Nimr al-Nimr

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Nimr al-Nimr
نمر باقر النمر
نمر باقر آل نمر
Nascimento 1959
Alauamia, Oriental
Arábia Saudita
Morte 2 de janeiro de 2016 (57 anos)
Riade, Arábia Saudita
Ocupação Clérigo
Título Sheik, Ayatollah
Religião Xiismo duodecimano
Página oficial
www.sknemer.com

Nimr Baqr al-Nimr (em árabe: نمر باقر النمر, Nimr Bāqr an-Nimr, também romanizado Bakir al-Nimr, al-Nimer, al-Nemer, al-Namer, normalmente citado como Xeique Nimr; 19592 de janeiro de 2016) foi um clérigo xiita de província Oriental da Arábia Saudita.[1] Tinha uma atuação popular entre os jovens e era crítico ao governo saudita. Era um defensor de eleições diretas da Arabia Saudita. Em 2009, criticou as autoridades de seu país e propôs a independência de sua província.[2]

Prisão[editar | editar código-fonte]

Um mandado de prisão foi emitido contra ele e outras 35 pessoas foram detidas juntas. Durante os protestos de 2011–12 contra o governo saudita, al-Nimr pediu aos manifestantes que não usassem a violência contra os policiais, prevendo que a governo responderia de forma ainda mais dura contra a população.[3] Segundo o jornal inglês The Guardian, ele seria o líder da revolta.[carece de fontes?]

Execução[editar | editar código-fonte]

Em 15 outubro de 2014, foi sentenciado a morte por uma corte criminal pela acusação de procurar apoio estrangeiro e desobediência civil. Al-Nimr foi executado, provavelmente, dia 2 de janeiro de 2016, com outros 46 prisioneiros.[4] Sua execução foi condenada pelo governo iraniano e pela comunidade xiita do oriente médio, e também por personalidades sunitas não sectárias.[5] O governo não devolveu o corpo à família e declarou ter cremado todos os executados.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre a Arábia Saudita é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.