Parábola do Servo Fiel

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Parábola do Servo Fiel.
Gravura de Jan Luyken ilustrando a parábola, na Bíblia Bowyer (Bowyer Bible).

A Parábola do Servo Fiel ou Parábola do Porteiro é uma parábola contada por Jesus no Novo Testamento, em Mateus 24:42-51, Marcos 13:34-37, e Lucas 12:35-48.

No Evangelho de Mateus, este texto precede a Parábola das Dez Virgens, que tem um tema escatológico semelhante: estar preparado para o dia do julgamento.

Narrativa bíblica[editar | editar código-fonte]

No Evangelho de Lucas, a parábola segue:

«Estejam cingidas as vossas cintas e acesas as vossas candeias; e sede vós semelhantes a homens que esperam pelo seu senhor, ao voltar ele das bodas; para que, quando vier e bater à porta, logo lha abram. Bem-aventurados aqueles servos a quem o senhor achar vigiando, quando vier; em verdade vos digo que ele se cingirá, os fará sentar à mesa e, chegando-se, os servirá. Quer ele venha na segunda vigília, quer na terceira, bem-aventurados serão eles, se assim os achar. Mas sabei que se o dono da casa tivesse sabido a que hora havia de vir o ladrão, não o haveria deixado arrombar a sua casa. Estai vós também apercebidos, porque à hora que não pensais, virá o Filho do homem. Pedro perguntou-lhe: Senhor, diriges esta parábola a nós ou também a todos? Respondeu o Senhor: Quem é, pois, o despenseiro fiel e prudente, ao qual o seu senhor confiará a direção da sua casa, para que em tempo devido distribua o alimento? Bem-aventurado aquele servo a quem o seu senhor, quando vier, achar assim fazendo. Em verdade vos digo que lhe confiará todos os seus bens. Mas se aquele servo disser no seu coração: Meu senhor tarda em vir e começar a espancar os criados e as criadas, a comer, a beber e a embriagar-se, virá o senhor daquele servo no dia em que não o espera e na hora que ele não sabe, e o cortará pelo meio e lhe dará parte com os infiéis. Aquele servo, que soube a vontade do seu senhor, e não se preparou, nem fez conforme a sua vontade, será castigado com muitos açoites; aquele, porém, que não a soube, e fez coisas que mereciam castigos, será punido com poucos açoites. De todo aquele a quem muito é dado, muito será requerido; e daquele a quem muito é confiado, mais ainda lhe será exigido.» (Lucas 12:35-48)

Interpretação[editar | editar código-fonte]

A parábola é uma de uma seqüência de respostas para uma pergunta no Evangelho de Mateus:

«Enquanto estava sentado no monte das Oliveiras, os discípulos aproximaram-se-lhe em particular, dizendo: 'Dize-nos quando sucederão estas coisas e qual será o sinal da tua vinda e do fim do mundo?'» (Mateus 24:3)

Outras parábolas nesta seqüência incluem a Parábola das Dez Virgens (Mateus 25:1-13) e a Parábola da Figueira (Mateus 24:32-35). A parábola das Dez Virgens reforça o convite à prontidão perante o nosso desconhecimento da Segunda Vinda de Cristo[1] . Ela já foi descrita como uma "parábola de vigília"[2] .

Em Mateus, a parábola começa com a liminar: «Portanto vigiai, porque não sabeis em que dia vem o vosso Senhor» (Mateus 24:42). Em outras palavras, o discípulo "deve ficar preparado para vinda de seu Senhor, mantendo-se alerta e acordado no seu posto"[3] . Mesmo que possam haver sinais da Segunda Vinda de Cristo, a hora exata é desconhecida[3] . É um tema que também foi discutido anteriormente, em Lucas 12[4] . A referência a um banquete de casamento em Lucas 12:36 sugere um banquete celestial[4] e recorda a Parábola das Dez Virgens, que segue esta parábola em Mateus.

A segunda parte da parábola inclui uma advertência de que, "a quem muito é dado, muito será exigido"[3] . J. Dwight Pentecost escreve que esta parábola "enfatiza esse privilégio traz responsabilidade e essa responsabilidade implica mais responsabilidade"[5] . Isto aplica-se especialmente aos líderes religiosos[6] .

Como a Parábola da Ovelha Perdida, é uma parábola sobre homens que está imediatamente antes, e chega na mesma conclusão, que uma parábola sobre mulheres[7] .

Hinos[editar | editar código-fonte]

A parábola é o tema de diversos hinos, inclusive de Os Servos do Senhor ("Ye Servants of the Lord"), de Philip Doddridge, que termina:

Christ shall the banquet spread - "Cristo deve dar banquete;"
With His own royal hand, - "Com sua própria mão real,"
And raise that faithful servant’s head - "E erguer a cabeça do servo fiel"
Amid the angelic band. - "No meio da banda angelical."[8]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Parábola do Servo Fiel

Referências

  1. R. T. France,The Gospel According to Matthew: An introduction and commentary, Eerdmans, 1985, ISBN 0802800637, pp. 349-352.
  2. Wikisource-logo.svg "Parables" na edição de 1913 da Catholic Encyclopedia (em inglês)., uma publicação agora em domínio público.
  3. a b c Craig S. Keener, A Commentary on the Gospel of Matthew, Eerdmans, 1999, ISBN 0802838219, p. 592.
  4. a b Joel B. Green, The Gospel of Luke, Eerdmans, 1997, ISBN 0802823157, pp. 497-501.
  5. J. Dwight Pentecost, The Parables of Jesus: Lessons in life from the Master Teacher, Kregel Publications, 1998, ISBN 0825434580, p. 175.
  6. Joel B. Green, The Gospel of Luke, Eerdmans, 1997, ISBN 0802823157, p. 506.
  7. A Parábola da Ovelha Perdida está antes da Parábola da Moeda Perdida e esta está antes da Parábola das Dez Virgens.
  8. The Cyber Hymnal: Ye Servants of the Lord.