Penhascoso

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Portugal Penhascoso 
  Freguesia portuguesa extinta  
Símbolos
Brasão de armas de Penhascoso
Brasão de armas
Localização
Penhascoso está localizado em: Portugal Continental
Penhascoso
Localização de Penhascoso em Portugal Continental
Mapa de Penhascoso
Coordenadas 39° 32' 31" N 8° 02' 17" O
município primitivo Mação
município (s) atual (is) Mação
Freguesia (s) atual (is) Mação, Penhascoso e Aboboreira
História
Extinção 28 de janeiro de 2013
Características geográficas
Área total 39,60 km²
População total (2011) 802 hab.
Densidade 20,3 hab./km²
Outras informações
Orago Nossa Senhora do Pranto

Penhascoso foi uma freguesia portuguesa do concelho de Mação, na província da Beira Baixa, região do Centro (Região das Beiras) e sub-região do Médio Tejo, com 39,60 km² de área[1] e 802 habitantes (2011).[2] Densidade: 20,3 hab/km².

Foi extinta (agregada) pela reorganização administrativa de 2013,[3] sendo o seu território integrado na freguesia de Mação, Penhascoso e Aboboreira.

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Penhascoso [4]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1710 1713 2086 2440 2795 3017 2196 2234 2395 2196 1668 1349 1137 952 802

Nos anos de 1864 a 1890 pertencia ao concelho de Abrantes. Por decreto de 21 de novembro de 1895 passou a fazer parte do concelho de Sardoal e por decreto de 13 de janeiro de 1898 do actual conselho. Nos censos de 1864 a 1930 figura como Panascoso, sendo-lhe dada a actual designação pelo decreto-lei nº 31.212, de 10 de abril de 1941. Por decreto nº 15.324, de 31 de março de 1928, foram desanexados lugares desta freguesia para constituir a de Ortiga.

Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 78 95 364 415 8,2% 10,0% 38,2% 43,6%
2011 64 54 343 341 8,0% 6,7% 42,8% 42,5%

História[editar | editar código-fonte]

A freguesia nem sempre teve o nome de Penhascoso, sendo que até ao ano de 1941 era chamada de Panascoso. A origem deste topónimo filiar-se-ia no nome de uma planta gramínea panasco, abundante nesta região a utilizada como pasto pelos gados. No entanto, a 10 de Abril de 1941, o decreto lei n.º 31212 determinou que o topónimo fosse alterado para Penhascoso, argumentando que o nome da povoação derivava da palavra antiga Peña, entretanto convertida em penha, cujo significado estaria de harmonia com as características rochosas ou penhascosas do terreno onde a localidade se situava mas que, na realidade, não se verificam. Existiu grande discussão em tal ocasião sendo estas duas as teorias as existentes e comunicadas.

Após a reconquista cristã, Penhascoso terá pertencido durante bastante tempo à comarca de Tomar, ao contrário de grande parte do Concelho de Mação, pagando foro pela captação de águas das ribeiras para moinhos, pisões e lagares de azeite à Coroa portuguesa.

Pertencendo ao Concelho de Sardoal até 1895, é incorporada no concelho de Mação em 1898. Nesta região foram encontrados vestígios de civilizações que por aqui se fixaram dos quais se destacam a descoberta de uma alabarda de sílex que fez remontar a antiguidade do povoamento desta zonas a eras muito remotas. Existem também vestígios de um castro onde se defende ter sido a origem da povoação.

Nas localidades envolventes, sabe-se terem sido levadas a cabo actividades como a exploração aurífera nas margens de ribeiras, devido à descoberta de vários utensílios entre os quais um machado, em Março de 1944, no Casal da Barba Pouca - freguesia de Penhascoso, denominada alabarda de sílex a maior da Península Ibérica. De realçar que o Sr. Boaventura Marques foi o autor deste achado durante a preparação (lavoura) do terreno para semear o milho. Posteriormente esta alabarda foi gentilmente oferecida ao Museu de Mação.

Localidades[editar | editar código-fonte]

  • Panascoso depois Penhascoso
  • Casal de Barba Pouca
  • Espinheiros
  • Monte Penedo
  • Queixoperra
  • Ribeira de Boas Eiras
  • Serra

Actividades Económicas[editar | editar código-fonte]

Silvicultura, agricultura, apicultura, indústria têxtil, construção civil, comércio.

Festas e romarias[editar | editar código-fonte]

  • Festa do Pentecostes ao Divino Espírito Santo
  • Festa da Nossa Senhora da Luz (2.º fim-de-semana de Julho)- Queixoperra
  • Festa do Senhor dos Aflitos (2.º fim-de-semana de Agosto)
  • Nossa Senhora do Pranto (3.º Domingo de Agosto)

Património[editar | editar código-fonte]

  • Igreja Matriz
  • Capela de São Bartolomeu
  • Capela de Santo António
  • Capela do Divino Espírito Santo
  • Cruzeiro
  • Castro
  • Moinhos de vento e água
  • Palácio do Panascoso depois Palácio do Penhascoso

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

Artesanato[editar | editar código-fonte]

Colectividades[editar | editar código-fonte]

  • Cooperativa Agrícola da Freguesia de Penhascoso
  • Grupo Desportivo Cultural e Recreativo de Penhascoso
  • Associação Centro de Dia de Nossa Senhora do Pranto
  • Centro Recreativo e Cultural de Queixoperra
  • Associação Recreativa e Cultural da Serra

Referências

  1. IGP (2012). «Áreas das freguesias, municípios e distritos/ilhas da CAOP 2012.1» (XLS-ZIP). Carta Administrativa Oficial de Portugal (CAOP), versão 2012.1. Instituto Geográfico Português. Consultado em 30 de julho de 2013 
  2. INE (2012). «Quadros de apuramento por freguesia» (XLS-ZIP). Censos 2011 (resultados definitivos). Tabelas anexas à publicação oficial; informação no separador "Q101_CENTRO". Instituto Nacional de Estatística. Consultado em 27 de julho de 2013 
  3. Lei n.º 11-A/2013, de 28 de janeiro: Reorganização administrativa do território das freguesias. Anexo I. Diário da República, 1.ª Série, n.º 19, Suplemento, de 28/01/2013.
  4. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.