Munmu de Silla

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Munmu de Silla
Nascimento 626
Gyeongju (Silla)
Morte 681
Cidadania Silla
Progenitores
Cônjuge JauI
Filho(s) Sinmun of Silla
Irmão(s) Kim Gotaso, Kim Inmun, Kim Munwang, Lady Jiso, Princess Yoseok, Kim Intae
Ocupação monarca,
Religião budismo
Causa da morte doença

O rei Munmu Wang (Hangul:문무왕, Hanja:文武 王, 626-681), foi o trigésimo rei do reino coreano de Silla, um dos Três Reinos da Coreia reinou de 661 a 681. [1]. Ele é considerado o primeiro governante de Silla Unificada. Munmu era ilho do rei Muyeol e de Munmyeong, que era a irmã mais nova do general Kim Yusin. Sob o reinado de seu pai, ele ocupou o cargo de pajinchan, que era o responsável pelos assuntos marítimos, e desempenhou um papel fundamental no desenvolvimento das relações diplomáticas do país com a Dinastia Tang da China. Seu nome de nascimento era Kim Beopmin (Hangul: 김법민, Hanja: 金 法 敏), e adotou o nome Munmu quando sucedeu seu pai no trono.

Reinado[editar | editar código-fonte]

O Rei Munmu assumiu o trono no meio de um longo conflito contra Baekje e Koguryo, pouco depois de Baekje ter sido derrotada em Sabi pelo general Kim Yusin em 660. Nessas lutas, Silla teve o apoio dos Tang.

Os primeiros anos de seu reinado foram gastos tentando derrotar Koguryo, após uma tentativa fracassada em 661. Finalmente, em 667, ordenou outro ataque que levou à derrota de Koguryo em 668. Depois que os pequenos bolsões isolados de resistência foram eliminados, Munmu foi o primeiro governante a ver a península coreana completamente unificada.

Guerra contra Tang[editar | editar código-fonte]

Após a queda de Koguryo, Tang criou o Protetorado Geral para pacificar o Oriente e tentou colocar toda a península coreana, incluindo Silla, sob o seu domínio. Para evitar isso, Munmu forjou alianças com líderes da resistência de Koguryo, como Geom Mojam e Anseung, e lançou um ataque frontal às forças Tang que ocupavam os antigos territórios de Baekje. A luta durou até o início da década de 670.

Em 675, o general tang Li Jinxing atacou Silla com tropas da etnia Mohe. No entanto, as forças Tang foram derrotadas pelo exército Silla na Fortaleza de Maeso. Com a derrota o Imperador Gaozong ordenou a retirada das forças Tang da Península Coreana e transferiu o Protetorado Geral para Pacificar o Leste para Liaodong, permitindo que Silla acabasse expulsando Tang da Península Coreana e unificando as partes da península ao sul do Rio Taedong. Esta vitória, e a manutenção da independência de Silla, é geralmente considerada como um ponto crítico na história coreana. [2]

Final do reinado[editar | editar código-fonte]

Munmu governou Silla durante vinte anos, até adoecer em 681. No seu leito de morte, deixou seu último testamento, e abdicou do trono em favor de seu filho, o Príncipe Sinmun. Antes de morrer, disse: "Um país não deve ficar sem um rei a qualquer momento. Deixe o príncipe ter a minha coroa antes que ele tenha o meu caixão. Creme meus restos e espalhe as cinzas no mar onde as baleias vivem. Eu me tornarei um dragão e impedirei a invasão estrangeira". O Rei Sinmun fez o que seu pai pediu e espalhou suas cinzas sobre Taewangam (a Rocha do Grande Rei), uma pequena ilhota rochosa a cerca de cem metros da costa coreana. Além disso, o Rei Sinmun construiu o Templo Gomun (o Templo da Bênção Apreciada) e dedicou-o a seu pai, construiu um canal para o dragão do mar chegar e partir do mar para a terra, e construiu um pavilhão, Eegun, com vista para o ilhota para que futuros reis pudessem prestar seus respeitos ao grande Rei Munmu. [3]

Em um sonho, o Rei Munmu e o famoso general Kim Yusin apareceram ao Rei Sinmun e disseram-lhe: "Soprar uma flauta de bambu acalma os céus e a terra". O Rei Sinmun despertou do sonho, cavalgou para o mar e recebeu a flauta de bambu Monposikjuk. Dizia-se que o sopro da flauta de bambu invocava os espíritos do Rei Munmu e do general Kim Yusin e que repeliria as tropas inimigas, curaria doenças, traria chuva durante a seca e deteria as chuvas nas enchentes. [4]




Precedido por
Muyeol
Seal of Silla.png -- 30º Rei de Silla
661 - 681
Sucedido por
Sinmun




Referências

  1. Iryŏn (1972). Samguk Yusa: Legends and History of the Three Kingdoms of Ancient Korea (em inglês). [S.l.]: Yonsei University Press. p. 97 
  2. Pratt, Keith; Rutt, Richard (16 de dezembro de 2013). Korea: A Historical and Cultural Dictionary (em inglês). [S.l.]: Routledge, p. 256. ISBN 9781136793936 
  3. Lancaster, Lewis R.; Yu, Chai-Shin (1991). Assimilation of Buddhism in Korea: Religious Maturity and Innovation in the Silla Dynasty (em inglês). [S.l.]: Jain Publishing Company, pp. 1-2. ISBN 9780895818898 
  4. «Sinmun of Silla». New World Encyclopedia (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2018