Polidoro (filhos de Príamo)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Polidoro (mitologia))
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados de Polidoro, veja Polidoro (desambiguação).


Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém fontes no fim do texto, mas que não são citadas no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Polidoro é, na mitologia grega e romana, o nome de dois filhos de Príamo, rei de Troia. O primeiro Polidoro era filho de Hécuba, o outro teve como mãe Laotoe.

A história de Polidoro, filho de Hécuba, é contada pelo poeta latino Virgílio, no livro III da Eneida, quando narra suas peregrinações a Dido, rainha de Cartago. Várias versões circulavam na antiguidade sobre o personagem e as circunstâncias de sua morte. Virgílio optou pela versão de Eurípides (Hécuba, 1-30; cf. também 716-720; 781-782).

Polidoro foi enviado por Príamo a Polimestor (ou Polimnestor), rei da Trácia, com parte do tesouro de Tróia, quando o rei já não confiava nas armas de Dardânia e via sua cidade sitiada por todos os lados. Polimestor era casado com Ilíone, a filha mais velha de Príamo e Hécuba. Quando Polimestor ficou sabendo que Tróia havia sido derrotada, tirou traiçoeiramente a vida do príncipe troiano para se apoderar das riquezas que este trouxera consigo.

Quando Eneias deixou Tróia em chamas, dirigiu-se à Trácia, terra que considerava amiga, e começou a construir uma cidade para os companheiros e as fámílias que fugiram com ele. Como herói piedoso, pensou primeiro em fazer oferendas aos deuses, sobretudo à deusa Vênus, sua mãe, e a Júpiter.

No momento em que cortava ramos para enfeitar os altares ocorreu um prodígio. Gotas de sangue podre vertiam dos troncos dos arbustos e a voz queixosa de Polidoro, enterrado ali, se fez ouvir. O infeliz aconselhou Eneias a sair daquela terra que o traiu e lhe contou sua história.

Os chefes troianos e Anquises decidiram então abandonar a Trácia, honrando Polidoro antes de partir com ritos funerários conforme mandavam as normas. A crença antiga dava grande importância aos ritos fúnebres e Polidoro não havia recebido uma sepultura digna. Seu corpo fora coberto, talvez naturalmente, por uma espécie de outeiro de terra ou de areia.

Hécuba, mãe de Polidoro, tornou-se escrava de Odisseu com o fim da guerra de Troia e foi parar na Trácia com outras cativas. Ali ficou conhecendo o destino do filho e tramou a vingança. Atraiu Polimestor e dois de seus filhos com a promessa de novas riquezas e, com a ajuda de outras escravas, arrancou os olhos do rei e matou os dois príncipes.

O poeta latino Ovídio também fala de Polidoro no livro 13 das Metamorfoses.

O mito de Polidoro é mencionado igualmente por Dante Alighieri, no Canto XIII do Inferno, na Divina Comédia. Ali o poeta italiano diz que os suicidas são transformados em árvores e, quando um de seus ramos é quebrado, verte um sangue escuro. A dor que sentem é tão grande que soltam gritos que saem pela abertura do ramo quebrado. Polidoro é citado explicitamente também no Canto XXX da Divina Comédia (v. 18).

Ao outro Polidoro, filho de Laotoe, refere-se Homero, poeta grego. Era o filho mais novo de Príamo, que por isso procurou preservá-lo da guerra. Mas o rapaz, que confiava em demasia na agilidade de suas pernas, desobedeceu ao pai e foi morto por Aquiles, que lhe tirou a couraça de prata com que estava armado e o traspassou com sua lança num combate. Homero contou essa luta no livro 20 da Ilíada.