Muchel III Mamicônio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Muchel Mamicônio.
Muchel III Mamicônio
Nacionalidade Império Sassânida
Império Bizantino
Etnia Armênia
Progenitores Pai: Davi Mamicônio
Ocupação General

Muchel III Mamicônio (em armênio/arménio: Մուշեղ Գ Մամիկոնյան; m. 635/636) é um asparapetes da Armênia morto enquanto lutava no exército sassânida durante a Batalha de Cadésia. Teve seu papel na supressão da revolta de Vararanes VI (r. 590–591) e combateu sob o imperador Maurício I (r. 582–602) na Trácia.

Vida[editar | editar código-fonte]

Dinar de Cosroes II (r. 590–628)
Soldo de Maurício I (r. 582–602)

Sua origem é incerta. O historiador Sebeos apresenta-o como um filho de Davi.[1] Segundo Christian Settipani, Davi talvez era filho de Amazaspes, provável filho de Muchel II.[2] Por sua parte, Cyril Toumanoff considera que Davi era filho de Baanes II, o Lobo,[3] figura da História de Taraunita de João Mamicônio, uma crônica considerada mais romântica que histórica. Em ambos os casos, Muchel era irmão mais velho dos príncipes armênios Amazaspes IV e Gregório I.

Aparece na guerra civil sassânida de 589-591, quando comanda 12 000 cavaleiros armênios em auxílio ao Cosroes II (r. 590–628) e seus aliados bizantinos na guerra contra o rebelde Vararanes VI (r. 590–591).[4] Nesse momento, Muchel era asparapetes. Segundo Sebeos, Vararanes escreveu-lhe cartas de forma a dissuadi-lo de participar da aliança contra ele.[5] Numa delas disse:[6]

Quanto a você armênios que demonstram lealdade fora de época, a casa de Sasano não destruiu sua terra e soberania? Por que, de outra forma, seus pais se rebelaram e se libertaram do serviço deles, lutando até hoje por seu pais?

Tomás Arcruni nomeia-o "um bravo soldado, abençoado com grande energia". Após a derrota de Vararanes, foi acusado por Cosroes de permitir que o rebelde escapasse, mas apelou a João Mistacão e o imperador Maurício I (r. 582–602). Foi convocado por Maurício para Constantinopla e nunca mais retornou à Armênia. Subsequentemente liderou um exército, que Maurício reuni na Armênia, numa campanha na Trácia contra os invasores eslavos e avares. Houve um sucesso inicial, que foi seguido por uma pesada derrota e teve como consequência a suposta captura e morte de Muchel; data-se o evento em 594, na campanha de Pedro, irmão de Maurício.[7]

Dracma de Cavades II (r. 628)

Pourshariati, por outro lado, associou esse Muchel com o homônimo que esteve ativo no Império Sassânida até meados da década de 630. Segundo Tabari, no tempo da deposição de Cosroes e ascensão de Cavades II (r. 628), o oficial Asfajusnas se reuni com Jalinus ou Jilinus, figura que Tabari identifica como o comandante da guarda encarregado de manter o controle sobre Cosroes. Esse Jalinus possivelmente pode ser Muchel ou Gregório II, príncipe de Siunique.[8] Segundo Sebeos e os cronistas árabes, Muchel também teria participado na Batalha de Cadésia travada entre os generais do Império Sassânida e os exércitos invasores do recém-criado Califado Ortodoxo em 635 ou 636. Nela, Muchel comandou 3 000 armênios e foi colocado na vanguarda, com ordens para não atacar o inimigo sem permissão de Rustam Farruquezade.[9] O exército sassânida foi derrotado e Muchel e dois de seus sobrinhos pereceram.[10]

Família[editar | editar código-fonte]

Segundo Cyril Toumanoff, e alguns outros historiadores, Muchel era pai de Muchel IV, que foi asparapetes e príncipe da Armênia em 654.[2][11]

Referências

  1. Sebeos século VII, XXX.
  2. a b Settipani 2006, p. 138-142.
  3. Toumanoff 1990, p. 332.
  4. Pourshariati 2008, p. 127.
  5. Pourshariati 2008, p. 128.
  6. Pourshariati 2008, p. 128-129.
  7. Martindale 1992, p. 905.
  8. Pourshariati 2008, p. 156-157, nota 846.
  9. Pourshariati 2008, p. 232.
  10. Pourshariati 2008, p. 233.
  11. Toumanoff 1990, p. 332-333.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Grousset, René (1947). História da Armênia das origens à 1071. Paris: Payot 
  • Martindale, John R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). «Mushegh Mamikonian». The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. ISBN 0-521-20160-8 
  • Pourshariati, Parvaneh (2008). Declínio e queda do Império Sassânida. Nova Iorque: IB Tauris & Co Ltd. ISBN 978-1-84511-645-3 
  • Sebeos (século VII). História de Heráclio 
  • Settipani, Christian (2006). Continuité des élites à Byzance durant les siècles obscurs. Les princes caucasiens et l'Empire du vie au ixe siècle. Paris: de Boccard. ISBN 978-2-7018-0226-8 
  • Toumanoff, Cyril (1990). Les dynasties de la Caucasie chrétienne de l'Antiquité jusqu'au xixe siècle: Tables généalogiques et chronologiques. Roma: Edizioni Aquila