Nárnia (país)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nárnia
País fantástico de As Crônicas de Nárnia.
Pertencente ao mundo homônimo.
Flag of Narnia.PNG
COA Narnia.PNG
Bandeira Brasão
Fundação: Ano 1 (no calendário narniano).
Capital: Cair Paravel.
Países vizinhos: • Ao norte: Terras agrestes
• Ao sul: Arquelândia
• A leste: Oceano Oriental
• A oeste: Ermo do Lampião
• No subsolo: Reino Profundo
Governo: Monarquia.
Gentílico: Narniano; narniana.
Reis: Ver aqui.

Nárnia é um país fictício e fantástico criado pelo escritor britânico-irlandês C. S. Lewis para As Crónicas de Nárnia, uma série de sete livros infantis. Ali alguns animais podem falar, e também abundam bestas mitológicas; por último, a magia é algo comum.

Localização e descrição[editar | editar código-fonte]

O nome Nárnia é usado tanto para descrever o universo paralelo ao nosso, quanto um país contido neste mundo, onde se passa a maior parte das aventuras dos livros. Há outros países vizinhos à Nárnia que também servem de cenário para as histórias dos livros. Aslam é o criador de todo este universo, e também é o principal protetor do país de Nárnia, sempre aparecendo em defesa dele quando está correndo perigo.

Conforme descrito pelo fauno Tumnus em O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa, o mundo de Nárnia envolve terras que se estendem desde o lampião, localizado no Ermo do Lampião, até a foz do Grande Rio onde se localiza o castelo de Cair Paravel. Neste castelo ficam instalados os reis que governam o país.

As principais locações de Nárnia ficam distribuídas ao longo do Grande Rio. Nas margens do rio fica a travessia do Beruna, local onde a Feiticeira Branca foi derrotada por Aslam. Mais tarde, conforme é narrado em O Príncipe Caspian, Beruna passou a ser uma cidade que foi construída pelos telmarinos nas margens da passagem.

No grande rio também está o Dique dos Castores, que aparece em O Leão, A Feiticeira e o Guarda-Roupa, e mesmo depois de milhares de anos, tem o nome preservado.

Ilhas narnianas[editar | editar código-fonte]

No Oceano Oriental que fica na costa de Nárnia, há várias ilhas, muitas descobertas ao longo da viagem do Peregrino da Alvorada com o rei Caspian X.

Os arquipélagos das Ilhas Solitárias (compostas pelas ilhas de Felimate, Durne e Avra), e os arquipélagos de Terebíntia e de Galma, também pertencem a Nárnia, apesar da distância que há entre essas ilhas e o continente. Mais a leste, o Oceano Oriental abriga países submersos até o ponto em que faz fronteira com o país de Aslam na beira do mundo.

Fronteiras[editar | editar código-fonte]

Ao Norte, Nárnia limita com o Ermo de Ettin, e mais além estão as Terras agrestes do Norte, habitadas por gigantes. O estabelecimento mais sobressalente é o Castelo de Harfang, uma comunidade de gigantes que aparentemente é o remanescente de uma cidade muito maior que foi abandonada há muitas gerações, e que caiu na ruína.

Ao Sul, Nárnia faz fronteira com Arquelândia. A sede de governo deste reino está em Anvard, no centro do país. Anvard é tanto a cidade-capital, como o nome do castelo dentro da cidade. Arquelândia, pelo visto, não é muito povoada, já que nas crônicas não se fala de outras cidades ou vilarejos pertencentes a este país.

A Leste de Nárnia encontra-se o Oceano Oriental.

A Oeste de Nárnia primeiramente se ubica o Ermo do Lampião. Logo após há uma região desabitada de montanhas, conhecida como os Territórios agrestes do Oeste. A terra de Telmar está em algum lugar desta região, mas a sua localização exata não se conhece, e não se tem muita informação sobre esta terra, exceto a sua ubicação (a oeste, longe da Nárnia). A importância de Telmar é que seus habitantes conquistaram Nárnia após a desaparição dos irmãos Pevensie, e portanto, após o fim da Era Dourada em que ditos irmãos reinaram em Nárnia.

Por último, no subsolo de Nárnia está o Reino Profundo, dominado pela Feiticeira Verde, conforme é narrado em A cadeira de prata. Além disso, existe outro reino ao sul deste, chamado Bismo, habitado por terrícolas.

Reis e Rainhas[editar | editar código-fonte]

Os seguintes reis e rainhas do país de Nárnia são citados ao longo da série:

  • Rei Franco e Rainha Helena: foram coroados por Aslam como os primeiros reis de Nárnia.
  • Rei Furacão: libertou as Ilhas Solitárias de um dragão.
  • Rainha Cisne Branco: citada no livro A Última Batalha, ela era dotada de uma beleza esplendorosa, e reinou pouco antes de Jadis.
  • Rainha Jadis, a Feiticeira Branca de Charn: rainha ilegítima de Nárnia que submeteu o povo ao Inverno de Cem Anos.
  • Grande rei Pedro Pevensie e seus irmãos, os reis Susana, Edmundo, e Lúcia Pevensie: lutaram ao lado de Aslam para derrotar à rainha Jadis, a Feiticeira Branca, libertando o povo de Nárnia e governando-o logo após.
  • Rei Caspian IX: pai do rei Caspian X.
  • Rei Miraz e sua esposa, a rainha Prunaprísmia: Miraz usurpou o trono do seu irmão, Caspian IX.
  • Rei Caspian X: reivindicou e assumiu o trono de Nárnia com a ajuda do Grande rei Pedro Pevensie e seus irmãos, após a segunda vinda deles para Nárnia.
  • Rei Rilian: filho do rei Caspian X.
  • Rei Erlian: descendente do rei Rilian, e pai do rei Tirian.
  • Rei Tirian: último monarca de Nárnia.
Esta lista não contém todos os reis e rainhas, mas é dito que houve inúmeros outros ao longo da história de Nárnia.

Ver também[editar | editar código-fonte]