O Mínimo que Você Precisa Saber para não Ser um Idiota

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota
Capa do livro. O título e o nome do autor ocupam todo o espaço da capa.
Capa do livro
Autor(es) Olavo de Carvalho
Idioma Português
País  Brasil
Assunto ciências sociais, ciências políticas[1]
Gênero não-ficção
Editora Record[2][3]
Lançamento 13 de agosto de 2013[4]
Páginas 616[1]
ISBN 9788501402516

O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota é um livro de Olavo de Carvalho, organizado pelo jornalista Felipe Moura Brasil. A obra consiste em uma coletânea de 193 artigos e ensaios escritos entre 1997 e 2013, que foram publicados em diversos veículos da imprensa brasileira.[5][6][7][8]

O livro está dividido em 25 capítulos ou macrotemas, que se desdobram em subtemas. Dentre alguns dos assuntos abordados estão conhecimento, juventude, inteligência, religião, ciência, socialismo, inveja e aborto.[3][9] O livro tem um enfoque especial na realidade brasileira.

Segundo Carlos Andreazza, editor de não-ficção da editora Record, até dezembro de 2016, o livro vendeu algo em torno de 320 mil exemplares.[10]

O livro[editar | editar código-fonte]

Os artigos foram selecionados e organizados pelo jornalista Felipe Moura Brasil, que detalhou o conteúdo em notas explicativas, os quais remetem o leitor aos acontecimentos da carreira e as obras do próprio Olavo de Carvalho. O livro reúne, basicamente, artigos que Olavo publicou em seu site e em vários veículos como nos jornais O Globo, Folha de S.Paulo, Zero Hora, Diário do Comércio, Jornal da Tarde e Folha de Londrina; nas revistas Época, República, Primeira Leitura, Bravo!; entre outros.[11]

Críticas[editar | editar código-fonte]

O livro contou com críticas positivas em geral e resenhas simpáticas, ainda que com ressalvas, como as publicadas pelos jornalistas Carlos Ramalhete (Gazeta do Povo),[12] Euler de França Belém (Jornal Opção),[13] Luís Antônio Giron (Época),[14] Paulo Briguet (Gazeta do Povo)[15] e Reinaldo Azevedo (Veja),[9] pelo jornal Folha de S.Paulo,[16] Padre Paulo Ricardo[17] e crítico literário Rodrigo Gurgel.[18]

Capítulos[editar | editar código-fonte]

  • JUVENTUDE
  • CONHECIMENTO
  • VOCAÇÃO
  • CULTURA
  • POBREZA
  • FINGIMENTO
  • DEMOCRACIA
  • SOCIALISMO
    • Fatos x interpretações
    • Socialismo x capitalismo
  • MILITÂNCIA
    • Espiritualidade x fanatismo
    • Modelos x condutas
  • REVOLUÇÃO
    • Globalismo
    • Manipulação
    • Mentalidade
    • Sociedade x culpa
    • Capitalistas x revolucionários
    • Dinheiro x conhecimento
    • Revolucionários x mundo melhor
    • Desmascaramento
  • INTELLIGENTZIA
    • Analfabetismo & glória
    • Povo & representação
    • Mídia & ocultação
    • Moralidade & inversão
    • Universidade & farsa
    • História & embuste
    • Marxismo & vigarice
    • Decadência
    • Hospício
    • Conspiração
  • EDUCAÇÃO
  • INVEJA
  • ABORTO
  • CIÊNCIA
  • RELIGIÃO
    • Fé x ideologia
    • Perseguição x silêncio
  • LINGUAGEM
    • Literatura x língua de pau
    • Escritores x fingidores
  • DISCUSSÃO
  • PETISMO
    • Lula
    • Tradição & estratégia
  • FEMINISMO
  • GAYZISMO
  • CRIMINALIDADE
    • Fomentação
    • Terrorismo & narcotráfico
  • DOMINAÇÃO
  • EUA
    • Bush
    • Obama
  • LIBERTAÇÃO
  • ESTUDO

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b «Livro - O Mínimo Que Você Precisa Saber - Submarino.com». www.submarino.com.br. Consultado em 14 de abril de 2017 
  2. «O Mínimo Que Você Precisa Saber Para Não Ser Um Idiota». Default Store View. Consultado em 14 de abril de 2017 
  3. a b Carvalho, Olavo de (13 de agosto de 2013). O Mínimo que Você Precisa Saber para não Ser um Idiota. [S.l.]: Record. ISBN 9788501402516 
  4. «O Mínimo que Você Precisa Saber para não Ser um Idiota - Amazon». Consultado em 14 de abril de 2017 
  5. Marco Rodrigo de Almeida (8 de setembro de 2013). Folha de S. Paulo, ed. «Cruzada anti-idiotas - Entrevista com Olavo de Carvalho». Consultado em 8 de maio de 2016 
  6. Rodrigues, Lidiane Soares (2018). «Uma revolução conservadora dos intelectuais (Brasil/2002–2016)». Política & Sociedade. 17 (39): 277–312. ISSN 2175-7984. doi:10.5007/2175-7984.2017v17n39p277 
  7. José Maria e Silva (20 de outubro de 2013). «O homem que ressuscitou a filosofia no Brasil» Arquivado em 12 de julho de 2016, no Wayback Machine.. Jornal Opção. Consultado em 14 de abril de 2017.
  8. Herdy, Thiago (2 de novembro de 2013). «'Minienciclopédia' : a cruzada de Olavo de Carvalho». O Globo. Consultado em 15 de abril de 2019 
  9. a b Azevedo, Reinaldo (2 de setembro de 2013). «"O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota"». Veja. Consultado em 22 de abril de 2017 
  10. João Fellet (15 de dezembro de 2016). «Olavo de Carvalho, o 'parteiro' da nova direita que diz ter dado à luz flores e lacraias». BBC Brasil. Consultado em 23 de dezembro de 2016 
  11. De Carvalho, Olavo (2013). O Mínimo que você precisa saber para não ser um idiota. Rio de Janeiro: Record. pp. 24–512 
  12. Carlos Ramalhete (23 de outubro de 2013). «Cala a boca já morreu». Gazeta do Povo. Consultado em 4 de janeiro de 2017.
  13. Euler de França Belém (18 de agosto de 2013). «Olavo de Carvalho incomoda os vivos e parece incomodar até os mortos da esquerda» Arquivado em 6 de janeiro de 2017, no Wayback Machine.. Jornal Opção. Consultado em 4 de janeiro de 2017.
  14. «Tente ser menos idiota com Olavo de Carvalho». revistaepoca.globo.com 
  15. Paulo Briguet (25 de agosto de 2013). «Para não ser idiota». Gazeta do Povo. Consultado em 20 de janeiro de 2017.
  16. «Conhecer o Foro de São Paulo é o mínimo para não ser um idiota». Livraria da Folha de S.Paulo. 19 de novembro de 2014. Consultado em 15 de janeiro de 2017 
  17. «O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota». padrepauloricardo.org. Consultado em 19 de abril de 2017 
  18. Gurgel, Rodrigo (19 de agosto de 2013). «Olavo de Carvalho e "O mínimo que você precisa saber para não ser um idiota"». Consultado em 15 de abril de 2019 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]