Ovelha Dolly

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ovelha Dolly
Dolly face closeup.jpg
Informações
Espécie
ovelha (en)
Local de nascimento
The Roslin Institute (en)

A ovelha Dolly (5 de julho de 199614 de fevereiro de 2003) foi o primeiro mamífero a ser clonado com sucesso a partir de uma célula somática adulta.

Os cientistas tornaram pública a experiência somente em 22 de fevereiro de 1997, quando Dolly já estava com sete meses de vida.[1]

Dolly foi criada por investigadores do Instituto Roslin, na Escócia, onde viveu toda a sua vida.[2] Os créditos pela clonagem foram dados ao biólogo Ian Wilmut, mas este admitiu, em 2006, que Keith Campbell seria na verdade o maior responsável pela clonagem.[3]

O nome Dolly é uma referência ao nome da atriz e cantora Dolly Parton. Dolly foi clonada a partir das células da glândula mamária de uma ovelha adulta com cerca de seis anos, através de uma técnica conhecida como transferência somática de núcleo.[4]

Apesar das suas origens, Dolly teve uma vida comum de ovelha e deu à luz a seis filhotes, sendo cuidadosamente observada em todas as fases. Em 1999 foi divulgado na revista Nature que Dolly poderia tender a desenvolver formas de envelhecimento precoce, uma vez que os seus telómeros eram mais curtos que os das ovelhas normais.[5] Esta questão iniciou uma acesa disputa na comunidade científica sobre a influência da clonagem nos processos de envelhecimento, que está ainda hoje por resolver.

Em 2002 foi anunciado que Dolly sofria de um tipo de doença pulmonar progressiva, o que foi interpretado por alguns setores como sinal de envelhecimento. Dolly foi abatida em fevereiro de 2003, aos 6 anos, para evitar uma morte dolorosa por infecção pulmonar incurável. O seu corpo empalhado está exposto no Museu Real da Escócia, em Edimburgo, Escócia.[6]

Legado[editar | editar código-fonte]

Depois que a clonagem foi demonstrada com sucesso através da produção de Dolly, muitos outros grandes mamíferos foram clonados, incluindo porcos,[7][8] veados,[9] cavalos[10] e touros.[11] A tentativa de clonar argali (ovelha da montanha) não produziu embriões viáveis. A tentativa de clonar um touro banteng teve mais sucesso, assim como as tentativas de clonar o muflão (uma forma de ovelha selvagem), ambas resultando em descendentes viáveis. O processo de reprogramação pelo qual as células precisam passar durante a clonagem não é perfeito e os embriões produzidos por transferência nuclear frequentemente apresentam desenvolvimento anormal. Fazer mamíferos clonados foi altamente ineficiente - em 1996, Dolly foi a única ovelha que sobreviveu à idade adulta de 277 tentativas. Em 2014, foi relatado que cientistas chineses tinham taxas de sucesso de 70 a 80% na clonagem de porcos e,[8] em 2016, uma empresa coreana, Sooam Biotech, estava produzindo 500 embriões clonados por dia.[12] Wilmut, que liderou a equipe que criou Dolly, anunciou em 2007 que a técnica de transferência nuclear pode nunca ser suficientemente eficiente para uso em humanos.[13]

A clonagem pode ter utilidade na preservação de espécies ameaçadas de extinção e pode se tornar uma ferramenta viável para reviver espécies extintas.[14] Em janeiro de 2009, cientistas do Centro de Tecnologia e Pesquisa de Alimentos de Aragão, no norte da Espanha, anunciaram a clonagem do íbex dos Pirenéus, uma forma de cabra selvagem da montanha, que foi oficialmente declarada extinta em 2000. Embora o íbex recém-nascido tenha morrido logo após o nascimento devido a defeitos físicos em seus pulmões, é a primeira vez que um animal extinto foi clonado e pode abrir portas para salvar espécies em extinção ou recentemente extintas, ressuscitando-as de tecidos congelados.

Em julho de 2016, quatro clones idênticos de Dolly (Daisy, Debbie, Dianna e Denise) estavam vivos e saudáveis ​​aos nove anos de idade.[15][16]

A Scientific American concluiu em 2016 que o principal legado da ovelha Dolly não foi a clonagem de animais, mas sim os avanços na pesquisa com células-tronco.[17] Depois de Dolly, os pesquisadores perceberam que células comuns poderiam ser reprogramadas para células-tronco pluripotentes induzidas, que podem ser cultivadas em qualquer tecido.[18]

A primeira clonagem bem-sucedida de uma espécie de primata usando o mesmo método para produzir Dolly foi relatada em janeiro de 2018. Dois clones idênticos de um macaco macaco, Zhong Zhong e Hua Hua, foram criados por pesquisadores na China e nasceram no final de 2017.[19][20][21][22]

Em janeiro de 2019, cientistas na China relataram a criação de cinco macacos clonados idênticos com edição de genes, usando a mesma técnica de clonagem que foi usada com Zhong Zhong e Hua Hua  - os primeiros macacos clonados - e a ovelha Dolly, e a mesma técnica gene-edição CRISPR-Cas9 supostamente usada por He Jiankui na criação dos primeiros bebês humanos modificados por genes, Lulu e Nana. Os clones de macacos foram feitos para estudar várias doenças médicas.[23][24]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. BBC. «Dolly the sheep is cloned» (em inglês). 22 de fevereiro de 2014 
  2. Kolata, Gina (14 de fevereiro de 2003). «Dolly, the First Cloned Mammal, Is Dead». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  3. Cramb, Auslan (8 de março de 2006). «I didn't clone Dolly the sheep, says prof». The Telegraph (em inglês). Consultado em 24 de fevereiro de 2017 
  4. Terra. «Morre a ovelha Dolly, o primeiro animal clonado». Consultado em 22 de maio de 2014 
  5. Shiels, Paul. «Analysis of Telomere Length in Dolly, a Sheep Derived by Nuclear Transfer». Cloning 
  6. «The Life Of Dolly». Consultado em 1 de fevereiro de 2021 
  7. Grisham, Julie (abril de 2000). «Pigs cloned for first time». Nature Biotechnology. 18 (4). 365 páginas. PMID 10748477. doi:10.1038/74335 
  8. a b Shukman, David (14 January 2014) China cloning on an 'industrial scale' Arquivado 2018-08-17 no Wayback Machine BBC News, Retrieved 14 January 2014
  9. «Texas A&M scientists clone world's first deer». Innovations Report. 23 de dezembro de 2003. Consultado em 1 de janeiro de 2007. Cópia arquivada em 11 de novembro de 2006 
  10. Cohen, Haley (31 de julho de 2015). «How Champion-Pony Clones Have Transformed the Game of Polo». VFNews. Vanity Fair. Consultado em 27 de dezembro de 2015. Cópia arquivada em 20 de dezembro de 2015 
  11. Lozano, Juan A. (27 de junho de 2005). «A&M Cloning project raises questions still». Bryan-College Station Eagle. Consultado em 16 de outubro de 2018. Cópia arquivada em 12 de dezembro de 2019 
  12. Zastrow, Mark (8 de fevereiro de 2016). «Inside the cloning factory that creates 500 new animals a day». New Scientist. Consultado em 23 de fevereiro de 2016. Cópia arquivada em 22 de fevereiro de 2016 
  13. Roger Highfield "Dolly creator Prof Ian Wilmut shuns cloning" Arquivado 2014-11-16 no Wayback Machine. Daily Telegraph 16 November 2007
  14. Trounson AO (2006). «Future and applications of cloning». Nuclear Transfer Protocols. Col: Methods in Molecular Biology. 348. [S.l.: s.n.] pp. 319–32. ISBN 978-1-58829-280-3. PMID 16988390. doi:10.1007/978-1-59745-154-3_22 
  15. Gray, Richard; Dobson, Roger (31 de janeiro de 2009). «Extinct ibex is resurrected by cloning». The Telegraph. London. Consultado em 1 de fevereiro de 2009. Cópia arquivada em 27 de dezembro de 2014 
  16. Jabr, Ferris (11 de março de 2013). «Will Cloning Ever Save Endangered Animals?». Scientific American. Consultado em 15 de janeiro de 2014. Cópia arquivada em 13 de dezembro de 2013 
  17. Weintraub, Karen. «20 Years after Dolly the Sheep Led the Way—Where Is Cloning Now?». Scientific American. Consultado em 2 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 2 de dezembro de 2016 
  18. Sample, Ian (26 de junho de 2016). «Dolly's clones ageing no differently to naturally-conceived sheep, study finds». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 2 de dezembro de 2016. Cópia arquivada em 3 de dezembro de 2016 
  19. Liu, Zhen; et al. (24 de janeiro de 2018). «Cloning of Macaque Monkeys by Somatic Cell Nuclear Transfer». Cell. 172 (4): 881–887.e7. PMID 29395327. doi:10.1016/j.cell.2018.01.020. Consultado em 24 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 8 de fevereiro de 2018 
  20. Normile, Dennis (24 de janeiro de 2018). «These monkey twins are the first primate clones made by the method that developed Dolly». Science. doi:10.1126/science.aat1066. Consultado em 24 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 27 de janeiro de 2018 
  21. Briggs, Helen (24 de janeiro de 2018). «First monkey clones created in Chinese laboratory». BBC News. Consultado em 24 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2018 
  22. «Scientists Successfully Clone Monkeys; Are Humans Up Next?». The New York Times. Associated Press. 24 de janeiro de 2018. Consultado em 24 de janeiro de 2018. Cópia arquivada em 25 de janeiro de 2018 
  23. Science China Press (23 de janeiro de 2019). «Gene-edited disease monkeys cloned in China». EurekAlert!. Consultado em 24 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2019 
  24. Mandelbaum, Ryan F. (23 de janeiro de 2019). «China's Latest Cloned-Monkey Experiment Is an Ethical Mess». Gizmodo. Consultado em 24 de janeiro de 2019. Cópia arquivada em 24 de janeiro de 2019 
Ícone de esboço Este artigo sobre Genética é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.