Nervo ulnar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nervo: Nervo ulnar
Brachial plexus 2.svg
Clique na imagem para aumenta-la. O nervo ulnar é visível na parte inferior esquerda.
Nerves of the left upper extremity.gif
Nervos da extremidade superior esquerda. (O ulnar está marcado no centro esquerdo)
Latim nervus ulnaris
Gray's subject #210 939
Inerva    Músculo flexor ulnar do carpo
Músculo flexor profundo dos dedos
Músculos lumbricais (mão)
Músculo oponente do mínimo
Músculo flexor curto do mínimo
Músculo abdutor do mínimo
Interósseos
Músculo adutor do polegar
Ramo do C8, T1 (ramo do Fascículo medial).
MeSH Ulnar+nerve

Em anatomia humana, o nervo ulnar é um nervo que percorrer as proximidades do osso ulna. O ligamento lateral interno no cotovelo tem relação com o nervo ulnar. Ele é o maior nervo desprotegido do corpo humano (significando não protegido por músculo ou osso), o que faz com que lesões nele sejam comuns. Este nervo está diretamente conectado com o dedo mindinho, inervando o lado palmar desses dedos, incluindo ambas as pontas frontal e posterior, tal vez chegando mesmo até o leito ungueal.

Este nervo pode causar uma sensação parecida a um choque elétrico ao se golpear a parte posterior do epicôndilo medial do úmero, ou a parte inferior quando o cotovelo está flexionado. O nervo ulnar está preso entre o osso e a pele sobrejacente nesse ponto. O ato de golpear este nervo é comumente referido como "bater o osso engraçado". Pensa-se que este nome surgiu como um trocadilho do inglês, baseado na semelhança sonora entre o nome do osso do braço superior, o "úmero" (humerus), e a palavra "humor" (humorous)[1]. Alternativamente, de acordo com o Oxford English Dictionary a expressão pode se referir à "sensação peculiar experimentada quando se é golpeado"[2].

Estrutura[editar | editar código-fonte]

O nervo ulnar se origina das raízes nervosas C8 a T1 (e ocasionalmente carrega fibras do C7) que fazem parte do fascículo medial do plexo braquial, e descende o aspecto póstero-medial do úmero. Ele percorre inferiormente o aspecto póstero-medial do úmero, passando por trás do epicôndilo medial (no túnel cubital) no cotovelo, onde é exposto por vários centímetros.

Antebraço[editar | editar código-fonte]

Ele entra no compartimento anterior (flexor) do antebraço entre as cabeças umeral e ulnar do flexor ulnar do carpo, situando-se debaixo das aponeuroses do flexor ulnar do carpo, lado a lado da ulna. Ali ele abastece um músculo e meio (o flexor ulnar do carpo e a metade medial do flexor profundo dos dedos) e segue com a artéria ulnar, viajando inferiormente com ela até a parte mais profunda do músculo flexor ulnar do carpo.

No antebraço ele se ramifica nos seguintes ramos[3]:

  • Ramos dorsais do nervo ulnar

Mão[editar | editar código-fonte]

Depois de viajar pela ulna, o nervo ulnar entra a palma da mão pelo canal de Guyon. O nervo ulnar e a artéria passam superficialmente pelo flexor retináculo da mão, via o canal ulnar.

Aqui ele se ramifica nos seguintes ramos[3]:

  • Ramo superficial do nervo ulnar
  • Ramo profundo do nervo ulnar

O percurso do nervo ulnar através do pulso contrasta com o do nervo mediano, o qual viaja até a parte profunda do flexor retináculo do mão.

Dorsal scapular nerve (rhomboids, levator scapulae) Suprascapular nerve (supraspinatus, infraspinatus) Nervo do músculo subclávio (subclavius) Lateral pectoral nerve (pectoralis major) Musculocutaneous nerve (coracobrachialis, brachialis, biceps brachii) Axillary nerve (deltoid, teres minor) Median nerve (forearm flexors except FCU and ulnar part of FDP, thenar muscles) Ulnar nerve (FCU and ulnar part of FDP, most intrinsic hand muscles Nervo cutâneo medial do antebraço Nervo cutâneo medial do braço Radial nerve (triceps brachii, supinator, anconeus, forearm extensors, brachioradialis) Lower subscapular nerve (lower part of subscapularis, teres major) Thoracodorsal nerve (latissimus dorsi) Medial pectoral nerve (pectoralis major, pectoralis minor) Nervo subscapular superior (upper part of subscapularis) Nervo torácico longo (serratus anterior) Nervo espinhal da coluna cervical 5 Nervo espinhal da coluna cervical 6 Nervo espinhal da coluna cervical 7 Nervo espinhal da coluna cervical 8 Primeiro nervo torácico
Ilustração anatômica do plexo braquial identificando as áreas das raízes, troncos, divisões e os cordões. Clique sobre os nomes para acessar os respectivos artigos. Outra imagem de referência aqui.


Função[editar | editar código-fonte]

Sensorial[editar | editar código-fonte]

O nervo ulnar também provê inervação sensorial para o quinto digito e a metade lateral do quarto digito, e a parte correspondente da palma:

  • Ramo palmar do nervo ulnar - provê inervação cutânea para a pele e unhas anteriores.
  • Ramo dorsal cutâneo do nervo ulnar - provê inervação cutânea para a mão dorsal medial e o dorso dos dedos 1.5 medial.

Motora[editar | editar código-fonte]

O nervo ulnar e seus ramos inervam os seguintes músculos do antebraço e da mão:

Um ramo articular que passa pela articulação do cotovelo enquanto o nervo ulnar está passando entre o olecranon e o epicôndilo medial do úmero.

Significância Clínica[editar | editar código-fonte]

O nervo ulnar pode sofrer lesões em qualquer lugar entre sua origem proximal do plexo braquial até seus ramos distais na mão. É o nervo mais comumente lesionada en torno do cotovelo.[4] Apesar de poder ser lesionados em diversas circunstâncias, ele é comumente lesionado por trauma local ou impacto físico ("nervo comprimido"). Lesões no nervo ulnar em diferentes níveis causam déficits motor e sensorial específicos:

No cotovelo[editar | editar código-fonte]

  • Mecanismos comuns de lesão: Síndrome do túnel cubital, fratura do epicôndilo medial (causando cúbito valgo com paralisia do nervo ulnar tardia)
  • Déficit motor:
    • Fraqueza na flexão da mão no pulso, perda de flexão de metade ulnar dos dígitos, ou o quarto e quinto digito, perda de habilidade para cruzar os dedos da mão. (Nota: Déficit motor é ausente ou muito pequeno na síndrome do túnel cubital pois o nervo ulnar é comprimido no túnel cubital ao invés de cortado transversalmente).
    • Presence de garra ulnar (paralisia do nervo ulnar) quando a mão está em repouso, devida a hiperextensão do quarto e quinto digito na articulação metacarpofalangeana, e flexão na articulação interfalangeana da mão.
    • Fraqueza de adução do dedão, o que pode ser avaliado pela presença do Sinal de Froment.
  • Déficit sensorial: Perda de sensação ou parestesia na metade ulnar da palma e dorso da mão, e os dedos mediais 1½ em ambos os aspectos palmar e dorsal da mão.

No pulso[editar | editar código-fonte]

  • Mecanismo comum: Feridas penetrantes, cisto no canal Guyon.
  • Déficit motor:
    • Perda de flexão na metade ulnar dos dígitos, ou o quarto e quinto dígito, perda de habilidade para cruzar os dedos da mão.
    • Presença de garra ulnar (paralisia do nervo ulnar) quando a mão está em repouso, devida a hiperextensão do quarto e quinto digito na articulação metacarpofalangeana, e flexão na articulação interfalangeana da mão.
    • A garra ulnar é mais proeminente em lesões no pulso do que nas partes mais superiores do braço. Por exemplo, no cotovelo, a metade ulnar do músculo flexor profundo dos dedos não é afetada. Isso puxa as articulações interfalangeanas distais do quarto e quinto dígito para uma posição mais flexionada, produzindo uma "garra" mais deformada. Isto é conhecido como o paradoxo ulnar.
    • Fraqueza de adução do dedão, o que pode ser avaliado pela presença do Sinal de Froment.
  • Déficit sensorial: Perda da sensação ou parestesia na metade ulnar da palma, e nos dígitos mediais 1½ no aspecto palmas da mão, com escassez dorsal. O aspecto dorsal da mão não é afetado uma vez que o rato cutâneo posterior do nervo ulnar só surge ma parte mais superior do antebraço e não alcança o pulso.

Em casos severos, cirurgia pode ser realizada para realocar ou "soltar" o nervo para prevenir mais lesões.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Este artigo faz uso de terminologia anatômica; para ver mais, ver Lista de termos técnicos de anatomia.

Imagens adicionais[editar | editar código-fonte]

Links externos[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hendrickson, Robert A. The Facts on File Encyclopedia of Word and Phrase Origins (Facts on File Writer's Library). (New York: Checkmark Books). p. 281. ISBN 0-8160-5992-6. 
  2. "funny, adj. and n.2" (em en-GB). OED Online. Oxford University Press.
  3. a b Ellis, Harold; Standring, Susan; Gray, Henry David (2005). Gray's anatomy: the anatomical basis of clinical practice (St. Louis, Mo: Elsevier Churchill Livingstone). p. 726. ISBN 0-443-07168-3. 
  4. Selby, Ronald; Safran, Marc; O'brien, Stephen (2007). "Practical Orthopaedic Sports Medicine & Arthroscopy, 1st edition: Elbow Injuries" Lippincott Williams & Wilkins [S.l.]