro data trocada] no Wayback Machine. , Kensington Communications website; retrieved 14 April 2015.
  5. Speaker bio: Misha Glenny Arquivado em 5 de novembro de 2012[Erro data trocada] no Wayback Machine.[Erro data trocada] no Wayback Machine. , Govcert.nl; retrieved 14 April 2015.
  6. "Misha Glenny on his book 'DarkMarket:..." Arquivado em 28 de outubro de 2011[Erro data trocada] no Wayback Machine.[Erro data trocada] no Wayback Machine. (20 m.), Charlie Rose interview, 26 October 2011. Video available; no transcript; details from viewing; retrieved 14 April 2015.
  7. Alessi, Gil (28 de dezembro de 2016). «Subiu o morro como Antônio, desceu como Nem da Rocinha». EL PAÍS 
  8. «MIPTV: 'Drive' Writer and 'McMafia' Author on Teaming Up for BBC/AMC Series»