Museu de Arqueologia de Xingó

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Museu de Arqueologia de Xingó
Tipo museu de arqueologia, museu
Inauguração 2000 (18 anos)
Operador(a) Universidade Federal de Sergipe
Website oficial
Geografia
Cidade Canindé de São Francisco
País Brasil

O Museu de Arqueologia de Xingó (MAX) é um museu localizado em Canindé de São Francisco, Sergipe, Brasil. Pertence à Universidade Federal de Sergipe.[1]

Criado em 2000, tem como objetivo expor, preservar o patrimônio arqueológico de Xingó.[2]

O museu foi desenvolvido pela Universidade Federal de Sergipe (UFS), em parceria Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf).[2] A parceria surgiu após um programa de salvamento arqueológico na Usina Hidrelétrica de Xingó.[3] Seu acervo contém peças de arte rupestre, esqueletos humanos e diversos utensílios descobertos durante pesquisas em sítios arqueológicos da região.[4]

Acervo[editar | editar código-fonte]

A coleção do MAX é formada por mais de 50 mil peças e obras[2]. A exposição destaca como as peças históricas e artefatos antigos foram elaborados, incluindo a explicação das práticas utilizadas para a construção das peças.[2]

Há, ainda, no museu um programa educativo para o público, que tem como objetivo explicar e problematizar os conteúdos da Pré-História, a fim de conscientizar as pessoas sobre a importância da preservação do patrimônio cultural histórico.[2] Além disso, o museu trabalha com uma linha editorial de produção, a qual tem como principal produto a revista cientifica Canindé[5].

O MAX é dividido em dois setores distribuídos em prédios diferentes: a unidade de exposições, que tem cerca de 800 metros quadrados e um laboratório de pesquisa, que tem cerca de 1.600 metros quadrados.[5]

Na primeira área, é possível encontrar seções como a da arte rupestre, material lítico (elaborado em pedras), cerâmico e malacológico (elaborado de conchas e ossos).[6]

Referências

  1. «Museus da UFS: ensino, pesquisa e extensão». 8 de junho de 2010 
  2. a b c d e «Museu Arqueológico de Xingó». basilio.fundaj.gov.br. Consultado em 23 de setembro de 2017. 
  3. «Portal UFS - O MAX». max.ufs.br. Consultado em 23 de setembro de 2017. 
  4. «Museus temáticos espalhados pelo país são boa opção de visita». Globo.com 
  5. a b «Museu de Arqueologia de Xingó da UFSE - Conhecendo Museus». Conhecendo Museus. 15 de outubro de 2014 
  6. «VISITANDO O MAX – MUSEU DE ARQUEOLOGIA DE XINGÓ». TOK de HISTÓRIA. 30 de julho de 2015 


Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um museu é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.