Movimento Democrático de Moçambique

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Movimento Democrático de Moçambique
(MDM)
Presidente Lutero Simango
Secretário Leonor Elisa Lopes de Sousa
Fundação 6 de março de 2009 (13 anos)
Ideologia Capitalismo democrático,
Democracia cristã[1]
Afiliação internacional Internacional Democrata Centrista
Assembleia da República de Moçambique
17 / 250
Espectro político Centro-direita
Ala jovem Liga Jovem do Movimento Democrático de Moçambique
Cores Verde, azul e amarelo
Página oficial
http://mdm.org.mz/

O Movimento Democrático de Moçambique (MDM) é um partido político de Moçambique, criado a partir de uma dissidência da Resistência Nacional Moçambicana. É a terceira maior força política do país.[carece de fontes?]

Fundado em 7 de março de 2009, foi liderado por Daviz Simango, edil da Beira, até à sua morte em 22 de Fevereiro de 2021.[2] Foi sucedido no cargo pelo seu irmão mais velho, Lutero Simango, eleito no 3º Congresso do partido que terminou em 5 de Dezembro de 2021.[3]

Eleições gerais de 2009[editar | editar código-fonte]

Na eleição parlamentar de Moçambique, realizada em 28 de outubro de 2009, o Movimento Democrático de Moçambique não foi autorizado a participar pela Comissão Nacional de Eleições em nove dos 13 círculos eleitorais de voto, alegadamente por razões processuais controversas.[4] O MDM garantiu 3,93% do total dos votos e oito cadeiras entre 250 na Assembleia da República.[5] Daviz Simango foi o candidato do MDM na eleição presidencial realizada no mesmo dia,[6] ficando em terceiro lugar com 8,59% do total dos votos.[5]

Eleições autárquicas de 2013[editar | editar código-fonte]

Nestas eleições o MDM cresceu consideravelmente, conquistando quatro municípios, três dos quais (Beira, Quelimane e Nampula) em importantes capitais provinciais. Ganhou também o município de Gurué onde, por ordem de CNE, as eleições foram repetidas devido à ocorrência de fraudes comprovadas. O MDM obteve cerca de 40% dos votos em Maputo, Matola e Chimoio, e também em outras vilas municipais.[7]

Referências

  1. MACEDO, Victor Miguel Castillo de; MALOA, Joaquim. «"Em Moçambique só há partidos de direita": uma entrevista com Michel Cahen» (PDF). Revista do Programa de Pós‑Graduação em Sociologia da USP 
  2. «Morreu Daviz Simango, edil da Beira e líder do MDM». DW. 22 de fevereiro de 2021. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  3. «Lutero Simango é presidente do MDM». O País. 5 de dezembro de 2021. Consultado em 6 de dezembro de 2021 
  4. «Mozambique political process bulletin - Unjustified confusion and poor planning» (PDF). Consultado em 10 de novembro de 2010. Arquivado do original (PDF) em 29 de maio de 2010 
  5. a b «Mozambique News agency AIM Reports - Election Special». Consultado em 14 de novembro de 2009 
  6. Bearak, Barry (30 de outubro de 2009). «Mozambique is Reporting Big Victory for President». The New York Times. Consultado em 2 de novembro de 2009 
  7. «Resultados finais das eleições autárquicas de 2013» (PDF). Consultado em 14 de maio de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikinotícias Notícias no Wikinotícias
Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um(a) cientista político(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.