Peter Grimes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Peter Grimes é uma ópera de Benjamin Britten, com um libreto adaptado por Montagu Slater do poema narrativo, "Peter Grimes", de George Crabbe . O "bairro" da ópera é uma aldeia fictícia que partilha algumas semelhanças com a casa de Crabbe e de Britten, em Aldeburgh, uma cidade na costa leste da Inglaterra.

Foi realizado pela primeira vez no Sadler Wells em Londres, em 07 de junho de 1945, conduzido por Reginald Goodall, e foi a primeira das óperas de Britten ser um sucesso de público e crítica. Ele ainda é amplamente realizado, tanto no Reino Unido e internacionalmente, e é considerado parte do repertório padrão. Além disso, os quatro interlúdios dos atos foram publicados separadamente (como Op . 33-A) e são freqüentemente realizados como uma suíte orquestral. A Passacaglia também foi publicado separadamente (como Op 33b.), e também é freqüentemente realizada, em conjunto com os interlúdios ou por si só.

Composição e história[editar | editar código-fonte]

Em 1941, logo após a primeira apresentação de sua ópera Paul Bunyan, Britten e seu parceiro Peter Pears foram morar em Escondido, Califórnia. Lá eles leram o poema de Crabbe e ficaram encantandos com ele. Britten, sendo um nativo de Suffolk, fortemente se identificou com a história trágica do pescador Aldeburgh Peter Grimes.

Esta ópera foi a primeira concebido enquanto Britten estava na Califórnia. Ele disse mais tarde: em um flash, percebi duas coisas:. Que eu devo escrever uma ópera, e onde eu pertencia. [1]

Britten retornou à Inglaterra em abril de 1942. Logo após seu retorno, ele pediu a Montagu Slater para ser o libretista para Peter Grimes.[2] Britten e Pears ambos tinham uma mão elaboração forte da história, e nesse processo o caráter de Grimes se tornou muito mais complexo. Ao invés de ser um claro vilão como na versão de Crabbe, ele se tornou uma vítima de ambos o destino cruel e a sociedade, mantendo aspectos mais sombrios de seu caráter.[3] É deixado para o público decidir qual versão é mais verdadeira, e ver quão as faces claras ou ambíguas de várias personagens. [4]

Peter Pears foi desde o inicio o escolhido para Peter Grimes,[5] e é provável que Britten escreveu o papel de Ellen Orford para Joan Cruz. O trabalho tem sido chamado de "uma alegoria poderosa da opressão homossexual", [6] e uma das "verdadeiras obras-primas de ópera do século 20".[5]

Enquanto a escrita do libreto avançava, certas versões que mostraram as relações de Grimes com seu aprendiz chegando a pederastia, Slater foi convencido por Pears cortar as estrofes questionáveis ​​na versão final.[7] A ópera foi encomendada pela Koussevitzky Music Foundations e é "dedicado à memória de Natalie Koussevitzky", esposa do maestro americano nascido na Rússia, Serge Koussevitzky.

Histórico de desempenho[editar | editar código-fonte]

Quando Joan Cross, que na época era gerente da Sadler's Wells company, anunciou a sua intenção de reabrir o Sadler's Wells Theatre com Peter Grimes, e com ela e Peter Pears nos papéis principais, houve muitas reclamações de membros da empresa sobre suposto favoritismo e "cacofonia" pela música de Britten.[8] No entanto, quando Peter Grimes inaugurou em junho de 1945, a ópera foi aclamada pelo público e crítica;[9] suas receitas de bilheteria igualou ou ultrapassou os de La bohème e Madame Butterfly, que estavam sendo encenadas simultaneamente pela empresa.[10]

Sua estréia americana ocorreu em 1946 em Tanglewood por um aluno de Koussevitzky, Leonard Bernstein.

Em 1967, a Metropolitan Opera montou uma produção famosa, dirigida por Tyrone Guthrie e estrelado por Jon Vickers no papel de Grimes. [5]

No verão de 2013, o Festival de Aldeburgh encenou uma performance de Peter Grimes em seu ambiente natural, a praia de Aldeburgh, com o tenor Alan Oke no papel-título.[11]

Papéis[editar | editar código-fonte]

Role Extensão vocal Elenco da estreia, 7 de Junho de 1945
(Condutor: Reginald Goodall)
Peter Grimes, o pescador tenor Peter Pears
Ellen Orford, uma viúva, professora soprano Joan Cross
Tia, proprietária do bar contralto Edith Coates
Sobrinha 1 soprano Blanche Turner
Sobrinha 2 soprano Minnia Bower
Balstrode, aposentado comerciante marinheiro barítono Roderick Jones
Sra. (Nabob) Sedley, viúva rentista mezzo-soprano Valetta Iacopi
Swallow, Advogado baixo Owen Brannigan
Ned Keene, boticário baritono Edmund Donlevy
Bob Boles, pescador e metodista tenor Morgan Jones
Rev. Horace Adams, o reitor tenor Tom Culbert
Hobson, o transportador bass Frank Vaughan
John, aprendiz de Grimes papel silencioso Leonard Thompson

Enredo[editar | editar código-fonte]

[editar | editar código-fonte]

Uma aldeia costeira de Suffolk, meados do Séc. XIX (a data não é especificada mas, no Acto III, é localizada posteriormente ao poema de Crabbe)

Peter Grimes é questionado em um inquérito sobre a morte no mar de seu aprendiz. O povo da cidade, todos os presentes, deixam claro que pensam que Grimes é o culpado e merecedor da prisão. Embora o médico legista/legal, o Sr. Swallow, tenha determinado a morte do garoto como acidental, e salvado Grimes, sem um julgamento adequado, ele aconselha Grimes a não tomar outro aprendiz - contra o que Grimes protesta, veementemente. Quando o processo em tribunal termina, Ellen Orford, a professora com quem Grimes deseja casar-se, assim que ele ganhar o respeito de Borough, tenta consolar Grimes, mas ele se enfurece contra o que ele vê como má vontade da comunidade em dar-lhe uma verdadeira segunda chance.

Ato I[editar | editar código-fonte]

O mesmo, dias mais tarde

Após o primeiro interlúdio orquestral, (na versão de concerto de Four Sea Interludes/Quatro Interlúdios Marinhos entitulada "Dawn"/"Madrugada" o coro, que constitui a comunidade de "Borough", canta sobre o seu cansaço com a rotina diária e a sua relação com o mar e as estações do ano. Grimes pede ajuda para transportar o seu barco para terra, mas é rejeitado pela maioria da comunidade. Mais tarde, Balstrode e o boticário, Ned Keene, ajudam Grimes rodando o cabrestante. Keene diz a Grimes que lhe arranjou um novo aprendiz (chamado John) do reformatório. Ninguém vai voluntariar-se para buscar o menino, até que Ellen se oferece ("Let her among you without fault..."/"Seja ela, de entre vós, sem falha...").

Como se aproxima uma tempestade, a maioria da comunidade - depois de fechar as janelas e lojas - abriga-se no pub. Grimes fica de fora, e é quando, com Balstrode, confessa as suas ambições: fazer fortuna com um "bom partido", comprar uma boa casa e casar-se com Ellen Orford. Balstrode sugere "sem o seu espólio que [Ellen] terá agora", só para provocar Grimes que está furioso: "Não, não por piedade!" Balstrode abandona Grimes na tempestade, e Grimes rumina "Que porto abriga a paz?". A tempestade rompe, então, com um estrondo (segundo interlúdio orquestral).

No pub, as tensões estão crescendo devido, tanto à tempestade, como ao pescador Metodista, Bob Boles, que está ficando cada vez mais bêbado e lascivo após a atração principal do pub, as duas "sobrinhas". Grimes, de repente entra ("Now the Great Bear and Pleiades..."/"Agora o Grande Urso e as Plêiades..."), e a sua aparência selvagem faz quase toda a comunidade ficar com medo e desconfiança de seu "temperamento". Ned Keene quebra a tensão no ar, iniciando uma partida ("Old Joe has gone fishing"/"O velho José foi pescar"). Mesmo quando a rodada atinge um clímax, Ellen chega com o aprendiz, ambos encharcados. Grimes imediatamente leva o aprendiz para a sua cabana, apesar da terrível tempestade.

Ato II[editar | editar código-fonte]

O mesmo, dias mais tarde

Na manhã de domingo (o terceiro interlúdio orquestral), enquanto a maior parte de Borough está na igreja, Ellen fala com John, o aprendiz. Ela fica horrorizada quando (ela) descobre uma nódoa negra, em/no seu[dele] pescoço. Quando ela confronta Grimes sobre isso, ele bruscamente afirma que foi um acidente. Cada vez mais agitado com as crescentes preocupação e interferência dela, ele ataca Ellen e foge com o menino. Isso não passa despercebido: primeiro Keene, a Tia, e Bob Boles, e em seguida, o coro comenta o que se passou, o que provoca que uma multidão se reúna, para investigar a cabana de Grimes. Enquanto os homens marcham, Ellen, Tia e as sobrinhas, cantam com tristeza acerca da relação das mulheres com os homens.

Na cabana, Grimes, impacientemente, faz com que o sempre silencioso John troque as suas roupas de domingo pelas da engrenagem do pescador e, então, torna-se perdido nas suas lembranças do seu anterior, agora morto, aprendiz revivendo a morte do garoto. Quando ele ouve a multidão de aldeões que se aproximam, ele rapidamente vem de volta à realidade, agitando-se por uma crença paranoica de que John foi "fofocar" com Ellen, assim provocando a "procissão estranha", e ao mesmo tempo se sentindo desafiado. Ele se prepara para entrar no mar, e ele diz a John para ter cuidado e descer o penhasco para seu barco, mas sem sucesso: o menino cai para a sua morte. Quando a multidão chega à cabana de Grimes ele se foi, e não encontram nada fora de ordem, e eles vão embora.

Ato IV[editar | editar código-fonte]

Noite tensa em Borough ("Moonlight" mar interlúdio). Enquanto a dança está acontecendo, Sra. Sedley tenta convencer as autoridades de que Grimes é um assassino, mas sem sucesso. Ellen e Capitão Balstrode falam um no outro: Grimes retornou depois de muitos dias no mar, e Balstrode descobriu uma camisa lavada em terra: a camisa que Ellen reconhece como aquele que ela tinha dado para John. Sra. Sedley ouve isso, e sabendo que Grimes tinha retornado, ela é capaz de instigar outra multidão. Cantando "Him who despises us we'll destroy", os moradores vão em busca de Grimes.

Enquanto o coro pode ser ouvido à procura dele, Grimes aparece no palco, cantando um longo monólogo escassamente acompanhada por gritos do coro fora do palco, e uma buzina de nevoeiro (representado por uma tuba a solo): a morte de John, aparentemente, quebrou a sanidade de Grimes. Ellen e Balstrode o encontram, e o antigo capitão incentiva Grimes para tomar o seu barco para o mar e afundá-lo. Grimes vai embora. Na manhã seguinte, o Borough começa seu dia de novo, como se nada tivesse acontecido. Há um relatório da Guarda Costeira de um navio afundando na costa. A Tia considera isso falso, como sendo "um desses rumores."

Gravações[editar | editar código-fonte]

Ano Cast:
Peter Grimes,
Ellen Orford,
Balstrode, Auntie
Condutor,
Opera House e Orquestra
Label[12]
1948 Peter Pears,
Joan Cross
Reginald Goodall,
Royal Opera House, Covent Garden Orchestra e BBC Theatre Chorus
CD: EMI Classics 64727
Cat: (excerpts)
1958 Peter Pears,
Claire Watson,
James Pease,
Jean Watson
Benjamin Britten,
Royal Opera House, Covent Garden Orchestra e Chorus,
Recorded Walthamstow Assembly Hall, London
London CD: Decca
Cat: 414577 (reissued 1990, 2001, 2006)
1969 Peter Pears,
Heather Harper,
Bryan Drake,
Michael Rippon
Benjamin Britten,
London Symphony Orchestra, Ambrosian Opera Chorus,
Recorded Snape Maltings.
BBC Recording DVD: Decca
Cat: 074 3261
1978 Jon Vickers,
Heather Harper,
Jonathan Summers,
Elizabeth Bainbridge
Colin Davis,
Royal Opera House, Covent Garden Orchestra e Chorus
CD: Philips
Cat: 462847 (reissued 1999)
1981 Jon Vickers,
Heather Harper,
Norman Bailey,
Elizabeth Bainbridge
Colin Davis,
Royal Opera House, Covent Garden Orchestra e Chorus
DVD: Kultur
Cat: 2255 (released 2003)
1984 Plácido Domingo,
Rosalind Plowright,
Henry Herford,
Ann Murray
Neville Marriner,
Academy of St Martin-in-the-Fields e Ambrosian Opera Chorus
CD: Deutsche Grammophon
Cat: 437 563-2
1992 Anthony Rolfe Johnson,
Felicity Lott,
Thomas Allen,
Patricia Payne
Bernard Haitink,
Royal Opera House, Covent Garden Orchestra e Chorus
CD: EMI Classics
Cat: 5483222 (reissued 2003, EMI Classics: 915620)
1994 Philip Langridge,
Janice Cairns,
Alan Opie,
Ann Howard
David Atherton,
English National Opera Orchestra e Chorus
DVD: Kultur
Cat: 2902
1995 Philip Langridge,
Janice Watson,
Alan Opie,
Ameral Gunson
Richard Hickox,
City of London Sinfonia e London Symphony Orchestra Chorus
CD: Chandos
Cat: 9447
2004 Glenn Winslade,
Janice Watson,
Anthony Michaels-Moore,
Jill Grove
Colin Davis,
London Symphony Orchestra e Chorus
CD: LSO Live
Cat: 54 [13]
2005 Christopher Ventris,
Emily Magee,
Alfred Muff,
Liliana Nikiteanu
Franz Welser-Möst,
Orchester und Chor der Oper Zürich
DVD: EMI Classics
Cat: 00971
2012 John Graham-Hall,
Susan Gritton,
Christopher Purves,
Felicity Palmer
Robin Ticciati,
Orchestra e Coro del Teatro alla Scala
DVD: Opus Arte
Cat: OA1103D[14]

Referências

  1. Matthews, David (2003). Britten. (Life & Times). Haus Publishing Limited: Londres. ISBN 1-904341-21-7 .
  2. Matthews (2003), Ch. 5
  3. Wheatcroft, Geoffrey (06 de Agosto de 2000). «The lesson of Peter Grimes» (em inglês). Guardian.com.uk. Consultado em 18 de Novembro de 2014.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  4. Johnson, Stephen (03 de Março de 2001). «Peter Grimes» (em inglês). Guardian.com.uk. Consultado em 18 de Novembro de 2014.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  5. a b c Tommasini, Anthony (01 de Março de 2001). «The Outsider in Their Midst: Britten's Tale of the Haunted Misfit» (em inglês). New York Times. Consultado em 18 de Novembro de 2014.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  6. «Lesbian and Gay Music». The New Grove Dictionary of Music and Musicians (em inglês). Consultado em 18 de Novembro de 2014. 
  7. Fenton, James (03 de Julho de 2004). «How Grimes became grim» (em inglês). The Guardian. Consultado em 18 de Novembro de 2014.  Verifique data em: |data= (ajuda)
  8. Gilbert, Susie (2009). Opera for Everybody. Londres: Faber and Faber. ISBN 978-0-571-22493-7 .
  9. "Sadler's Wells Opera – Peter Grimes", The Times (Londres), 8 de Junho de 1945, p.
  10. Banks, Paul (2000). The Making of Peter Grimes: Essays and Studies. Woodbridge: Boydell Press. ISBN 0-85115-791-2
  11. Duchen, Jessica. «Benjamin Britten's Peter Grimes , live on the Aldeburgh beach» (em inglês). Independent.co.uk. Consultado em 18 de Novembro de 2014. 
  12. Recordings of the opera on operadis-opera-discography.org.uk Retrieved 7 November 2010
  13. Andrew Clements, "Britten: Peter Grimes: Winslade/ Watson/ Michaels-Moore/ Wyn-Rogers/ Grove/ Rutherford/ Lemalu/ London Symphony Chorus & Orchestra/ Davis". The Guardian (London), 9 July 2004
  14. "Recordings of Peter Grimes, Presto Classical